Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: Mercyful Fate - 9 (1999)

Por: André Luiz Paiz

Acessos: 57

Compartilhar:

Facebook Twitter
User Photo
Album Cover
Se for realmente o último, a conta está paga!
4
04/06/2019

O último álbum de estúdio do Mercyful Fate foi lançado há vinte anos atrás, mas ainda impressiona pela energia, peso e agressividade. Se for realmente o derradeiro, saíram pela porta da frente.

Ainda sem Michael Denner e mantendo a formação de "Dead Again", a agressividade de "9" é notada logo de cara. "Last Rites" chega quebrando tudo, mostrando também a evolução da sonoridade apresentada em seu antecessor, só que ainda mais distorcida. Bem característico dos trabalhos de heavy metal lançados na transição do final da década de noventa para a seguinte.
"Church of Saint Anne" é densa e com ótimo refrão. Uma das melhores do álbum.
Seguindo adiante, temos uma trinca de respeito. Três petardos excelentes: "Sold My Soul", "House on the Hill" e "Burn in Hell". A última vez que ouvi o Mercyful Fate tão pesado foi quando lançaram "Time".
Mantendo o peso agora de maneira mais cadenciada, "The Grave" não se destaca tanto, mas passa longe de ser descartada. Pesada e sombria.
Os fãs do lado mais agressivo de King Diamond e sua trupe se deliciarão com a matadora "Insane". Velocidade absurda, pareada com muita energia.
"Kiss the Demon" e "Buried Alive" são divididas entre cadência e velocidade, sempre acompanhadas de riffs matadores de guitarra. Aqui destaca-se o lado sabbathiano do grupo.
Por fim, "9" encerra o álbum e talvez a carreira do grupo de maneira morna, sendo a minha menos preferida. É mais lenta e densa, com peso e boa interpretação, mas nada que empolgue como as demais.
Outro destaque deste trabalho é a densidade das letras, que remetem ao início da carreira da banda, quando exploravam o satanismo e ocultismo.

É mais um grande lançamento deste fantástico grupo. King Diamond sempre foi fiel às suas raízes e nunca quis sair do underground, carregando à todo custo a bandeira do heavy metal, seja com o Mercyful Fate ou em sua carreira solo. Insisto em dizer, se "9" for o último disco do Mercyful Fate, o que eu espero que não seja, a banda deixa uma discografia invejável a muitos grupos mais famosos que temos por aí.

Se for realmente o último, a conta está paga!
4
04/06/2019

O último álbum de estúdio do Mercyful Fate foi lançado há vinte anos atrás, mas ainda impressiona pela energia, peso e agressividade. Se for realmente o derradeiro, saíram pela porta da frente.

Ainda sem Michael Denner e mantendo a formação de "Dead Again", a agressividade de "9" é notada logo de cara. "Last Rites" chega quebrando tudo, mostrando também a evolução da sonoridade apresentada em seu antecessor, só que ainda mais distorcida. Bem característico dos trabalhos de heavy metal lançados na transição do final da década de noventa para a seguinte.
"Church of Saint Anne" é densa e com ótimo refrão. Uma das melhores do álbum.
Seguindo adiante, temos uma trinca de respeito. Três petardos excelentes: "Sold My Soul", "House on the Hill" e "Burn in Hell". A última vez que ouvi o Mercyful Fate tão pesado foi quando lançaram "Time".
Mantendo o peso agora de maneira mais cadenciada, "The Grave" não se destaca tanto, mas passa longe de ser descartada. Pesada e sombria.
Os fãs do lado mais agressivo de King Diamond e sua trupe se deliciarão com a matadora "Insane". Velocidade absurda, pareada com muita energia.
"Kiss the Demon" e "Buried Alive" são divididas entre cadência e velocidade, sempre acompanhadas de riffs matadores de guitarra. Aqui destaca-se o lado sabbathiano do grupo.
Por fim, "9" encerra o álbum e talvez a carreira do grupo de maneira morna, sendo a minha menos preferida. É mais lenta e densa, com peso e boa interpretação, mas nada que empolgue como as demais.
Outro destaque deste trabalho é a densidade das letras, que remetem ao início da carreira da banda, quando exploravam o satanismo e ocultismo.

É mais um grande lançamento deste fantástico grupo. King Diamond sempre foi fiel às suas raízes e nunca quis sair do underground, carregando à todo custo a bandeira do heavy metal, seja com o Mercyful Fate ou em sua carreira solo. Insisto em dizer, se "9" for o último disco do Mercyful Fate, o que eu espero que não seja, a banda deixa uma discografia invejável a muitos grupos mais famosos que temos por aí.

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Mais Resenhas de Mercyful Fate

Album Cover

Mercyful Fate - In The Shadows (1993)

Ressurgindo das sombas
4
Por: André Luiz Paiz
26/03/2019
Album Cover

Mercyful Fate - Time (1994)

Uma obra grandiosa
5
Por: Fábio Arthur
14/12/2018
Album Cover

Mercyful Fate - Don't Break The Oath (1984)

Conseguindo ainda mais destaque
4.5
Por: André Luiz Paiz
18/03/2019

Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

Hellish War - Defender of Metal (2001)

Defendendo o Metal!
3
Por: Vitor Sobreira
21/09/2018
Album Cover

Lacuna Coil - The 119 Show - Live In London (2018)

Proporcionando um lindo presente aos fãs!
5
Por: João Paulo
13/11/2018
Album Cover

Black Sabbath - Paranoid (1970)

O primeiro clássico do Black Sabbath
5
Por: André Luiz Paiz
22/08/2017