Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Resenha: Alfredo Dias Gomes - Solar (2019)

Por: Márcio Chagas

Acessos: 130

Compartilhar:

Facebook Twitter
User Photo
Album Cover
Ego domado em ótimo CD de fusion brasileiro!
4
07/04/2019

Se você é aficionado por música instrumental o nome de Alfredo dias Gomes pode não lhe parecer familiar em um primeiro momento, mas com certeza já ouviu sua performance. O músico, que é filho de duas lendas da teledramaturgia brasileira, Janete Clair e Dias Gomes, começou sua carreira no final dos anos 70, integrando o grupo do mítico Hermeto Paschoal.

Nos anos 80 fez parte do grupo de Ivan Lins ao lado de grandes instrumentistas como Heitor T.P. e Sizão Machado. No inicio dos anos 90 o baterista gravou seu primeiro trabalho solo completo, e enveredou por uma carreira independente que já conta com onze discos.

Além de exímio baterista, o Gomes é também um prolifico compositor e multi-instrumentista, o que lhe oferece um leque ainda maior de possibilidades ao exercer sua arte. Neste CD o músico contou apenas com a ajuda de Wildor Santiago nos saxes e flautas, deixando o músico a cargo dos demais instrumentos.

“Viajante” abre o CD com um baião instrumental  calcado nas flautas e saxes de Widor Santiago, a canção tem uma historia interessante, pois foi composta pelo músico no inicio dos anos 80 a pedido de sua mãe Janete Clair para a novela Coração Alado. A música foi gravada por Dominguinhos na época e aqui aparece em uma versão instrumental e  revigorada.

A faixa-título apresenta um bom entrosamento entre a dupla de músicos, com o  sax sincopado de Santiago solando em cima da bateria de Alfredo.. Aqui é facilmente possível escutar ecos e influências de Wayne Shorter em meio a brasilidade que impera por todo o tema;

A canção  " Trilhando" é um jazz mais easy listening, lembrando vagamente o grupo Spyro Gira. Destaque para o baixo acústico encorpado e bem timbrado;

Na balada  "Corais" o destaque absoluto é sax de Wildor, que utiliza vários de seus instrumentos para formar uma atmosfera  melódica e  complacente;

"Smooky" é a canção sincopada, onde novamente o sax malemolente de Santiago  se mostra em evidência e acaba brincando com a bateria de Gomes;
"El Toreador" é outro tema antigo, escrito pelo baterista em 1993, para fazer parte de uma peça infantil escrita por sua mãe. O tema é fortemente influenciado pelo flamenco e ritmos regionais oriundos da Espanha;

"Alta Tensão" é um bom tema jazzístico com forte influência de ritmos nacionais. A dupla consegue novamente surpreender pelo entrosamento. Gomes se sente em casa para conduzir a vontade seu kit de bateria, uma vez que o fusion sempre foi o estilo que mais gravou; 

O álbum termina apropriadamente com "Finale",  onde a dupla se mostra à vontade, inclusive duelando no final da canção.

De saldo final temos um disco sem solos maçantes e intermináveis como em muitos trabalhos solo de bateristas, como se fosse um exercício de malabarismo e indulgência. Este fato não acontece em “Solar”. Alfredo é antes de tudo um compositor consciente e refinado, que prioriza suas composições ao invés do exibicionismo, o que torna o álbum agradável e de musicalidade variada, com adição de ritmos brasileiros e regionais ao estilo jazzístico sedimentado pelo baterista em trabalhos anteriores. Neste trabalho, o grande destaque são as canções e não o solista.

Ego domado em ótimo CD de fusion brasileiro!
4
07/04/2019

Se você é aficionado por música instrumental o nome de Alfredo dias Gomes pode não lhe parecer familiar em um primeiro momento, mas com certeza já ouviu sua performance. O músico, que é filho de duas lendas da teledramaturgia brasileira, Janete Clair e Dias Gomes, começou sua carreira no final dos anos 70, integrando o grupo do mítico Hermeto Paschoal.

Nos anos 80 fez parte do grupo de Ivan Lins ao lado de grandes instrumentistas como Heitor T.P. e Sizão Machado. No inicio dos anos 90 o baterista gravou seu primeiro trabalho solo completo, e enveredou por uma carreira independente que já conta com onze discos.

Além de exímio baterista, o Gomes é também um prolifico compositor e multi-instrumentista, o que lhe oferece um leque ainda maior de possibilidades ao exercer sua arte. Neste CD o músico contou apenas com a ajuda de Wildor Santiago nos saxes e flautas, deixando o músico a cargo dos demais instrumentos.

“Viajante” abre o CD com um baião instrumental  calcado nas flautas e saxes de Widor Santiago, a canção tem uma historia interessante, pois foi composta pelo músico no inicio dos anos 80 a pedido de sua mãe Janete Clair para a novela Coração Alado. A música foi gravada por Dominguinhos na época e aqui aparece em uma versão instrumental e  revigorada.

A faixa-título apresenta um bom entrosamento entre a dupla de músicos, com o  sax sincopado de Santiago solando em cima da bateria de Alfredo.. Aqui é facilmente possível escutar ecos e influências de Wayne Shorter em meio a brasilidade que impera por todo o tema;

A canção  " Trilhando" é um jazz mais easy listening, lembrando vagamente o grupo Spyro Gira. Destaque para o baixo acústico encorpado e bem timbrado;

Na balada  "Corais" o destaque absoluto é sax de Wildor, que utiliza vários de seus instrumentos para formar uma atmosfera  melódica e  complacente;

"Smooky" é a canção sincopada, onde novamente o sax malemolente de Santiago  se mostra em evidência e acaba brincando com a bateria de Gomes;
"El Toreador" é outro tema antigo, escrito pelo baterista em 1993, para fazer parte de uma peça infantil escrita por sua mãe. O tema é fortemente influenciado pelo flamenco e ritmos regionais oriundos da Espanha;

"Alta Tensão" é um bom tema jazzístico com forte influência de ritmos nacionais. A dupla consegue novamente surpreender pelo entrosamento. Gomes se sente em casa para conduzir a vontade seu kit de bateria, uma vez que o fusion sempre foi o estilo que mais gravou; 

O álbum termina apropriadamente com "Finale",  onde a dupla se mostra à vontade, inclusive duelando no final da canção.

De saldo final temos um disco sem solos maçantes e intermináveis como em muitos trabalhos solo de bateristas, como se fosse um exercício de malabarismo e indulgência. Este fato não acontece em “Solar”. Alfredo é antes de tudo um compositor consciente e refinado, que prioriza suas composições ao invés do exibicionismo, o que torna o álbum agradável e de musicalidade variada, com adição de ritmos brasileiros e regionais ao estilo jazzístico sedimentado pelo baterista em trabalhos anteriores. Neste trabalho, o grande destaque são as canções e não o solista.

Sample photo

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Mais Resenhas de Alfredo Dias Gomes

Album Cover

Alfredo Dias Gomes - Jam (2018)

Diversão pura com música de extrema qualidade
4.5
Por: André Luiz Paiz
06/03/2018

Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Album Cover

Raul Seixas - Metrô Linha 743 (1984)

Um disco mediano, com lampejos de genialidade
3
Por: Marcel Z. Dio
01/12/2018
Album Cover

Luiz Melodia - Pérola Negra (1973)

Fazendo música com a alma
5
Por: Marcel Z. Dio
22/01/2019
Album Cover

Milton Nascimento - Geraes (1976)

GERAES! GERAES!!!
5
Por: Glauco Scaglia
30/10/2018