Resenha

Holy Diver

Álbum de Dio

1983

CD/LP

Por: Márcio Chagas

Colaborador Sênior

10/05/2022



Dio estreia com Holy Diver, um verdadeiro clássico do rock pesado

A história do Dio começa como tantas outras dentro da música: Uma briga de egos o levou a deixar o Black Sabbath levando junto o baterista Vinnie Appice. A dupla resolveu utilizar o sobrenome de Ronnie por este já ser bem conhecido no meio metálico, mas ficou acertado que funcionariam como uma banda.

Para o baixo foi recrutado Jimmy Bain, antigo colega de Dio no Rainbow. Bain era um baixista preciso e experiente e também cuidaria dos poucos teclados do álbum. Faltava um guitarrista realmente impactante, pois Dio já havia trabalhado com Richie Blackmore e Tony Iommy, dois dos maiores ícones do instrumento.

Enquanto compunham algumas canções recrutaram Jake E. Lee, que ficou pouco mais de um mês, mas deixou o grupo por divergências musicais. Então o vocalista conheceu Vivian Campbell, um jovem irlandês nascido na Irlanda que integrava o grupo Sweet Savage. A técnica de Vivian impactou Dio que o convidou imediatamente a fazer parte da nova banda.

O quarteto devidamente formado entrou no Sound City Studios, em Van Nuys, Califórnia, tendo o próprio Dio como produtor. Como o baixinho também ficou encarregado das letras, Dio decidiu explorar a temática fantástica de castelos, dragões, grandes batalhas e ficção científica, tão na moda em livros como O Senhor dos Anéis e filmes como Star Wars.

A sonoridade é típica do heavy tradicional: bateria pesada e baixo pulsante a frente das canções, criando uma base forte para os vocais em plena forma e a guitarra um pouco mais atrás, como se costurasse as canções de modo único!

Nada de afinações baixas e bumbos duplos irritantes: ninguém ali precisava provar que era um excelente instrumentista e nem mesmo atleta do instrumento. Os músicos tinham como objetivo principal interpretar as canções, dar acabamento aos temas e não ao contrario. Nenhuma música serviu pra massagear o ego de ninguém, nem mesmo do líder.

A rápida e pungente "Stand Up and Shout" chega metendo o pé na porta e mostrando  banda completamente integrada, com os vocais rasgados de Dio; A faixa titulo chega em seguida, mais melódica e cadenciada, mas sem perder o peso característico. Esse foi o primeiro single do álbum; “Gypsy” traz uma sonoridade mais “suja” e agressiva, com um bom riff de guitarra;

A seguir temos "Caught in the Middle", uma faixa que Campbell trouxe o riff de uma das músicas de sua antiga banda. A canção tem algumas variações rítmicas e se tornou um clássico do grupo; “Don´t Talk to Strangers” é uma verdadeira pérola: começa lenta e cadenciada, com sua letra soturna, mostrando Dio cantando de maneira melódica, até o ápice com a entrada da guitarra pesada. Vivian mostra que se sai bem em solos melódicos, mesmo com velocidade; "Straight Through The Heart" traz uma batida pesada e quase sincopada, com um contratempo diferente na bateria. Dio continua cantando muito e trazendo os temas para o seu universo vocal;

“Invisible” é mais cadenciada e o solo de introdução me lembrou algumas passagens de Brian May (Queen), pelo menos até a entrada da cozinha pesada; Então temos o segundo single do disco, “Rainbow in the Dark”. Curiosamente a  canção é calcada em uma linha de teclados! Mas nem por isso deixou de ser pesada e com um apelo metálico sensacional. Foi composta pelo quarteto e era obrigatória em todos os shows do grupo; “Shame on the Night” encerra o álbum de maneira pesada, trazendo os vocais performáticos de Dio, que alinha sua voz ao timbre de guitarra de Campbell.

“Holy Diver” foi lançando em maio de 1983 e teve excelente receptividade dentro do heavy metal, com os singles atingindo boas posições nos chats ingleses e americanos. A capa trazia o futuro mascote da banda chamado Murray, jogando um padre católico acorrentado dentro de um rio. A imagem pode parecer comum agora, mas em 1983 teve um apelo diferenciado entre a comunidade metálica.

Com “Holy Diver”, Dio conseguiu retomar sua carreira e desvencilhar de seu antigo grupo. O álbum é considerado um clássico absoluto dentro do rock pesado.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.


4 comentários:

user

Marcel Dio 10/05/2022

Colaborador Sênior

10/05/2022

Com milhares de clássicos do heavy metal ainda apresentaria esse como cartão de visitas. Tudo está nele, tudo que o estilo tem de melhor. Baita resenha amigo.

user

Márcio Chagas 10/05/2022

Colaborador Sênior

10/05/2022

Obrigado Marcel! Fica muito fácil resenhar um clássico como esse. Realmente Dio juntou o que há de melhor no estilo para criar o álbum.

Faça login para comentar

user

João Vitor Prianti Gomes 24/05/2022

24/05/2022

Um marco histórico pro Heavy Metal. Uma cozinha crua, simples, mas que consegue levar para o ouvinte tudo aquilo que a banda queria.

user

Márcio Chagas 27/05/2022

Colaborador Sênior

27/05/2022

É verdade João. Naquela época não existiam tantos baixistas com sidrome de guitarrista e muito menos atletas de bateria. Cada uma executava seu papel com perfeição.

Faça login para comentar



Sobre Márcio Chagas

Nível: Colaborador Sênior

Membro desde: 14/04/2018

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaCamel - I Can See Your House From Here (1979)

    10/06/2018

  • Image

    ResenhaThe Rolling Stones - Their Satanic Majesties Request (1967)

    04/06/2021

  • Image

    ResenhaGenesis - Foxtrot (1972)

    18/04/2020

  • Image

    ArtigoVariações sobre um mesmo tema: Led Zeppelin “No Quarter”!

    02/09/2021

  • Image

    ResenhaRush - Test For Echo (1996)

    09/02/2020

  • Image

    ArtigoAs Grandes Cozinhas do Rock: Unidade entre baixistas e bateristas

    25/08/2018

  • Image

    ResenhaRex Brown - Smoke On This... (2017)

    22/09/2021

  • Image

    ArtigoDark Light: Projetos e bandas obscuras integradas por músicos famosos que lançaram no máximo dois álbuns de estúdio!

    17/05/2020

  • Image

    ResenhaChristian McBride - Conversations With Christian (2011)

    08/05/2021

  • Image

    ResenhaDeep Purple - Whoosh! (2020)

    08/08/2020

Visitar a página completa de Márcio Chagas



Sobre o álbum

Holy Diver

Álbum disponível na discografia de: Dio

Ano: 1983

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 4,54 - 14 votos

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Veja mais opiniões sobre Holy Diver:

  • 01
    dez, 2020

    Início meio perdido cria álbum com poucos hits e muito filler

    User Photo José Esteves
  • 06
    jun, 2019

    Mergulhando em carreira solo

    User Photo Fábio Arthur

Visitar a página completa de Holy Diver



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.