Para os que respiram música assim como nós


Resenha: Verdade Oficial - Nos Bastidores Do Pantera (2014)

Autor(es): Rex Brown, Mark Eglinton, Thiago Silva

Relacionado com: PanteraDown

Acessos: 184


Nos bastidores da tragédia

Autor: Marcio Alexandre

27/02/2020

O Pantera foi um furacão dentro da música pesada nos anos 90. Era a década dividida pelo grunge e pelo new metal e várias bandas que não eram vindouras desses estilos acabaram os agregando à sua sonoridade, como o Kiss e o Mötley Crüe se enveredando numa sonoridade que se assemelhava ao Alice in Chains e Soundgarden, como também o Slayer e o Anthrax experimentavam coisas que soavam como o Korn e o Limp Bizkit. 
Na contramão, o Pantera seguia firme à seu próprio som e cada vez mais extrapolava seu som numa massa que parecia uma muralha de concreto, os concertos eram pura energia e transformava os locais das apresentações em uma explosão de energia e música numa relação única de banda e público. 

Porém os bastidores do Pantera não era exatamente aquilo que víamos em cima dos palcos. Todos já sabemos que o rumo e o fim definitivo do grupo foi uma verdadeira tragédia que deixou todos atônitos, precisamente em 14 de dezembro de 2004, quando Dimmebag Darrell foi alvejado por um fã maluco enquanto tocava com sua nova banda, o Damageplan. O Pantera já não estava em atividade um bom tempo quando o fato ocorreu, e é exatamente sobre essas trajetória percorrida até então, por mais de vintes anos que "Verdade Oficial - Nos Bastidores Do Pantera", vem nos elucidar através da visão do baixista Rex Brown o que levou essa cisão acontecer. 

O livro como obviamente tem como foco a vida de Brown, desde os primórdios, seu primeiro contato com a música, o encontro com os irmãos Abbott, a formação do Pantera, desde a sua fase glam, a chegada de Phil Anselmo e o tornado que a banda foi se tornando à partir de "Cowboys From Hell". Dali até o lançamento de "Reiventing the Steel", Rex aborda toda a acensão que uma das maiores bandas do planeta teve, mas como a relação pessoal foi se deteriorando levando tudo à uma ruína. 

Há pontos abordados por Brown ali que poderá causar certo incômodos à fãs desavisados ou mais fanáticos pelos irmãos, pois ao se referir aos mesmos, Rex não os poupa de críticas bastante ácidas, não usa palavras polidas ao tratar os dois, principalmente ao baterista Vinnie Paul, este ainda vivo ao lançamento do livro, que disse o seguinte sobre a peça: "um monte de mitologia, cara, não sabemos de onde ele tirou todas aquelas coisas." Paul acabou falecendo em 2018, onde Rex mostrou respeito ao ex-parceiro, reconhecendo como o grande baterista que era e até então parecia ter amansado suas mágoas antigas. 

Mesmo que o livro possa pesar a mão nessas questões, não deixa de ser um bom exemplar da história de uma das maiores bandas de Metal que já existiram até hoje, que conta com relatos além de Brown, da namorada de Darrel, Rita Haney, da irmã do baixista, Cheryl Ponder, do ex-vocalista do Pantera, Terry Glaze, além de produtores e empresários da banda. 

É uma boa passagem pela história do Pantera, talvez um pouco tendenciosa e sem necessidade de certas coisas, mas ao mesmo tempo, algo bem ao nível da banda que sempre foi sincera no que fazia e nunca aveludou tudo que tinha em volta de si. Vale a pena a conferida!

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Compartilhe:

Comente: