Resenha

The 2nd Law

Álbum de Muse

2012

CD/LP

Por: Roberto Rillo Bíscaro

Colaborador Top Notch

15/12/2018



A lei do exagero

O Muse sempre adotou uma estética maximalista: vai de quase hardcore a rock progressivo em menos de 30 segundos; aspira a fazer música “clássica” ao mesmo tempo que pop. Dramático a partir do próprio nome, The 2nd Law (2012) não destoou do exagero calculado, mas acrescentou ingredientes anos oitenta à receita.

Queen continuou a referência mais óbvia e o grupo seguiu aproveitando tudo que ouvia para compor seus bombásticos spaghetti álbuns.
    
Supremacy, faixa inicial, começa ameaçadora, com bateria marcial, tom pomposo, ledzepelliniano, afinal, é a abertura de mais um excesso de Matt Belamy (voz e guitarra), Dominic Howard (bateria) e Chris Wolstenholme (baixo e estreia nos vocais, em duas faixas).

Quando saiu o primeiro single, Madness, diversos fãs não gostaram. Acharam sacrílega essa espécie de mistura de Queen (I Want to Break Free, Under Pressure) com I Want Your Sex, de George Michael. Mas, no contexto de The 2nd Law, ela faz todo sentido.

O fantasma enforcado de Michael Hutchence assombra a abertura de Panic Station, descendente de Suicide Blonde, do INXS. É a mesma guitarra funkeada, que na verdade vem de Prince; afinal, qual branquelo oitentista (Suicide é de 90, whatever) querendo funkear não chupou o baixinho de Mineapolis? Em seguida, um climão disco embala a canção, alternando-se com a batida INXS/Prince.  

Survival, o hino oficial das Olímpiadas londrinas, de 2012, mistura Tchaikovsky, Queen, opereta, vocais oscilando entre barítono e falsete, coral masculino e contracoral feminino e ufanismo de competição. Dá para imaginar Matt Belamy querendo entrar no palco voando, suspenso por alguma engenhoca; totalmente diva! 

Follow Me consegue fundir I Will Survive, de Gloria Gay-nor com messianismo a la Bono! Imagine sisudos roqueiros curtindo ao som de acordes de um hino gay-disco. Só o Muse mesmo...

Save Me é uma das duas canções escritas por Chris Wolstenholme, lidando com seu alcoolismo. Cordas e teclado em forma de ondas e círculos concêntricos, seguidos de grossa malha sonora, que afoga o vocal, não muito depois da letra afirmar que o sujeito está “se afogando em negação”. Intoxicante como álcool.

O disco encerra com duas faixas praticamente sem vocais a não ser gente falando de forma alarmista sobre energia. A banda pilhava o então queridinho modernete Skrillex e seu brostep - espécie de dubstep mais agressivo. Combinado com coro quase eclesiástico, contracantos choramingados de Bellamy, orquestração extravasada e voz de robôs à Kraftwerk, o disco encerra em clima de ficção-científica.

Muse também é rock progressivo no sentido de combinar elementos. Pacmen exacerbados, deglutem glam, prog, electronica, disco, pop, synth e devolvem tudo dramaticamente. Freddie Mercury parece contido se comparado a Bellamy!     

Quem odiava o exagero, continuou detestando; quem amava, seguiu venerando. Muse incorporou elementos para continuar o mesmo jorro de pathos que conhecemos desde o crepúsculo dos anos 90.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Roberto Rillo Bíscaro

Nível: Colaborador Top Notch

Membro desde: 11/09/2017

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaAcantha Lang - Sugar Woman (2021)

    02/09/2021

  • Image

    ResenhaCrystal Castles - Crystal Castles (2008)

    25/07/2021

  • Image

    ResenhaNina Fernandes - Amor é Fuga: Fuja (2022)

    03/04/2022

  • Image

    ResenhaEscort - Escort (2011)

    20/04/2020

  • Image

    ResenhaIngranaggi Della Valle - In Hoc Signo (2013)

    05/11/2020

  • Image

    ResenhaIlya - Doces Náufragos (2018)

    07/07/2020

  • Image

    ResenhaThe Cranberries - In The End (2019)

    02/11/2019

  • Image

    ResenhaC O D A

    21/04/2022

  • Image

    ResenhaUV-TV - Always Something (2021)

    10/01/2022

  • Image

    ResenhaDavid Crosby - For Free (2021)

    27/12/2021

Visitar a página completa de Roberto Rillo Bíscaro



Sobre o álbum

The 2nd Law

Álbum disponível na discografia de: Muse

Ano: 2012

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 4,5 - 2 votos

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de The 2nd Law



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.