Para os que respiram música assim como nós


Autor: André Luiz Paiz

26/12/2019

Traduzido por: André Luiz Paiz

Zak Stevens é simplesmente um dos grandes vocalistas do rock. Acompanhado de grandes músicos, eternizou a sua voz em álbuns clássicos do grupo Savatage, além de participar de bandas e projetos notáveis como Trans-Siberian Orchestra, Circle II Circle e Machines of Grace. Seu mais novo projeto é a banda Archon Angel, que já deixou os fãs alvoroçados após o lançamento do primeiro single, a música "Fallen".

Zak e sua esposa Kate se esforçaram ao máximo para atender exclusivamente o site do 80 Minutos. Primeiro, como um presente de natal dedicado ao nosso país, que demonstra uma admiração enorme pela carreira do cantor. Depois, pela empolgação de ambos em relação ao projeto, já que trabalharam juntos no desenvolvimento das músicas e também do conceito lírico.

Confira a entrevista a seguir e fique ligado, pois o álbum sairá em fevereiro de 2020, pela Frontiers, e já é certo de que irá figurar como um dos melhores do ano.

Olá Zak, obrigado por falar com o 80 Minutos. Seja bem-vindo!

Olá a todos! Agradeço ao 80 Minutos por me receber. Quero enviar um grande abraço a todos os meus amigos e fãs brasileiros.

Bem, primeiramente, eu gostaria de ouvir de você: por que nós brasileiros amamos tanto o Zak Stevens?

Acho que teve início em 1998, quando Savatage chegou ao Brasil pela primeira vez com o "The Wake of Magellan". Tocamos no festival Phillips Monsters of Rock. Foi um evento enorme e tivemos muita exposição em um show em São Paulo. Foi um ótimo set e o nível de empolgação em relação ao Savatage começou a se desenvolver depois que conseguimos fazer esse show pela primeira vez. Eu era apenas o sortudo por ser o vocalista principal da banda, então recebi toda esta atenção que o Savatage e suas músicas proporcionaram.

Nós fãs recebemos recentemente ótimas notícias sobre um novo projeto seu. Você poderia nos contar um pouco sobre o Archon Angel? Como ele surgiu?

Fui procurado pelo produtor Aldo Lonobile, com quem trabalhei quando fiz os vocais do último álbum do projeto Avalon, de Timo Tolkki. A gravadora Frontiers pensou que seria uma boa ideia trabalhar em algo em conjunto entre mim e Aldo, e foi assim que o Archon Angel começou. 

Como eu amo tanto o Brasil, vou fazer com que essa entrevista seja a primeira vez que conto a história do álbum. Minha esposa escreveu a história e as letras, e eu acho que é tão convincente que eu realmente queria incorporar o personagem principal quando cantei, e me inspirei totalmente em sua jornada. 
A história começa com um homem, um empresário de sucesso, que pisa todos para progredir na vida. Ele vive um estilo de vida luxuoso e cheio de excessos. Um dia, ele é chamado para ser um Arconte (uma figura do Gnosticismo Grego conhecida por ser o comunicador entre o povo da Terra e Deus). Sua alma está em conflito, pois ele luta entre a decisão de manter seu caminho atual ou desistir de tudo para se tornar um herói que salva a sua cidade. As músicas ilustram as lutas que ele enfrenta e os capítulos de sua jornada em transição para se tornar Arconte.

Vocês lançaram recentemente um novo vídeo. "Fallen" é uma ótima música e deixou os fãs alvoroçados! Podemos esperar a mesma energia nas demais músicas do próximo álbum que será lançado em fevereiro (2020)?

Sim, estou confiante de que você pode esperar um nível muito alto de energia no álbum intitulado "Fallen". Incluímos baladas de rock como a faixa-título, mas também temos algumas músicas muito agressivas e mais aceleradas, além de algumas mais épicas, que são muito mais longas que as músicas típicas de rock. Eu acho que "Fallen" será um álbum para todos.

Zak, são 27 anos desde que você começou com o Savatage e sua música e legado ainda são extremamente relevantes. Assim que ouvi “Fallen”, a música me fez lembrar dos grandes momentos da sua carreira. Essa abordagem foi intencional? Quero dizer, vocês discutiram os caminhos a serem seguidos para o primeiro álbum do Archon Angel?

Nós queríamos ter músicas no álbum que definitivamente acentuassem os pontos fortes das nossas carreiras. Aldo, nosso produtor e guitarrista, é um grande fã do Savatage por si só, então conversamos sobre como isso influenciaria a direção das composições. Nós não conversamos muito sobre uma direção específica, apenas escolhemos as melhores músicas que escrevemos, e essas foram as que chegaram ao álbum em uma variedade grande de estilos.

Vocês estão planejando fazer uma turnê com a nova banda? Existe chances de vermos você aqui no Brasil com o Archon Angel?

Sim, já estamos planejando alguns shows. Começaremos no México em janeiro, com o cruzeiro 70.000 Tons of Metal, realizando uma breve turnê européia em abril. Em agosto, teremos um festival na Europa. Esperamos nos apresentar no Brasil e nos EUA em breve.

O Circle II Circle está em pausa no momento? Eu adoro a banda e gostei muito do último álbum, "Reign of Darkness".

Sim, a banda está em pausa no momento. Estamos todos ocupados com outros projetos e turnês, mas, se houver uma oportunidade no futuro, isso certamente será discutido.

Zak, é impossível para mim não falar sobre uma das maiores bandas de rock da história. Preciso perguntar: a reunião do Savatage no Wacken de 2015 foi planejada para ser unicamente para aquele show?

Eu não tenho poder de decisão quando se trata do Savatage. Se dependesse de mim ou de qualquer outro membro da banda, já estaríamos juntos novamente e tocando. O Savatage é de propriedade do TSO (Trans-Siberian Orchestra), e são os gerentes que tomam todas essas decisões. É algo comum que as pessoas me perguntem 100 vezes por dia sobre isso. Infelizmente, não tenho voz nessa decisão, mas sempre esperamos receber o chamado...

Eu amo Savatage com Jon cantando, mas sua chegada levou a banda a outro nível. Agora que já passou muito tempo, é possível nos dizer o motivo da sua saída nas sessões de "Poets And Madmen"? "The Wake of Magellan" é um dos melhores álbuns de rock de todos os tempos e definitivamente sentimos sua falta depois disso.

Eu estava com dois filhos pequenos, com idades entre 1 e 4 anos, e o equilíbrio entre ser um bom pai e um bom líder estava se tornando impossível de manter. Eu tive que tomar a decisão de desistir da turnê para passar um tempo com minha família. Com o passar do tempo eles foram crescendo eu pude retornar às turnês e gravações.

E falando sobre Jon, ele está em um momento privado agora, se recuperando do último evento de saúde que sofreu (Jon sofreu um AVC que deixou algumas sequelas em seu corpo). Vocês ainda são próximos? Jon está se recuperando bem?

Sim, Jon e eu ainda estamos muito próximos e estamos em contato constante. Com a Trans-Siberian Orchestra, trabalho muito próximo a Jon, conversando sobre os shows, as minhas apresentações e dos demais membros da banda. Jon certamente está se recuperando bem.

O TSO é um grande projeto, mas sofreu muitas perdas tristes desde 2017. Você poderia nos contar um pouco sobre o incrível Paul O'Neill e quão importante ele foi em sua carreira desde “Edge Of Thorns”?

Paul foi a pessoa e o produtor que me descobriu, e foi quem me trouxe para a família Savatage. Eu sou provavelmente o único cantor do mundo que foi totalmente moldado e influenciado por Paul O'Neill, além de Jon Oliva. Depois de trabalhar com Paul por quase 27 anos, incorporei completamente seu estilo, visão e expectativas. Minha vida é o seu legado e tenho uma responsabilidade pessoal em cumpri-lo todos os dias.

Tenho apenas mais uma pergunta sobre o passado: o projeto “Machines Of Grace” foi projetado para lançar apenas um álbum? Gosto bastante daquele trabalho.

Naquela época pensamos que seria um ou talvez dois álbuns. O projeto surgiu de albumas músicas que foram originalmente lançadas na banda Wicked Witch, de Boston, que incluía, além de mim, também o atual baterista do Savatage/Trans-Siberian Orchestra, Jeff Plate. Lançamos essas músicas com o um novo nome, Machines of Grace, em 2009. O álbum é ótimo, mas nunca tivemos a chance de escrever material novo para um segundo trabalho. 

E para os novos fãs que querem saber mais sobre Zak Stevens, você poderia nos dizer seus três álbuns favoritos de sua carreira?

"Edge Of Thorns", Savatage
"The Wake Of Magellan", também do Savatage
"Fallen", do Archon Angel. E acho que este álbum é um dos meus melhores e mais emocionantes trabalhos até hoje.

E é isso Zak, agradeço a sua gentileza e desejo-lhe sucesso com o Archon Angel e projetos futuros. Eu realmente espero vê-lo aqui no Brasil mais uma vez. Este último espaço é seu. Obrigado!

Muito obrigado, Andre. Quero apenas agradecer a todos no Brasil pelo enorme apoio ao longo dos anos. Vocês estarão sempre no meu coração. Esperamos ver vocês em breve.

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Compartilhe:

Comente: