Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

...

Os Beatles do Pop Eletrônico

Relacionado com: Kraftwerk
Data: 18/01/2019
Por: Roberto Rillo Bíscaro

Acessos: 130

Compartilhar:

Facebook Twitter Google +

Se fizerem um genoma da música popular contemporânea, acharão o cromossomo K, do Kraftwerk. O grupo alemão influenciou até a guitarra roqueira de Neil Young, em seu álbum de 1982. Aprende-se isso no documentário Kraftwerk and the Electronic Revolution (2008). Se as quase 3 horas de programa tivessem sido produzidas posteriormente, possivelmente teria se referido ao Coldplay usar o riff de Computer Love para construir Talk.

Quase uma hora transcorre até chegar ao Kraft. Os documentaristas fornecem vasto background histórico e estético da Alemanha do pós-guerra até os 70’s, da música eletrônica, concreta e pop, incluindo alguns aspectos de um tipo de música popular germânica chamada schlager, esvaziada de sua artificialidade de sacarina pela secura e planura estudadas dos vocais da banda. A terraplanagem do terreno é tão minuciosa que até a influência das trilhas sonoras de filmes de ficção dos anos 50 e 60 é mencionada.

Quando falando sobre o grupo, o programa revela as conexões e contradições planejadas entre o visual retrô - remetente a um passado que a Alemanha queria esquecer - e o conteúdo revolucionariamente moderno/futurista da sonoridade. Focando a década de 70/começo dos 1980’s, Kraftwerk and the Electronic Revolution cartografa a mudança de visual dos próprios integrantes, de pseudocientistas, passando por sarcásticos almofadinhas do período social democrata à desumanização robótico-computacional oitentista, que resulta praticamente no desaparecimento dos membros do Kraft, especialmente quando já não mais dão conta de serem vanguarda.

Em termos musicais, o filme alinhava os conceitos e resultados obtidos desde o experimentalismo dos primeiros álbuns, até o oitentista Computer World. Quem imaginaria que o conceito de Autobhan (1974) tem a ver com os Beach Boys?

Os ultrafechados Florian e Ralf não participaram do documentário não autorizado. Karl Bartos – participante de todos os álbuns fundamentais – conta sobre influências, alguns processos de composição e sua consciência do impacto do Kraftwerk na cultura musical contemporânea. Elogios à garotada inglesa que utilizou as deixas para criar algo – como o Human League – e discreto dardo envenenado no pobre Gary Numan.

Para não iniciados, Kraftwerk and the Electronic Revolution pode ser longo demais, mas há que se ter em mente a importância desses alemães pertencentes à rarefeita casta de artistas capazes de definir a sonoridade de uma época.


© obvious: http://obviousmag.org/blog_do_albino_incoerente/2017/os-beatles-do-pop-eletronico.html#ixzz5cxLt4cOL 
Follow us: @obvious on Twitter | obviousmagazine on Facebook



Os textos publicados na página do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do autor

Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

Jeff Beck: 74 anos de um guitarrista inigualável

Por: Márcio Chagas
25/06/2018
Relacionado com: Jeff Beck

Bill Bruford e Neil Peart: Quando chega a hora de parar!

Por: Márcio Chagas
28/12/2018

Garage Vive IV. O underground resiste!!

Por: Regina gomes Borges
09/02/2019

Os melhores e mais criativos baixistas do mundo

Por: Marcel Z. Dio
16/08/2018

Jazz + rock: o nascimento do estilo chamado de Fusion.

Por: Márcio Chagas
31/05/2018

Um ano sem Chester Bennington

Por: Marcio Machado
20/07/2018
Relacionado com: Linkin Park