Judas Priest no Rock in Rio II

Relacionado com: Judas Priest

Judas Priest

Artigo

Artigo

Por: Fábio Arthur

Colaborador Especialista

23/01/2021



Essa foi, creio eu, a grande surpresa do festival número dois do Rock in Rio, apesar de termos o Sepultura engajando seu novo patamar sonoro e o Megadeth entoando um dos seus melhores trabalhos, aqui foi o Priest que manteve a chama Metal acesa. A banda vinha da turnê de Painkiller e trazia um som pesado e bem forte como nunca havia feito anteriormente.

No festival, algumas coisas bem chatas ocorreram, tais como na noite do Metal, quando colocaram o Guns n Roses para fechar. Apesar de trazer público ativo, a banda não tem nada a ver com o estilo citado e ficou ditando regras para os grupos anteriores; caso da penúltima banda o Judas Priest.

Um dos desafetos foi que o Judas não poderia usar a estrutura toda de palco, outro, foi o set de luzes e em terceiro, a Harley em que Halford começa o show, essa última descumprida pela trupe do Judas, e com razão.

Sem contar que não há comparações, o Judas se mostrou na época na faixa dos 40 anos de idade e deu um concerto maravilhoso, cheio de gás e que colocou o Guns lá para baixo, a não ser pelos fãs fanáticos do grupo e modistas de época.

O Judas entrou no palco de couro e já de cara enviaram Hell Bent for Leather, com um vocal arrasador de Halford, que berrava durante a canção em performance altamente metálica. Ao final, os gritos foram tão fortes que surpreendeu até os apresentadores da emissora que transmitia aqui no país. E que gritaria sadia, um alcance vocal perfeito e logicamente mostrando que as imposições de Axl não eram nada e eles eram os donos da noite.

A banda tocou de forma ácida e distribuindo metal até o osso. Dá-lhe momentos sensacionais, como a própria Painkiller, Grinder, Living After Midnight, All Guns Blazing, Beyond the Realms of Death, Metal Gods, Elétric Eye, entre outras. 

A banda sofreu com calor carioca, mas não arrego na dosagem voraz de seu propósito. Fato - isso conversei com várias pessoas já -, que, quando acabou o Judas, foram embora, pois não tinham mais razão para continuar ali após o furacão britânico.

Não pude ir nesse Rock in Rio, pois quando consegui liberação para a data já haviam se esgotado os ingressos. Eu havia pedido para um amigo do Rio para comprar para mim e ele não conseguiu nem para ele, a não ser os fakes de cambistas. Enfim, vi pela tv e hoje tenho o bootleg em DVD, que até mesmo sempre assisto, pois, diferentemente do YouTube, ele está com um tratamento melhor e com menu e etc, coisa de profissional, parecendo um oficial de verdade.

Judas no Rock in Rio foi uma surpresa enorme e grata. Fonte de inspiração e mostrou uma fase que, após ela, Halford deixaria a banda.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.


1 comentário:

user

rogeriocdantas 27/04/2022

27/04/2022

Camarada. Vi esse show lá na frente. Era adolescente, estava formando meu gosto musical. Fui pra ver o Guns, eles tocavam em 2 dias. Escolhi esse pelo resto do line up, muito bom. Gosto do Guns, acho o Apettite o melhor disco de hard rock que já ouvi, mas... A abertura do Priest, a entrada de Hells Bent for Leather me arrepia até hj. O som da Aceleração da Harley, a entrada dele no palco, a voz limpida, alta, no auge, as guitarras coordenadas, o baixo e a bateria perfeitos. O show que me arrastou de corpo e alma para o heavy metal. Muuuuuto bom. Os shows do sepultura e do megadeth já tinham me cativado, mas eles destruiram!!! Já procurei mil vezes na Internet. A globo não disponibiliza na qualidade que sabemos que está, com as gravações originais e mesmo com a má qualidade do YouTube, assisto de vez em quando. Me arrepia sempre. Se vc pusesse pra vender sua gravação, faturaria um dindin legal. Em qualidade de DVD... Seria seu primeiro cliente. Rs.

Faça login para comentar



Sobre Fábio Arthur

Nível: Colaborador Especialista

Membro desde: 04/02/2018

"Obtive meu primeiro contato com o Rock, com o grupo KISS no final de 1983, após essa fase, comecei a me interessar por outros grupos, como Iron Maiden, do qual ganhei meu primeiro vinil o "Killers" e enfim, adquiri o gosto por outras bandas, como Pink Floyd, John Coltrane, AC/DC entre outras."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaLegião Urbana - Que País É Este 1978/1987 (1987)

    05/07/2020

  • Image

    ResenhaRed Hot Chili Peppers - Mother's Milk (1989)

    10/10/2020

  • Image

    ResenhaRoberto Carlos - Roberto Carlos (Versão Brasil) (1973)

    14/06/2021

  • Image

    ResenhaKreator - Enemy Of God (2004)

    07/06/2020

  • Image

    ResenhaQueen - Innuendo (1991)

    03/12/2019

  • Image

    ResenhaSantana - Santana (1969)

    03/09/2020

  • Image

    ResenhaMercyful Fate - Into The Unknown (1996)

    11/11/2020

  • Image

    ResenhaMiles Davis - Big Fun (1974)

    22/07/2020

  • Image

    ResenhaThe Rolling Stones - Dirty Work (1986)

    31/10/2018

  • Image

    ResenhaBlackfoot - Siogo (1983)

    21/07/2021

Visitar a página completa de Fábio Arthur



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.