Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

...

Entrevista - Roy Khan

Relacionado com: Conception, Kamelot
Data da Entrevista: 10/05/2018
Autor: André Luiz Paiz
Traduzido por: André Luiz Paiz

Acessos: 693

Compartilhar:

Facebook Twitter Google +

Roy Khan está de volta! A voz consagrada pelo grupo de power metal Kamelot retorna à cena trazendo de volta o Conception, sua primeira banda de destaque.

Afastado desde 2011, Khan lançou junto com os seus parceiros, um projeto via PledgeMusic para a contribuição dos fãs na gravação de um novo EP. Você pode dar a sua contribuição acessando este link. Acesse e contribua para o retorno de uma das mais belas vozes do mundo metal à música. Mas antes, confira a sua entrevista EXCLUSIVA para o site do 80 Minutos.

1. Olá Roy, obrigado por falar com o 80 Minutos. Os fãs de heavy metal sentiram muito a sua saída do Kamelot e da cena musical. O que você tem feito desde então?

Em primeiro lugar e o mais importante, eu tenho passado tempo com a minha família. No trabalho, eu tenho trabalhado na igreja em conjunto com o nosso clube dos jovens e outras coisas mais. Também tenho trabalhado como professor, periodicamente.

2. E agora você está de volta com o Conception, um grupo que lançou um material bem interessante no passado, cobrindo vários estilos musicais. Como surgiu este retorno?

Eu, Tore, Ingar e Arve continuamos sendo bons amigos por todos estes anos e nos encontrávamos ocasionalmente apenas para passar um tempo juntos. Até que, Tore e Arve vieram até mim com ideias para novas músicas. Isso aconteceu há uns dois anos. Esta foi a faísca que se transformou na campanha do PledgeMusic que lançamos.

3. Vocês estão trabalhando com o PledgeMusic e contando com o apoio dos fãs para lançamento de um novo EP. O que podemos esperar dele? Você pode nos contar um pouco sobre isso e como os fãs brasileiros podem contribuir?

Nós disponibilizamos alguns produtos que estão sendo produzidos para compra. Neste momento, nós estamos preparando um single e um EP - ambos serão únicos - e mais algumas outras coisas. A melhor forma de apoiar o Conception é acessando o nosso link no PledgeMusic.com
Os fãs podem, é claro, ajudar a nos manter ativos, compartilhando estas informações em suas mídias sociais. O sucesso desta campanha determinará o que será possível fazer depois. A princípio, devo dizer que está indo muito bem.

4. Vocês estão aqui para ficar? Pretendem tocar ao vivo e gravar um álbum completo de músicas novas do Conception?

Na verdade, o Conception nunca deixou de existir. Nós simplesmente congelamos algumas coisas por estarmos ocupados com outras coisas em nossas vidas. Eu adoraria sair por aí e tocar ao vivo novamente, apesar de, neste momento, não haver planos para shows aqui na Noruega ou em qualquer outro lugar. Mas, considerando o fato de que o Conception é uma máquina e todos nós adoramos tocar ao vivo, espero que seja possível chegar a um ponto em que isso se torne realidade.

5. Você continuou compondo músicas desde que saiu da cena metal?

Eu compus algumas coisas, mas a única canção que foi 100% finalizada foi "For All", que lancei no YouTube na páscoa deste ano.

6. Uma bela canção por sinal.

Obrigado!

7. Qual o motivo do Conception ter se separado após o lançamento do álbum "Flow", em 1997?

Nós sentimos que entregamos o melhor álbum de nossas carreiras. "Flow" ainda soa renovado. As coisas estavam indo bem, mas a onda grunge, a falta de suporte pelo nosso selo e uma turnê importante que acabou não acontecendo - nós fomos dispensados pouco antes de começar - acabaram com a nossa motivação de seguir em frente.

8. Esta é uma questão inevitável. Qual o real motivo da sua saída do Kamelot?

Como você deve saber, eu tive um sério colapso em 2010. Durante aquele verão, eu fiquei por semanas sem dormir e senti que estava ficando totalmente louco. Os motivos para isso eram vários, mas vamos dizer que eu não estava conduzindo a minha vida de uma boa maneira. Quando disse aos outros caras que eu precisava sair, foi um choque para todos. Ninguém imaginava que isso aconteceria (talvez em alguns momentos eu soubesse). Foi muito difícil até para falar com outras pessoas sobre isso, então, eu simplesmente me fechei com o mundo externo. Eu nem atendia meu telefone e definitivamente fiquei longe de e-mails e mídias sociais por um tempo bem longo.

9. É possível que você retorne à cena do power metal em definitivo?

Bem... sinto que estou começando a fazer isso agora...

10. Você por acaso ouviu os últimos trabalhos do Kamelot com o vocalista atual? Qual a sua opinião sobre eles e o que você mais sente falta da banda?

Eu realmente gosto das coisas mais novas do Kamelot. Tommy já era um bom vocalista quando entrou e sinto que ele melhorou ainda mais. São muitas as coisas que sinto falta do Kamelot. As pessoas nem tanto, mas passado é passado. O que foi feito está feito e apesar de ter sido uma decisão difícil de ser tomada, ter deixado o grupo foi a coisa certa a fazer naquele momento. Jamais me arrependi, nem por um segundo.

11. Você pode nos contar um pouco sobre os músicos que lhe influenciaram a se tornar um?

Eu ouço praticamente tudo. Boa música é boa música, independente do gênero, mas, como inspiração, bandas antigas como Queensryche, Iron Maiden e o pop trio norueguês A-HA foram bem importantes.

12. Você pode nos contar algo sobre você que os seus fãs provavelmente não sabem?

As coisas que os fãs não sabem sobre mim são muitas, mas, sinceramente, não consigo pensar em nada que valha a pena compartilhar.

13. Você possui uma voz belíssima, que soa ainda melhor em tons mais graves, com interpretações sentimentais e profundas. Isso vai um pouco contra o padrão dos vocalistas de power metal em geral, que tentam cada vez mais buscar a estratosfera através do alcance vocal. O que você pensa sobre isso? É melhor cantar bem em qualquer tom ou cantar agudo?

Obrigado! Eu acredito que o importante é conseguir se expressar. Usar o coração independente do que esteja cantando. Acredito que seja o melhor a fazer, mas não quer dizer que isso seja fácil.

14. Qual tipo de música você tem ouvido nestes últimos anos? Há algo que você tenha ouvido recentemente e que possa recomendar?

Semana passada eu fui a um concerto de Jazz na Suécia com a artista norueguesa Ellen Andrea Wang. Ela é uma cantora, compositora e baixista. Algumas de suas músicas soam fantásticas. Além disso, como disse, eu continuo ouvindo boa música independente do gênero.

15. Roy, agradecemos mais uma vez desejando sucesso com o retorno do Conception e demais projetos futuros. Nós sinceramente esperamos que você encontre o que está procurando neste novo desafio. Este último espaço é seu. Obrigado!

Obrigado pelo interesse e pelas ótimas perguntas. Aos nossos fãs brasileiros: Obrigado pelo apoio, por acreditarem em nós e por estarem comigo por todos estes anos. Muito obrigado (em português)! Espero que possamos nos encontrar novamente um dia. Fiquem ligados para mais novidades!


Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Guilherme Costa

Relacionado com: Guilherme Costa
Data da Entrevista: 30/11/2018

Cadastro por: André Luiz Paiz
Em: 02/12/2018

Peter Nicholls

Relacionado com: IQ, Niadem's Ghost
Data da Entrevista: 18/11/2018

Cadastro por: André Luiz Paiz
Em: 21/11/2018

Anneke van Giersbergen

Relacionado com: Anneke van Giersbergen, The Gathering, The Gentle Storm, VUUR
Data da Entrevista: 20/10/2018

Cadastro por: André Luiz Paiz
Em: 22/10/2018

Fábio Caldeira

Relacionado com: Maestrick
Data da Entrevista: 06/10/2018

Cadastro por: André Luiz Paiz
Em: 07/10/2018