Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

...

Os 25 anos de Nightingale

Artigo
Relacionado com: Nightingale
Data: 2019-06-03 21:40:42
Por: Vitor Sobreira

Acessos: 54

Compartilhar:

Facebook Twitter

Dan Swanö é um músico e produtor sueco que por meio de sua criatividade – aparentemente sem limites -, sempre se manteve envolvido em diversos projetos solos, bandas, participações especiais e ainda atuando em estúdios, seja na produção, mixagem, gravação ou masterização. Não é difícil dizer que o cara é uma das mentes mais produtivas da Música Pesada nas últimas duas décadas e meia.

A lista é bastante extensa, mas aqui, ater-me-ei especificamente a um desses seus trabalhos, o Nightingale. Fundado em 1994, para suprir a necessidade de trabalhar sozinho em algo, inicialmente uma veia Gothic pulsava salientemente em meio aos elementos Progressivos. De um modo geral, as composições da banda sempre apresentam a preocupação de seu criador em não soar como uma mera cópia de alguma outra banda. O resultado disso, são composições trabalhadas, com atenção redobrada em alguns detalhes, climas viajantes e sombrios – seja em qual álbum for.

O debut ‘The Breathing Shadow’ saiu em 1995 pela Black Mark Productions (famosa pelos “misteriosos” lançamentos do Bathory), com nove composições e um jovem e solitário Dan cuidado de todos os instrumentos e de parte da produção. No mesmo ano, também seria lançado o segundo disco do Unicorn, ‘Emotional Wasteland’, já mais voltado ao Rock Progressivo e onde nosso amigo sueco tocava bateria e cantava. No ano seguinte, foi a vez de ‘The Closing Chronicles’, que deu uma enxugada no Gothic e começou a trabalhar ainda mais o Prog Metal. Em paralelo, no mesmo período saiu o quinto álbum do Edge of Sanity, ‘Crimson’ – com uma única música de 40 minutos (!!) -, buscando (quase que pioneiramente) promover a combinação de Death Metal com o bendito Prog!

O terceiro full do Nightingale demoraria um pouco mais para sair, já em 2000 e intitulado como ‘I’. Ah, não podemos nos esquecer que a partir do segundo trabalho, a presença de Dag Swanö (irmão de Dan, comumente creditado como “Tom Nouga”) se tornou constante, dando apoio nas guitarras, baixo, violão, teclados e mais tarde até nas composições. ‘Alive Again: The Breathing Shadow Part IV’ saiu em 2003, ainda sob a mesma gravadora e tendo como um dos destaques a faixa “Shadowland Serenade” – que indiscutivelmente tem um dos melhores refrões que já ouvi.

O tempo as vezes é cruel em sua passagem, e logo em 2004 trouxe mais um disco, ‘Invisible’, reafirmando a chegada dos reforços Erik Oskarsson (baixo e backing vocal) e Tom Björn (bateria), presentes desde o disco anterior e que por sua vez, também possibilitariam a realização de shows. A capa foi assinada pelo húngaro Gyula Havancsák (Annihilator, Destruction, Grave Digger e outras).

Segundo registros, 2005 pode até ter sido um ano mais “fraco” na agenda de Swanö, mas não passou em branco – de maneira relevante – com a mixagem do excelente ‘The Pale Haunt Departure’, do Novembers Doom (onde também executou o solo de guitarra na faixa “Dark World Burden”) e com o lançamento especial de ‘Nightfall Overture’, composto em sua maioria por músicas regravadas dos quatro primeiros álbuns do Nightingale, além de um cover do Edge of Sanity e da faixa inédita “Better Safe Than Sorry”. A capa novamente foi feita por Gyula.

Mantendo tudo nos conformes, ‘White Darkness’ saiu em 2007, e depois disso, apenas em 2014 o Nightingale ressurgiria das cinzas (mais uma vez) e lançaria o seu oitavo álbum de estúdio ‘Retribution’, com a sonoridade intacta, mas em parceria com a gravadora alemã InsideOut Music e com trabalho gráfico providenciado pelo igualmente brilhante Travis Smith (Anathema, Control Denied, Opeth, entre inúmeras outras). Também foram liberados o boxed set ‘Box of Rock’ (2009) – com demos e uma apresentação de 2006 em Moscou/Rússia – e o ao vivo ’Rock Hard Live’ (2017), gravado na edição de 2016 do festival alemão Rock Hard Festival. Nada mal, hein?!

Pois é meus amigos, entre idas e vindas, lá se vão 25 anos de história de uma banda (ou projeto, como preferir) que vale a pena ser conferida, caso você queira inalar um pouco da viagem proporcionada pela musicalidade Progressiva de um trabalhado Rock/Metal, elaborado quase que alquimicamente por uma mente incansável. Mais um típico caso de um nome que merecia ter conseguido mais atenção…



Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor

Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Press Release

Melyra lança clipe para a faixa "My Delirium"

Por: Julia Ourique
16/11/2018
Relacionado com: Melyra
Evento

Formada por filhos de famosos, Fuze se apresenta com banda Venuz, no Jazz In’

Por: Julia Ourique
02/05/2019
Press Release

Liberdade é tema de novo lyric video da Hamen

Por: Julia Ourique
19/02/2019
Artigo

O Homem da Vida de George Michael Foi Um Brasileiro

Por: Roberto Rillo Bíscaro
12/05/2018
Relacionado com: George Michael
Artigo

Steve Howe e Mark Knopfler: O bem-sucedido encontro do rock com a country music!

Por: Márcio Chagas
03/01/2019
Relacionado com: Mark Knopfler, Steve Howe
Press Release

Bruxaria e sororidade em clipe da banda carioca Venuz

Por: Julia Ourique
11/06/2019