Resenha

Recordings

Álbum de Porcupine Tree

2001

Compilação

Por: Márcio Chagas

Colaborador Sênior

12/08/2018



Disco de sobras com cara de clássico!

No ano de 2001, o Porcupine Tree já havia se firmado no mercado como uma das maiores e maisinfluentes bandas de rock progressivo. O grupo havia diminuído sua veia psicodélica presente nos primeiros álbuns e fazia uma mistura homogênea de suas influências ganhando ainda mais seguidores.
Neste ano o grupo coloca no mercado Recordings, na verdade uma coletânea lançada em edição limitada a apenas 20.000 cópias com canções não utilizadas nos seu dois últimos trabalhos, respectivamente “Stupid Dream” e “Lightbulb Sun”. Por ser um disco que reúne sobras de músicas, não há uma linearidade no decorrer do álbum, com faixas variando a predominância entre o progressivo, o psicodélico e até mesmo o soft rock.

Abrindo o CD temos  "Buying New Soul",  faixa eminentemente progressiva, com Teclados minimalistas e um baixo rebuscado dando suporte ao tema até a entrada do violão e a voz aveludada de Wilson. Um tema que segue tranquilo a maior parte do tempo. É uma canção longa,  com 10 minutos. O trabalho de Maitland merece aplausos efusivos., comprovando ser um dos grandes bateristas da nova geração do rock progressivo;
 "Access Denied" é um tema  mais direto, com um pé no pop. Sua bateria começa de maneira  simples para descambar para uma levada jazzística fabulosa na quebra do andamento, acompanhada por pianos improvisados e violão bem timbrado;
A interessante "Cure for Optimism" começa psicodélica e minimalista. Parece que o tema não vai se desenvolver até a entrada do violão e em seguida os vocais depressivos de Wilson. A melodia é calcada no violão e faz um interessante contraponto com o teclado durante toda o tema;
O álbum segue com "Untitled", outro tema arrastado e minimalista, com o baixo dividindo espaço com os teclados e acompanhando a bateria ao fundo. A guitarra com efeitos de Wilson não aparece logo de início, mas se encaixa perfeitamente no tema, e vai tomando conta da música pelo restante do tempo;
Em "Disappear", violão e voz abrem a canção. Teclados, baixo e bateria aparecem paulatinamente após o primeiro minuto do tema.  A guitarra também se faz presente de maneira tímida, mas muito bem encaixada;
Batidas tribais iniciam "Ambulance Chasing", fazendo um contraponto com teclados psicodélicos. Somente apos 2 minutos a canção toma forma, com solos esparsos do sax de Theo Travis, o hammond de Barbieri e uma guitarra bem econômica que só se mostra no belíssimo solo construído por Wilson. Um tema instrumental de construção complexa e por isso mesmo  maravilhoso;
"In Formaldehyde" é um tema mais comum em se tratando do grupo. Uma balada com a voz melancólica de Wilson em evidência e a guitarra com seu solo passional característico da banda;
A seguir temos a suíte do CD. Uma versão aumentada do clássico “Even Less”, uma das faixas mais conhecidas de Stupid Dream. Porém essa versão  possui mais de 14 minutos, ou seja, o dobro do tamanho da original. O tema começa como na versão antiga, uma canção progressiva com influência pop, comandada pela guitarra. Porém,  nesta versão, após o refrão o tema cai no improviso,  trazendo a à tona o lado mais psicodélico do grupo. A base  feita por Edwin e Maitland é fantástica e dá segurança para WIlson e Barbieri duelarem em seus instrumentos em um clima de jam session. É uma versão mais progressiva e bastante superior a contida no citado álbum;
Encerrando o trabalho temos "Oceans Have no Memory", um tema bucólico, com guitarra minimalista  e  baixo fretless. Um tema instrumental curto, como se o grupo tivesse gravado de lmproviso no estúdio;

De saldo final temos em Recordings, um álbum de sobras melhor que muito lançamento de catálogo de outras bandas. Em minha opinião foi também o trabalho derradeiro do grupo no que tange ao estilo progressivo, pois coincidência ou não, após o lançamento deste CD, o baterista Chris Maitland deixa a banda, que passa a enveredar por caminhos mais pesados.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Márcio Chagas

Nível: Colaborador Sênior

Membro desde: 14/04/2018

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaJohn Pizzarelli - Meets The Beatles (1998)

    03/05/2020

  • Image

    ResenhaMcCoy Tyner - Guitars (2008)

    08/09/2021

  • Image

    ResenhaKansas - Masque (1975)

    14/09/2019

  • Image

    ResenhaFrank Zappa - You Can't Do That On Stage Anymore, Vol. 2 (1988)

    10/11/2018

  • Image

    ResenhaFrank Zappa - Zoot Allures (1976)

    10/11/2018

  • Image

    ResenhaSting - The Dream Of The Blue Turtles (1985)

    04/03/2018

  • Image

    ArtigoBill Bruford e Neil Peart: Quando chega a hora de parar!

    28/12/2018

  • Image

    ResenhaBlack Sabbath - Born Again (1983)

    04/06/2021

  • Image

    ResenhaThe Dead Daisies - Holy Ground (2021)

    31/01/2021

  • Image

    ResenhaTempest - Tempest (1973)

    01/10/2020

Visitar a página completa de Márcio Chagas



Sobre o álbum

Recordings

Álbum disponível na discografia de: Porcupine Tree

Ano: 2001

Tipo: Compilação

Avaliação geral: 4,5 - 1 voto

Avalie

você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Recordings



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.