Bem-vindo ao 80 Minutos

Nós amamos música e adoramos compartilhar nossas avaliações sobre os álbuns de nossas bandas favoritas.

Documentário idealiza o cantor britânico

Relacionado com: Joe Cocker
Data: 18/07/2018
Por: Roberto Rillo Bíscaro

Acessos: 116

Compartilhar:

Facebook Twitter Google +

Mad Dog With Soul, documentário deste ano, da Netflix, traça perfil bem chapa-branca do fã de Ray Charles e Aretha Franklin, nascido na industrial Sheffield. Os 90 minutos de depoimentos e imagens de arquivo funcionam mais como tributo (merecido) e cronologia para quem deseja conhecer medianamente sua carreira.

Catapultado ao semi-endeusamento pela seminal performance em Woodstock, Cocker começou megaturnê pelos EUA, onde não ganhou dinheiro, mas era tanta doideira que afetaria sua vida pessoal por décadas, porque foi nela que o cantor se viciou em tudo quanto lhe davam. A partir daí, amigos, parentes e colaboradores pintam boa imagem, além de construírem Joe como alma extremamente gentil, incapaz de dizer não ao que lhe empurravam goela ou nariz abaixo; incapaz de lidar sobriamente com as pressões do estrelato e do show bizz. Enfim, é a visão goethiana do artista genial consumido pela arte. Nem o feroz mercado fonográfico parece ter culpa alguma: como Cocker era sensível e afável demais, era antena pronta para captar quaisquer vibrações negativas.

Psicologicamente é retrato por demais raso e o coloca mais como receptor do que como agente. Rita Coolidge afirma que na primeira turnê Cocker chegou a ser ameaçado fisicamente pelos organizadores, quando tentou desistir. Quando é preciso dizer que despediu seu empresário de anos por carta e nunca mais falou com ele novamente, a coisa fica só nisso. Joe era impulsivo, decidia algo e pronto, não há análise. Até parar de beber foi assim; bateu um clique depois de velho e parou facilmente. Fodástico, heim?! Joe Cocker: Mad Dog With a Soul não vira tabloide, porque evita mergulhar no lado sombrio; mostra apenas a superfície.

O documentário jamais entrará para listas de mais influentes sobre roqueiros, mas se você só quer um panorama da carreira, até que serve.


Quer Mais?

Veja as nossas recomendações:

O Homem da Vida de George Michael Foi Um Brasileiro

Por: Roberto Rillo Bíscaro
12/05/2018
Relacionado com: George Michael

Rápido, rápido, rapidinho...Os guitarristas mais velozes do planeta.

Por: marcio chagas
14/07/2018

Um ano sem Chester Bennington

Por: Marcio Machado
20/07/2018
Relacionado com: Linkin Park

O Legado de Prince

Por: Roberto Rillo Bíscaro
21/04/2018
Relacionado com: Prince