Resenha

Caress Of Steel

Álbum de Rush

1975

CD/LP

Por: Fábio Arthur

Colaborador Especialista

18/03/2019



A arte

Rush é uma banda de alto nível. No entanto, quando eles começaram a aparecer, outras inúmeras bandas dominavam o mainstream. Mais precisamente, quando eles vieram a obter uma personalidade mais incisiva e marcante – isso no ano de 75, essas mesmas bandas que estavam no auge encobriam de certa forma não somente o Rush, mas tantas outras que estavam alavancando o caminho do sucesso. 

É muito importante ressaltar que, em 1975, ano de lançamento de "Caress of Steel", o Rush trouxe uma inovação importantíssima ao seu som. Eles agregaram pela primeira vez, o elemento progressivo e nuances rítmicas que seriam sua marca registrada pouco tempo depois. Enfim, a banda canadense saía com mais elementos do que o rock ou hard praticado tempos antes. Esta fase nos traz um Rush já em seu terceiro disco, mas não sendo aclamado pela critica ou fãs, apenas um divisor de águas de nível superior para a banda e nem tanto assim para os ouvintes. Hoje esse disco fica entre os melhores já lançados por eles. Nesse momento, sua carreira ainda permeava a dificuldade e expunha ao mesmo tempo uma banda madura e objetiva em seus propósitos. Desde o primeiro disco - que foi auto financiado -  eles estavam à procura de um apoio, já que o selo de porte pequeno não resultava em uma distribuição suficiente e nem mesmo em divulgações. Com a entrada de Neil Peart na bateria, seguiram com o segundo disco, mas o diferencial vinha de qualidade musical do mesmo e também de sua habilidade em compôr. Foi então que, em 1975, com "Caress of Steel", que o grupo mudou tudo em sua forma de criar e tocar, vindo a ser mais imponente como banda e se valendo de suas habilidades como músicos virtuosos. O primeiro passo dessa empreitada seria a faixa que remete em uma suíte de mais de 19 minutos intitulada "Fountain of Lamneth", que seria a primeira incursão do grupo em uma veia mais progressiva. Assim, eles seguiriam com essa vertente nos demais trabalhos, chegando a beirar à perfeição. Um fator curioso desse disco, é que a faixa citada anteriormente, vinha no segundo lado do LP e o tomava por inteiro, trazendo assim o Rush para o time de bandas em que esse tipo de colocação era habitual, caso de grupos como Pink Floyd e Genesis. Esse álbum acabou sendo subestimado, mesmo com toda produção evolutiva da banda, ainda assim algumas cabeças não compreendiam o alto patamar das inovações.
  
Na questão musical, o Rush sempre foi muito à frente. A banda composta como Power Trio, desenvolta e muito impactante, sempre remeteu toda essa habilidade em suas canções. Se tratando de "Caress of Steel", os três músicos, mais o produtor Terry Brown, agregaram de forma brilhante e evolutiva toda essa complexidade exuberante dos músicos. Na composição do álbum temos Geddy Lee tomando conta dos violões de nylon, dos vocais e obviamente do baixo. Aliás, em se tratando de voz, Lee aqui transita de forma eficaz com muito drive, mas também com melodias intercaladas e bem encaixadas, prova disso é a faixa "Bastille Day", que abre o disco. Seu potencial de voz perdurou assim por anos a fio, até meados de 80, em que as tonalidades altas denotavam uma fúria estampada e muito reluzente. Neil Peart, o último músico a entrar na banda, remete a um êxtase em termos de letras musicais, além de trazer bateria e percussão. Alex Lifeson cuidou dos violões de aço de 12 cordas e de 6, e também logicamente das guitarras. 

Em pouco mais de 40 minutos, o Rush desfila uma obra intacta e perfeita, em que o ouvinte se torna cúmplice da banda, o que de fato nos faz questionar o motivo deste disco ter sido ignorado no passado. Talvez o maior problema fosse que essa obra estivesse entre dois discos muito poderosos do grupo, e/ou uma falta de um som mais direto tivesse tirado a perspectiva de mídia e fãs. No entanto, o Rush sobreviveu e muito além de tudo. 
Olhando para o disco como um todo, ele realmente demonstra toda uma reformulação do grupo, inclusive na arte de capa, que também acabou por ser criticada, mas enfim, a banda se sobressai de forma digna e agradável aos ouvidos. Escute atenciosamente a canção "The Necromancer", com suas subdivisões, ou seja, seus temas póstumos e repare na brilhante sacada do grupo, não somente em relação de composição por inteira, mas sim na mega estrutura criada pela banda e com perfeição, puxando o som de forma bem distinta em um ato permeado por firulas, riffs e melodias totalmente envolventes. 
O Rush determinou o sentido de sua postura musical durante a década de 70 e foi modulando os anos 80, mas, se compararmos os primeiros discos com esse petardo, não estamos sendo honestos, pois aqui, para quem gosta realmente de obras musicais com conteúdo, tem que trazer para si de cabeça aberta e com muita percepção esse clássico. 

O Led Zeppelin seria a inicial influência para o Rush, o Black Sabbath por sua vez também, não tão transparente, mas com aquele segmento de mesmo sentido. Onde tudo começava a ficar começava a ficar inundado de vertentes e ótimas bandas, logo após esse disco o Rush entraria no mesmo nível. 
Um ponto da criação de "Caress of Steel" é que o mesmo nasceu na estrada durante as pequenas turnês, quando a banda tentava mesmo em sua pátria ser reconhecida e chegar em algum lugar, fato esse que mostra o quanto a banda lutou para chegar ao nível excelente apresentado nesse long play. E vale ressaltar que fizeram acontecer no disco da forma como queriam, tudo como sonharam, compuseram e almejaram, que foi idêntico desde os primeiros acordes e/ou letras das criações para o mesmo. 

"Caress of Steel" acaba sendo um item de valor nitidamente importante e que sobreviveu por sua construção sobre elementos em bases fortes e ideais evolutivas.  


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Fábio Arthur

Nível: Colaborador Especialista

Membro desde: 04/02/2018

"Obtive meu primeiro contato com o Rock, com o grupo KISS no final de 1983, após essa fase, comecei a me interessar por outros grupos, como Iron Maiden, do qual ganhei meu primeiro vinil o "Killers" e enfim, adquiri o gosto por outras bandas, como Pink Floyd, John Coltrane, AC/DC entre outras."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaFleetwood Mac - Fleetwood Mac (1975)

    16/02/2021

  • Image

    ResenhaCeltic Frost - Morbid Tales (1984)

    23/10/2020

  • Image

    ResenhaMorbid Angel - Altars Of Madness (1989)

    27/03/2020

  • Image

    ResenhaHelloween - Better Than Raw (1997)

    30/06/2021

  • Image

    ResenhaD.R.I. - Crossover (1987)

    13/02/2021

  • Image

    ResenhaThe Doors - The Soft Parade (1969)

    23/01/2019

  • Image

    ResenhaCream - Fresh Cream (1966)

    15/11/2020

  • Image

    ResenhaNeil Young - Homegrown (2020)

    11/01/2021

  • Image

    ResenhaSepultura - Beneath The Remains (1989)

    10/11/2018

  • Image

    ArtigoO Metallica na era de ouro

    23/01/2021

Visitar a página completa de Fábio Arthur



Sobre o álbum

Caress Of Steel

Álbum disponível na discografia de: Rush

Ano: 1975

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 4,09 - 16 votos

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Veja mais opiniões sobre Caress Of Steel:

  • 29
    mai, 2021

    O Trio apresenta seu progressivo melódico e complexo!

    User Photo Márcio Chagas

Visitar a página completa de Caress Of Steel



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.