Para os que respiram música assim como nós


Artigo

O Iron Maiden entre 84 e 85

Acessos: 470


Por: Fábio Arthur

14/11/2018

O Iron Maiden se tornou um gigante em meados dos anos oitenta, o grupo seguiu um caminho certeiro com apoio da gravadora EMI e do fiel escudeiro, Rod Smallwood. Dentro de um sucesso bem relevante, a banda trouxe no fim do ano de 83, grandes conquistas, entre elas, um disco de muito alcance: "Piece of Mind", shows ao redor do mundo e assim seu nome estava no mainstream. As canções da banda eram como um todo de bom gosto, muito bem definidas e/ou elaboradas. Permanentemente eles estavam no ciclo de shows e discos e assim sucessivamente, mas, em 84, o Iron Maiden traria consigo uma das maiores tours de expressão mundialmente reconhecida, juntamente com um disco de ponta, o maravilhoso "Powerslave". As canções pesadas da banda, aliadas para com as melodias e talentosos compositores, geraram faixas acima de tudo que eles haviam feito anos antes. 

Com os projetos de uma extensa agenda de concertos e de um vídeo ao vivo, eles rumaram para todos os lados e chegaram mesmo pela Cortina de Ferro, que naquele momento, ainda era vigente. Fizeram um bate e volta nos EUA sem cessar, viajaram de trem, vans e ônibus durante horas. Com dois vídeos na MTV - "Aces High" e "2 Minutes to Midnight", foram eles em frente. 

Com temas calcados no Egito - desde arte de capa  - chegando nas composições com ar de mesmo padrão, chegaram agradando tudo e todos.

Nesse momento, Bruce estava em sua melhor fase vocal, se valendo de um timbre maravilhoso, muito mais seguro do que outrora. Seus drives culminavam com as melodias e assim as vocalizações do disco ficaram perfeitas, dando tom imponente nas faixas concebidas. 

Steve Harris conseguiu manter sua capacidade elevada e trouxe enormes composições e de alta qualidade, vide "Rime of the Ancient Mariner", em seus treze minutos. No mais, a banda mantinha tudo de forma muito coesa. Nicko, o baterista que havia estreado um ano antes, estava mais apto que nunca e a dupla de guitarristas Murray/Smith mostravam alto padrão, justificando a fama de uma das maiores do mundo. 

O Maiden, depois de muito correr, veio ao Brasil pela primeira vez no Rock In Rio de 85, trazendo fãs de todos os lados para assistir os mesmos, inclusive do Chile, Argentina e assim adiante. Agora, eles eram o senhores do momento.

As vendagens altas e muita precisão empresarial, trouxe de forma incisiva uma nova perspectiva para banda e que fez muita diferença no mercado musical. 

O Iron Maiden dessa fase foi realmente uma banda de um estilo diferenciado e agradou todos em cheio. Mesmo os jornalistas compreendiam o grupo de forma sincera.

Vale ressaltar que o Maiden dos anos oitenta continuou firme com sua jornada, mas aqui o momento foi glorioso. A chamada de World Slavery Tour 84-85 trouxe o disco ao vivo duplo intitulado de "Live After Death". Enfim, um momento excelente e que a banda faria a maior tour de sua carreira, em mais de 1 ano seguido de concertos, chegando em alguns casos a seis shows por semana. 

Por assim dizer, o Maiden comandou os anos oitenta como um exemplo em ser seguido, influenciando muitos grupos.

Up The Irons!

As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor


Compartilhar

Comentar via Facebook

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.
Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito e aberto para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.