Resenha

Silent Nights

Álbum de Rick Wakeman

1985

CD/LP

Por: Tiago Meneses

Colaborador Top Notch

18/06/2022



Um Rick Wakeman mais comercial, mas que mesmo assim, consegue fazer algumas músicas cativantes, assim como ter um bom desempenho nos teclados

O que me fez gostar de um número maior de discos do Rick Wakeman com o passar dos anos, foi deixar para trás a minha insistência em querer comparar tudo que ele fazia, com a sua herança gloriosa de incríveis discos gravados nos anos 70. Ainda hoje eu vejo essa resistência em muitas pessoas que chegam até mesmo a duvidar se realmente é Rick que está tocando em vários álbuns do mago. Bom, não tem como negar que a música é muito menos complexa e bem mais acessível, afinal, tudo é construído dentro de uma estrutura musical mais simples. Mesmo assim, é impossível negar, por exemplo, que Wakeman entrega alguns solos muito bons.  

“Tell ‘Em All You Know” é a faixa de abertura, uma peça enérgica e com uma estrutura baseada em teclado simples e muito boa. No geral é uma música agradável e de fluxo suave, bom vocal e um solo de guitarra surpreendente, além, claro, de ótima inserção de teclado. “The Opening Line” é mais uma música de ar otimista, estrutura simples e humor edificante. Possui passagens tranquilas de transição, seguidas por solos de guitarra. Os solos de teclado – inclusive durante os vocais - também são muito bons, destacando-se o na parte final da peça. “The Opera” começa por meio de uma linha vocal suave e melódica acompanhada de teclado. Então que a música passa a se mover de uma maneira mais rápida e com batidas dinâmicas. Há uma pausa instrumental com a inclusão de metais que a deixa mais rica.  

“Man’s Best Friend” é uma faixa instrumental cheia de suavidade e que explora de forma agradável os teclados de Wakeman. Possui uma bonita melodia e serve muito bem como uma espécie de pausa musical depois de três peças mais animadas. “Glory Boys” recoloca o disco dentro de uma atmosfera mais otimista por meio de uma boa combinação de teclados e guitarra rítmica, além de linhas vocais interessantes. “Silent Nights” começa com algumas excelentes linhas de baixo combinadas com teclado em um andamento lento. É a peça do disco em que Wakeman flerta com o space rock.  

“Ghost Of A Rock’n'roll Star” é mais uma boa composição, de linha bem rock and roll, trazendo até mesmo alguns vocais “engraçados”. Uma faixa muito divertida principalmente pela sua letra que narra a história de um astro do rock'n'roll envelhecido, e que ainda está sonhando com seu passado, enquanto resmunga que já foi tão grande quanto Jimi Hendrix. “The Dancer” mantem o disco na mesma vibe da faixa anterior, mas possui uma cadencia mais lenta. O acréscimo de saxofone faz toda a diferença para a criação de um clima dramático na peça. “Elgin Mansions” é outra peça instrumental, onde caso você conheça o disco 1984 (lançado em 1981), provavelmente vai sentir uma certa familiaridade em relação a execução do piano como melodia principal aumentada com trabalho de violão. “That’s Who I Am” encerra o disco, começando por meio de suaves vocais, baixo e teclados, mas mais à frente a peça se transforma quando todos os instrumentos tocam juntos, essa parte possui um ótimo solo de teclado, então tudo silencia de novo e assim permanece até chegar ao fim com a mesma suavidade que começou. 

É um disco de rock progressivo? Sim, mas um progressivo muito mais fácil de ouvir, o que pode ser uma faca de dois gumes, pois ao mesmo tempo em que estreita a relação com ouvintes menos doutrinados, também pode afastar os mais puristas e radicais. Particularmente, ouvir esse disco de maneira despretensiosa é o melhor que você pode fazer, apenas se entregue e aceite um Rick Wakeman mais comercial, mas que mesmo assim, consegue fazer algumas músicas cativantes, assim como ter um bom desempenho nos teclados.  


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Tiago Meneses

Nível: Colaborador Top Notch

Membro desde: 28/09/2017

"Sou poeta, contista e apaixonado por música desde os primórdios da minha vida, onde o rock progressivo sempre teve uma cadeira especial."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaAgalloch - Pale Folklore (1999)

    08/01/2021

  • Image

    ResenhaJordan Rudess - The Unforgotten Path (2015)

    16/01/2018

  • Image

    ResenhaAfter Crying - Overground Music (1990)

    12/11/2020

  • Image

    ResenhaUriah Heep - Demons and Wizards (1972)

    16/03/2019

  • Image

    ResenhaBetween The Buried And Me - Colors (2007)

    17/05/2022

  • Image

    ResenhaQueen - Queen II (1974)

    17/05/2018

  • Image

    ResenhaIl Balletto di Bronzo - Ys (1972)

    03/11/2017

  • Image

    ResenhaThe Pretty Things - S.F. Sorrow (1968)

    20/05/2020

  • Image

    ResenhaDavid Gilmour - David Gilmour (1978)

    15/03/2019

  • Image

    ResenhaEveron - Fantasma (2000)

    24/04/2021

Visitar a página completa de Tiago Meneses



Sobre o álbum

Silent Nights

Álbum disponível na discografia de: Rick Wakeman

Ano: 1985

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 3 - 1 voto

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Silent Nights



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.