Resenha

Rosalie Cunningham

Álbum de Rosalie Cunningham

2019

CD/LP

Por: Tiago Meneses

Colaborador Top Notch

02/03/2022



Rosalie mostra muita maturidade e segurança ao entregar um incrível disco de rock progressivo psicodélico contemporâneo misturado ao estilo 60’s

A primeira vez em que ouvi falar do nome de Rosalie Cunningham dentro da comunidade da música psicodélica/progressiva, foi por ser a líder, vocalista e multi-instrumentista da banda Purson – com quem gravou os dois discos do grupo nos de 2013 e 2016 antes que o mesmo chegasse ao fim. Mas o acontecido, de forma alguma fez com que Rosalie perdesse o fôlego, algo que é bastante evidenciado nesse seu primeiro disco solo. Mas é bom deixar claro que se você já ouviu os discos da Purson, aqui a música soa um pouco diferente, trazendo algumas sensações mais pop e musicalidade mais acessível.  

“Ride On My Bike” começa o disco já convidando logo de cara o ouvinte para se juntar a Rosalie e seu som psicodélico. Possui uma mistura muito bem dosada entre o hard rock e honkatonk. Os vocais em camadas são melhor identificados se ouvidos em um fone de boa qualidade. Excelente começo de disco. “Fuck Love” começa por meio de um som mais “sombrio” antes de se direcionar para mais uma música influenciada pela psicodelia 60’s. Guitarra ácidas e um piano envolvente são os principais temperos da faixa, claro, sem contar a voz melodramática de Rosalie.  

“House Of The Glass Red”, com todo esse amor de Rosalie pela psicodelia e o rock 60’s em geral, obviamente que não faltaria uma peça influenciada em Beatles, mas que não para por aí, seus teclados retrô, além de vocais e guitarras deslumbrantes, também colocam na música uma estranha combinação entre algo como Curved Air e Blondie. “Dethroning Of The Party Queen” é uma peça que funciona como um número psicodélico de carnaval, com vocais trêmulos em alguns momentos, linhas pulsantes de piano e guitarras alucinógenas. 

“Nobody Hears” possui um arranjo mais simples, começando primeiramente por meio de piano e violões antes que os demais instrumentos entrem em uma cadencia quase blueseira. Mas mesmo mais simples, destaca-se por uma linha de baixo muito boa. Possui sua letra direcionada aos sem-teto, um povo segundo Rosalie, perdido e solitário que sempre estão buscando quem os ouçam. “Riddles And Games” possui uma guitarra fuzzy matadora e uma seção rítmica poderosa e de arrepiar. Rosalie aqui parece estar mais agressiva e tem suas partes vocais completadas por teclados sempre precisos. Um Acid Rock de tirar o fôlego.  

“Butterflies” é a faixa mais curta do disco. Uma peça bastante calma e harmoniosa com um violão muito bonito, seção rítmica suave e vocais acolhedores. Uma passagem tranquila antes de chegarmos no épico que encerra o disco. “A Yarn From The Wheel” é uma verdadeira obra de arte. Uma peça com quase catorze minutos e que mostra toda a maturidade composicional da inglesa de – na época - 28 anos. Todas as suas faces musicais se encontram nessa música, com passagens psicodélicas, progressivas, folk, flamenco e até valsa medieval, além de explosões de space rock. Soa como se Rosalie tivesse transferido tudo – e literalmente mais um pouco - das músicas anteriores para apenas uma peça. As mudanças de andamentos são todas elas muito oportunas e bem distribuídas e os vocais se expressam sempre de uma maneira teatralmente bela. Daqueles épicos que em momento algum fica monótono.  

Quando se fala de música psicodélica/progressiva contemporânea, eu não consigo imaginar um nome mais forte do que o de Rosalie Cunningham em se tratando de uma mulher que desempenha o papel de instrumentista, compositora, produtora e interprete, sendo assim, seu reconhecimento ainda é baixíssimo diante do merecimento. Além de tudo, ainda é um disco bastante fácil e de potencial para agradar vários tipos de público.  


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Tiago Meneses

Nível: Colaborador Top Notch

Membro desde: 28/09/2017

"Sou poeta, contista e apaixonado por música desde os primórdios da minha vida, onde o rock progressivo sempre teve uma cadeira especial."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaBig Big Train - Grand Tour (2019)

    11/10/2019

  • Image

    ResenhaPink Floyd - Pulse (1995)

    26/10/2017

  • Image

    ResenhaThe Flower Kings - Space Revolver (2000)

    12/07/2020

  • Image

    ResenhaCaravan - If I Could Do It All Over Again, I'd Do It All Over You (1970)

    10/06/2021

  • Image

    ResenhaIQ - Tales from the Lush Attic (1983)

    19/03/2020

  • Image

    ResenhaJethro Tull - Thick As A Brick (1972)

    13/10/2017

  • Image

    ResenhaAdrian Belew - Twang Bar King (1983)

    28/08/2020

  • Image

    ResenhaGal Costa - Índia (1973)

    24/05/2018

  • Image

    ResenhaDerek Sherinian - Planet X (1999)

    08/11/2021

  • Image

    ResenhaThe Who - Tommy (1969)

    13/04/2020

Visitar a página completa de Tiago Meneses



Sobre o álbum

Rosalie Cunningham

Álbum disponível na discografia de: Rosalie Cunningham

Ano: 2019

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 5 - 2 votos

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Rosalie Cunningham



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.