Resenha

Moral Hygiene

Álbum de Ministry

2021

CD/LP

Por: Mário Pescada

Colaborador

21/02/2022



Produzido durante os turbulentos três últimos anos, último disco, Moral Hygiene, se saiu muito bem

“Quão preocupado você está?”

Com essa questionadora frase, o MINISTRY abre seu décimo quinto e mais recente disco, “Moral Hygiene” (2021), lançado mundialmente em outubro do ano passado pela Nuclear Blast e no Brasil sob licença para a Shinigami Records. 

Considerando que o disco começou a ser feito em 2018 e demorou três anos para ser concluído, o figuraça Al Jourgensen passou pelo governo Trump, a conturbada eleição norte-americana seguinte, tensões raciais e sociais nos EUA, fake news cotidianas, a questão ambiental, pandemia...não foram poucos motivos para se preocupar e se inspirar a escrever. Já para os fãs da banda, a maior preocupação era como seria o novo disco, já que os alguns dos últimos trabalhos do grupo decepcionaram boa parte deles. Ao fim, o resultado foi de alívio, já que “Moral Hygiene” (2021) está entre os melhores trabalhos do MINISTRY.

Abrindo com “Alert Level”, o grupo contou com os scratchs de Arabian Prince, DJ fundador do incendiário N.W.A., um dos grupos de hip hop mais influentes da cena. É uma faixa densa, bem marcada pelas batidas de Roy Mayorga e que tem até sampler da ativista Greta Thumberg de fundo.

“Good Troube” é reflexo da tensão social crescente dos EUA no período da composição do disco. Manifestações e tumultos dão o tom aqui, com a swingada gaita tocada por Al ao fundo, dando um toque bem legal a música. Na mesma pegada social, uma das participações mais aguardadas era dele, Jello Biafra (ex-DEAD KENNEDYS), em “Sabotage Is Sex”, música com a cara do projeto LARD que uniu Jello e Al no passado, falando de opressão e relembrando a violência sofrida por George Floyd, sufocado até a morte por um policial, mesmo depois de imobilizado.

A quarta faixa, “Disinformation”, está entre as melhores e mais pesadas do disco, aborda um tema bem conhecido também dos brasileiros nos últimos anos e que em breve será ressuscitada com força total, as fake news. Outubro chegando, lembre-se do aviso da música, “A solução para desinformação não é surtar, mas buscar pelas notícias em fontes confiáveis e pensar criticamente a respeito de tudo que você ouve”. A participação de Billy Morrison (BILLY IDOL, ROYAL MACHINES) no baixo bem grave e nas guitarras, mostrou-se uma escolha acertada.

Com outra participação de Billy Morrison, mais David Ellefson (ex-MEGADETH), está o matador cover para “Seek And Destroy”, cover do proto-punk THE STOOGES, lançada em 1973 no seu terceiro disco, “Raw Power”. A versão, mais lenta e pesada que a original, ficou tão boa, cheia de um certo apelo radiofônico, é verdade, que contou até com a aprovação de IGGY POP. O video clip, ambientado em um clima todo Mad Max, apesar de simples, ficou bem legal, ainda mais quando seguimos sua apocalíptica letra.

Sexta faixa, a desilusão política (nada de novo) retratada em “Believe Me”, outra faixa contando com as participações de Billy Morrison e David Ellefson. O ritmo super marcado nos samplers dá um toque hipnotizante a música que muda para um apelo mais pop no refrão, bem acompanhada por violões.

“Broken System” e “We Shall Resist” são as duas músicas mais paradas do disco, vamos dizer assim. Enquanto a primeira que é embalada por um loop repetitivo com cítaras e percussão fala sobre como o sistema falhou e como estamos em risco de extinção se nada for feito, “We Shall Resist” é bem dark, seus vocais são mais falados que cantados, um clima soturno.

Quase fechando, “Death Toll” é um tributo aos mais de 500 mil norte-americanos mortos por Covid-19 durante o período de tempo da gravação do disco, a serem lembrados “mais do que um número ou estatística”. Um número tão alto, que, segundo os dados do encarte (muito bem feito aliás, com todas as letras e várias colagens), seria maior do que o total de norte-americanos mortos que lutaram na Primeira, Segunda Guerra Mundial, Vietnam e guerra da Coreia, além das vítimas dos atentados do 11 de Setembro e Oklahoma - juntos! Lembrando que não faltaram vacinas para a população dos EUA, o que atrapalhou mesmo foram...as fake news.

Coube a “TV Song #6 (Right Around The Corner Mix)” fechar de forma acelerada e caótica o disco. Faixa com bateria eletrônica (para calafrio dos bangers mais conservadores), frases soltas, colagens de Fred Durst (LIMP BIZKIT), pastores, noticiários, etc., se não agregou ao disco, também não chegou a prejudicar.

“Moral Hygiene” (2021) mostra que Uncle Al, mesmo aos 63 anos (sabe-se lá como ele conseguiu chegar até aqui com sua longa convivência com drogas e afins) continua afiado em suas letras e posicionamentos.

Falando a boa parte do público de metal que ainda tem um certo preconceito com o grupo, muitos sem ao menos terem ouvido uma vez sequer algum disco, por conta do rótulo de industrial, de ter samplers, toques de eletrônica, etc., é que vale a pena romper essa barreia. Meu convite a vocês fica para começarem justo com “Moral Hygiene” (2021).

“Moral Hygiene” (2021) pode ser adquirido junto a Shinigami Records pelo e-mail loja@shinigamirecords.com ou através do site da gravadora.

Confira o vídeo de “Disinformation”:

Formação: Al Jourgensen: vocais, guitarras, programação John Bechdel: teclados Cesar Soto: guitarras, backing vocals Roy Mayorga: bateria Paul D'Amour: baixo Monte Pittman: guitarras Faixas: 01 Alert Level feat. Arabian Prince 02 Good Trouble 03 Sabotage Is Sex feat. Jello Biafra 04 Disinformation feat. Billy Morrison 05 Search and Destroy (THE STOOGES cover) feat. Billy Morrison e David Ellefson 06 Believe Me feat. Billy Morrison e David Ellefson 07 Broken System 08 We Shall Resist 09 Death Toll 10 TV Song #6 (Right Around The Corner Mix)


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Mário Pescada

Nível: Colaborador

Membro desde: 12/03/2018

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    EntrevistaCharlie Curcio

    01/11/2021

  • Image

    EntrevistaMarcelo Loss

    06/08/2018

  • Image

    ResenhaHigh Spirits - Motivator (2016)

    06/05/2018

  • Image

    ResenhaBlack Funeral: A história do Mercyful Fate

    17/11/2020

  • Image

    ResenhaLemmy: A biografia definitiva

    15/01/2020

  • Image

    EntrevistaToby Jepson

    12/06/2018

  • Image

    ResenhaMotorhead - What's Words Worth? (1983)

    24/03/2018

  • Image

    ResenhaEndust - Cycle (2021)

    02/02/2022

  • Image

    ResenhaNazareth - Surviving the Law (2022)

    30/05/2022

  • Image

    ResenhaPandemmy - Subversive Need (2021)

    13/07/2021

Visitar a página completa de Mário Pescada



Sobre o álbum

Moral Hygiene

Álbum disponível na discografia de: Ministry

Ano: 2021

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 4 - 1 voto

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Moral Hygiene



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.