Para os que respiram música assim como nós


Resenha: The Kate Bush Story: Running Up That Hill (2014)

Direção: Adrian Sibley

Relacionado com: Korn

Acessos: 493


Um tesouro nacional britânico

Por: Roberto Rillo Bíscaro

30/10/2020

Entre 26 de agosto e primeiro de outubro de 2014, Kate Bush fez 22 shows no Apollo Hammersmith, em Londres. Os ingressos – que chegavam a custar 750 dólares – esgotaram-se em menos de 20 minutos. Um dos motivos para tamanho assanhamento do público era que Bush não se apresentava ao vivo desde sua única turnê de início de carreira, em 1978. Na manhã seguinte ao primeiro espetáculo, o crítico musical da BBC não conseguia esconder a estupefação de tê-la visto ao vivo.

Kate Bush é tesouro nacional britânico, então não foi coincidência, que, às vésperas da estreia no Apollo, a estatal BBC4 tenha exibido os 59 minutos do documentário The Kate Bush Story: Running Up That Hill, que cobre competentemente sua carreira, desde sua gênese, até seu mais recente álbum de inéditas de estúdio, 50 Words For Snow (2011). Ainda que não saiba direito o que fazer com LPs pouco compreendidos ou populares, como o áspero The Dreaming (1982) ou o lírico duplo Aerial (2005), o programa analisa faixas e ensaia possíveis explicações inspiratórias e influências.

Tudo de modo a manter intacta a pristina imagem de reclusa inacessível e autônoma, construída ao longo de décadas de carreira até meio esparsa, mas influente de assombrar, conforme atesta a diversidade de gente que topou comentar sobre o impacto de La Bush. Desde óbvios, como seu incentivador na adolescência, David Gilmour, passando por quadrinistas como Neil Gaiman; o punk de margarina, John Lydon e chegado ao rapper Boi Boi, do Outkast. Elton John conta que na festa de seu casamento, os convidados estavam mais interessados em conhecer Kate do que nos noivos. Tricky, um dos inventores do trip hop, revela como a despeito de origens sociais diametralmente opostas, um verso de Breathing lhe serve como lema a vida toda. Peter Gabriel relata como seu dueto em Don’t Give Up tem sido reinterpretado para diversos contextos e ajudado tanta gente na lona. O que não conta é que originalmente pensara em Dolly Parton e Bush só entrou na jogada, quando a country norte-americana não quis gravar com alguém que não conhecia.

Ao enfatizar a produção de algumas faixas, o documentário ensina às novas gerações ou relembra os mais velhos sobre como pioneiros no uso de softwares, como Peter Gabriel e Bush, ajudaram a inventar o que hoje qualquer moleque faz com apps no celular. Preste atenção nos vidros estilhaçando-se de Babooshka.

Kate Bush não contribuiu com qualquer material ou depoimento para The Kate Bush Story: Running Up That Hill. Se a emissora pediu ou não, vai saber, mas há interesse mútuo em manter a imagem distante. De Bush para ter paz, da mídia para ter pauta que contraponha esse tipo de artista, cada vez mais raro, às Spears, que arrotam perante câmeras.

As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor


Compartilhar

Comentar via Facebook

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.
Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito e aberto para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.