Para os que respiram música assim como nós


Artigo

A história da música que nossos ancestrais não contavam: Os Capítulos Negros na história do Metal - Parte II

Acessos: 141


Autor: Daniel alves Ribeiro

24/08/2020

Bård G. Eithun é um músico norueguês, conhecido pelo pseudônimo de Bård Faust ou apenas Faust. Foi baterista do Emperor, mais uma banda de Black Metal, coincidência não ? Lançando aoa bandas os álbuns As the Shadows Rise e In the Nightside Eclipse. Ele também escreveu letras para outras bandas, incluíndo o Zyklon. 
Em 21 de Agosto de 1992, Faust foi condenado por assassinar com 32 facadas (fato esse que não é comprovado até hoje) um homossexual após este supostamente assedia-lo em Lillehammer, Noruega. 

O assassinato ocorreu próximo ao parque onde posteriormente foi usado na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno de 1994. Faust foi sentenciado a 14 anos de prisão, mas foi libertado em 2003 depois de cumprir nove anos e quatro meses de pena. 

A mídia que automaticamente ligou o crime ao Black Metal, mais precisamente as ideologias satanismo e fascismo seguidas pelo grupo. E também por rumores de Faust ser um suposto membro do "Inner Circle", uma organização anti-cristã composta de várias pessoas associadas com o movimento black metal, cujos objetivos principais eram erradicar o cristianismo da Noruega, Faust refutou a ligação, dizendo onde nunca seguiu nenhuma das ideologias. 

Jørn Tunsberg do Hades Almighty e Kjetil Manheim do Mayhem declaram onde o amigo agiu exclusivamente em auto defesa já que supostamente o rapaz assassinado teria feito ameaças ao músico. 

Pós ser libertado, Faust retornou a carreira de músico, tocando bateria nas bandas Scum, Aborym e Blood Tsunami e escrevendo letras para o Zyklon. Por fim fato é na minha opinião é que a ótima qualidade de vida nos países escandinavos parece inspirar esses caras a fazer "M*****".

Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor


Compartilhe:

Comente: