Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: Renaissance - Scheherazade And Other Stories (1975)

Por: Tiago Meneses

Acessos: 234

Compartilhar:

Facebook Twitter
User Photo
Album Cover
Rock Progressivo sinfônico na sua maior essência
5
05/10/2017

Às vezes me pergunto sobre o que chamamos de rock progressivo sinfônico. Bom, sem sombra de dúvidas que as duas mais importantes nessa questão são Yes e Genesis, mas não creio que existe uma banda que consiga fazer essa definição soar de forma tão coesa e certeira como é o caso do Renaissance. A voz operística de Annie Hasslam é algo totalmente único no mundo musical e representam por si só o que a palavra sinfônica deve significar. E com certeza encontra-se em sua melhor forma em Scheherazade & Other Stories. 

Renaissance é uma banda que sempre foi mais calcada em piano e vocais com arranjos elaborados, mas às vezes um pouco leve em comparação com a maioria das bandas de progressivo 70's, não fraco ou sem impacto, mas mais suave, apenas. Usando uma comparação com o boxe, se Genesis, Yes ou Emerson Lake & Palmer, são pesos pesados que podem matar o oponente com o primeiro (golpe) acorde, Renaissance é como um dos médios, que também precisa de estilo e elegância para vencer a luta.

Scheherazade & Other Stories trata-se de um álbum conceitual baseado nos contos árabes das 1001 noites. A base musical da obra está na suíte sinfônica, “Scheherazade” do compositor russo Nikolai Rimsky-Korsakov. A história que é contada no álbum é sobre Scheherazade, uma bela jovem, condenada a se tornar mais uma das ex esposas do sultão, já que o mesmo, com medo de traição tinha o terrível hábito de decapitá-las após a noite de núpcias. Aí é que entra o barato da história, pra escapar desse destino que todas as mulheres tiveram, ela contava uma história para o sultão, ou melhor dizendo, mais um capítulo de uma história que ela jamais terminava, deixando ele assim curioso, e por consequência poupava sua vida, ao menos a princípio, pois ficava interessado no capítulo seguinte que ela tinha pra contar. Fez isso por incríveis 1001 noites, quando enfim, o sultão desistiu da sua intenção, fazendo de Scheherazade, sua rainha. E é com base nesse conceito que ““Scheherazade & Other Stories” foi desenvolvido.

"Song of Sheherezade" um épico de 24 minutos, é tão impressionante que as pessoas por conta dele costumam esquecer o resto do álbum, algo bastante injusto, porque o álbum pode ser visto como uma obra bem equilibrada e todas as faixas tem seus próprios méritos. Mesmo que realmente no fim das contas não tenham a grandeza daquela que fecha o trabalho.

O disco começa com, "Trip to the Fair"”. Inicia-se com uma impressionante introdução de 3 minutos de piano sendo executado com extremo bom gosto, adicionado a uma leve mistura de coro e percussão, de repente é seguido pela maravilhosa voz de Annie. Talvez o problema com esta canção é que após a forte e enérgica abertura, a gente espere algo mais poderoso, mas a banda muda o sentido da música em direção a uma melodia suave a deixar o ouvinte em um mundo onírico, com alguns acordes de jazz que criam uma atmosfera viajante. Ao ouvinte mais exigente pode ser tratada como uma canção regular. Mas ainda assim, um grande começo de álbum.

"The Vultures Fly High" tem um saldo melhor, começa forte e termina da mesma maneira, menos sinfônica e mais orientada apenas em uma linha rock do que o resto do álbum, tem uma levada mais forte e rápida. Os membros da banda mostram que eles são capazes de fazer boas e curtas canções.

"Ocean Gypsy" é uma música mais suave, onde novamente os vocais de Annie são o destaque, com a participação evidente do resto dos membros, essa música é mais previsível do que todas as outras faixas, mas também bastante encorpada, deixando bem claro que a Renaissance é uma banda completa, não apenas um grupo de piano e voz.

O álbum encerra com "Song of Sheherezade", sem dúvida, o trabalho mais elaborado feito pela banda, um épico que tem tudo, exímios pianos, orquestra extremamente sólida, coro, além de excelente trabalho por parte de toda a banda. A atmosfera árabe é perfeita e os vocais de Annie Hasslam não são dignos de serem chamados de algo menores que sublimes. Possui mudanças espetaculares e explosões musicais súbitas. Uma beleza simplesmente fora do comum. Tudo feito com total cuidado, onde cada frase é encaixada como um perfeito quebra cabeça dentro de orquestrações que elevam o estado de espirito de quem as escutam.

Um álbum de rock progressivo sinfônico na sua maior essência. Uma sonoridade verdadeiramente mágica, com toda a certeza um dos mais originais também, pois ao contrário das demais bandas sinfônicas que citei mais acima, em momento algum o Renaissance prega uma sonoridade virtuosa. Tudo flui de forma encantadora e surreal.

Rock Progressivo sinfônico na sua maior essência
5
05/10/2017

Às vezes me pergunto sobre o que chamamos de rock progressivo sinfônico. Bom, sem sombra de dúvidas que as duas mais importantes nessa questão são Yes e Genesis, mas não creio que existe uma banda que consiga fazer essa definição soar de forma tão coesa e certeira como é o caso do Renaissance. A voz operística de Annie Hasslam é algo totalmente único no mundo musical e representam por si só o que a palavra sinfônica deve significar. E com certeza encontra-se em sua melhor forma em Scheherazade & Other Stories. 

Renaissance é uma banda que sempre foi mais calcada em piano e vocais com arranjos elaborados, mas às vezes um pouco leve em comparação com a maioria das bandas de progressivo 70's, não fraco ou sem impacto, mas mais suave, apenas. Usando uma comparação com o boxe, se Genesis, Yes ou Emerson Lake & Palmer, são pesos pesados que podem matar o oponente com o primeiro (golpe) acorde, Renaissance é como um dos médios, que também precisa de estilo e elegância para vencer a luta.

Scheherazade & Other Stories trata-se de um álbum conceitual baseado nos contos árabes das 1001 noites. A base musical da obra está na suíte sinfônica, “Scheherazade” do compositor russo Nikolai Rimsky-Korsakov. A história que é contada no álbum é sobre Scheherazade, uma bela jovem, condenada a se tornar mais uma das ex esposas do sultão, já que o mesmo, com medo de traição tinha o terrível hábito de decapitá-las após a noite de núpcias. Aí é que entra o barato da história, pra escapar desse destino que todas as mulheres tiveram, ela contava uma história para o sultão, ou melhor dizendo, mais um capítulo de uma história que ela jamais terminava, deixando ele assim curioso, e por consequência poupava sua vida, ao menos a princípio, pois ficava interessado no capítulo seguinte que ela tinha pra contar. Fez isso por incríveis 1001 noites, quando enfim, o sultão desistiu da sua intenção, fazendo de Scheherazade, sua rainha. E é com base nesse conceito que ““Scheherazade & Other Stories” foi desenvolvido.

"Song of Sheherezade" um épico de 24 minutos, é tão impressionante que as pessoas por conta dele costumam esquecer o resto do álbum, algo bastante injusto, porque o álbum pode ser visto como uma obra bem equilibrada e todas as faixas tem seus próprios méritos. Mesmo que realmente no fim das contas não tenham a grandeza daquela que fecha o trabalho.

O disco começa com, "Trip to the Fair"”. Inicia-se com uma impressionante introdução de 3 minutos de piano sendo executado com extremo bom gosto, adicionado a uma leve mistura de coro e percussão, de repente é seguido pela maravilhosa voz de Annie. Talvez o problema com esta canção é que após a forte e enérgica abertura, a gente espere algo mais poderoso, mas a banda muda o sentido da música em direção a uma melodia suave a deixar o ouvinte em um mundo onírico, com alguns acordes de jazz que criam uma atmosfera viajante. Ao ouvinte mais exigente pode ser tratada como uma canção regular. Mas ainda assim, um grande começo de álbum.

"The Vultures Fly High" tem um saldo melhor, começa forte e termina da mesma maneira, menos sinfônica e mais orientada apenas em uma linha rock do que o resto do álbum, tem uma levada mais forte e rápida. Os membros da banda mostram que eles são capazes de fazer boas e curtas canções.

"Ocean Gypsy" é uma música mais suave, onde novamente os vocais de Annie são o destaque, com a participação evidente do resto dos membros, essa música é mais previsível do que todas as outras faixas, mas também bastante encorpada, deixando bem claro que a Renaissance é uma banda completa, não apenas um grupo de piano e voz.

O álbum encerra com "Song of Sheherezade", sem dúvida, o trabalho mais elaborado feito pela banda, um épico que tem tudo, exímios pianos, orquestra extremamente sólida, coro, além de excelente trabalho por parte de toda a banda. A atmosfera árabe é perfeita e os vocais de Annie Hasslam não são dignos de serem chamados de algo menores que sublimes. Possui mudanças espetaculares e explosões musicais súbitas. Uma beleza simplesmente fora do comum. Tudo feito com total cuidado, onde cada frase é encaixada como um perfeito quebra cabeça dentro de orquestrações que elevam o estado de espirito de quem as escutam.

Um álbum de rock progressivo sinfônico na sua maior essência. Uma sonoridade verdadeiramente mágica, com toda a certeza um dos mais originais também, pois ao contrário das demais bandas sinfônicas que citei mais acima, em momento algum o Renaissance prega uma sonoridade virtuosa. Tudo flui de forma encantadora e surreal.

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Mais Resenhas de Renaissance

Album Cover

Renaissance - A Symphonic Journey (2018)

Impressionante jornada sinfônica ao vivo
5
Por: Roberto Rillo Bíscaro
21/11/2018
Album Cover

Renaissance - Turn Of The Cards (1974)

Boa mistura de jazz, rock e folk com ajuda de um belíssimo trabalho orquestral
4
Por: Tiago Meneses
07/03/2019

Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

Yes - Yes (1969)

Um disco onde a banda que chegaria tão longe ainda parece perdida
2.5
Por: Tiago Meneses
08/03/2019
Album Cover

Genesis - Duke (1980)

Caindo de boca no pop
3.5
Por: Roberto Rillo Bíscaro
09/04/2018
Album Cover

Premiata Forneria Marconi - Storia Di Un Minuto (1972)

Incrível estreia através de uma obra-prima pastoral e sinfônica
5
Por: Tiago Meneses
30/05/2018