Resenha

Joe Cocker: Mad Dog with Soul

2017

Direção: John Edginton

Por: Roberto Rillo Bíscaro

Colaborador Especialista

01/11/2020



Cachorrinho de colo

Durante os anos 80, um senhor barbudo com voz rouca e parecendo um anão de jardim, conquistou-me diversas vezes com baladas, temas de filmes e novelas globais: Up Where We Belong, Edge Of a Dream, Even a Fool Would Let Go, Don’t You Love Me Anymore são amadas e escutadas até hoje. Provavelmente a coisa mais “pesada” foi o R’ n’ B meio domesticado de Unchain My Heart. Pelo Som Pop ou símile já ouvira o definitivo cover de With A Little Help From My Friends, dos Beatles, que entrou de vez para o imaginário de muitos atuais 50tões brasucas, por ser tema de abertura da série Anos Incríveis. Mas ouço/adoro muito mais as baladas.

A escassa mídia à mão naquele tempo aqui no interior paulista afirmava que o melhor de sua carreira já passara, e que o britânico a destruíra devido ao abuso de substâncias químicas. Nunca me importei em saber detalhes ou conhecer muito além do mencionado. OK, You Are So Beautiful tocava sempre nos programas de flashback (recentemente ainda a ouvi num carro sintonizado num desses programas), mas, quando desisti de ouvir rádio em algum momento dos 90’s, perdi contato com Joe Cocker. Sabia que lançava álbuns, percebi que seu visual ficava cada vez mais domado – tipo de senhorzão alinhado mesmo – mas não escuto nada “novo” há uma geração. Soube que participou do jubileu não sei do que da Rainha, compartilhei vídeos de minhas baladas favoritas, quando morreu de câncer no pulmão, em 2014, mas Joe pertencia aos cristalizados anos 80.

Creio que assim permanecerá; suspeito que jamais pintará ímpeto de conhecer muito do que veio antes ou depois. Mas, isso não seria motivo para eu deixar escapar Joe Cocker: Mad Dog With Soul, documentário da Netflix, que traça perfil bem chapa-branca do fã de Ray Charles e Aretha Franklin, nascido na industrial Sheffield. Os 90 minutos de depoimentos e imagens de arquivo funcionam mais como tributo (merecido) e cronologia para quem deseja conhecer medianamente sua carreira.

Catapultado ao semi-endeusamento pela seminal performance em Woodstock, Cocker começou megaturnê pelos EUA, onde não ganhou dinheiro, mas era tanta doideira que afetaria sua vida pessoal por décadas, porque foi nela que o cantor se viciou em tudo quanto lhe davam. A partir daí, amigos, parentes e colaboradores pintam boa autoimagem, além de construírem Joe como alma extremamente gentil, incapaz de dizer não ao que lhe empurravam goela ou nariz abaixo; incapaz de lidar sobriamente com as tais pressões do estrelato e do show bizz. Enfim, é a visão goethiana do artista genial consumido pela arte. Nem o feroz mercado fonográfico parece ter culpa alguma: como Cocker era sensível e afável demais, era antena pronta para captar quaisquer vibrações negativas.

Psicologicamente é retrato por demais raso e o coloca mais como receptor do que como agente. Rita Coolidge afirma que na primeira turnê Cocker chegou a ser ameaçado fisicamente pelos organizadores, quando tentou desistir. Quando é preciso dizer que despediu seu empresário de anos por carta e nunca mais falou com ele novamente, a coisa fica só nisso. Joe era impulsivo, decidia algo e pronto, não há análise. Até parar de beber foi assim; bateu um clique depois de velho e parou facilmente. Fodástico, hein?! Joe Cocker: Mad Dog With a Soul não vira tabloide, porque evita mergulhar no lado sombrio; mostra apenas a superfície.

O documentário jamais entrará para listas de mais influentes sobre roqueiros, mas se você, como eu, só queria mesmo um panorama da carreira, até que serve.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Roberto Rillo Bíscaro

Nível: Colaborador Especialista

Membro desde: 11/09/2017

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaYuna - Chapters (2016)

    20/11/2020

  • Image

    ResenhaRegina Belle - The Day Life Began (2016)

    17/12/2020

  • Image

    ResenhaLeela James - Did It for Love (2017)

    20/10/2020

  • Image

    ResenhaThe Style Council - Internationalists (1985)

    17/03/2021

  • Image

    ResenhaBajofondo - Campo (2011)

    15/07/2021

  • Image

    ResenhaAngela Ro Ro - Selvagem (2017)

    23/04/2020

  • Image

    ResenhaBlondie: One Way or Another

    10/08/2021

  • Image

    ResenhaPump Up the Volume

    03/07/2021

  • Image

    ResenhaThe Jesus And Mary Chain - Psychocandy (1985)

    18/11/2019

  • Image

    ResenhaGenesis - ...And Then There Were Three (1978)

    08/03/2018

Visitar a página completa de Roberto Rillo Bíscaro



Sobre o filme

Joe Cocker: Mad Dog with Soul

Ano: 2017

Direção: John Edginton

Avaliação geral: 2,5 - 1 voto

Avalie

você conhece esse filme? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Joe Cocker: Mad Dog with Soul



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.