Resenha

Pan & Regaliz

Álbum de Pan & Regaliz

1971

CD/LP

Por: Tiago Meneses

Colaborador Especialista

08/01/2022



Um álbum muito bom de rock psicodélico e progressivo, além de algumas incursões blueseiras e até jazzísticas

Desde os primeiros segundos da música encontrada nesse único álbum dos espanhóis da Pan & Regaliz, nota-se um grande aceno ao Jethro Tull – obviamente devido ao seu trabalho de flauta. Pra tentar ser mais preciso – ao menos acho que estarei sendo -, é como se fosse uma versão do Jethro Tull liderada por Roky Erickson, o líder por trás da 13th Floor Elevators. Porém, é uma pena que ao mesmo tempo que a banda busca uma sonoridade distinta – e a encontre -, não podemos dizer o mesmo em relação a sua voz.  

As músicas do disco concentram-se entre momentos de doçura e outros de puro amargor e acidez, sendo as duas formas desempenhadas muito bem por todos os instrumentistas que estão sempre se agarrando em um groove simpático, sendo isso muitas vezes o que compensa as deficiências vocais encontradas no estilo Ian Anderson – inclusive até demais - de Guillermo Paris e que também é o responsável pelos trabalhos de flauta.  

“One More Day” já começa o disco de maneira esmagadora, linhas de flautas bem acentuadas e logo de cara uma grande influência de Guillermo Paris na 13th Floor Elevators em algumas de suas falas. Um início de performance bastante animado. “Waiting In The Monster´S Garden” começa com algumas batidas mais funk – o que foge um pouco da influência do Jethro Tull. Aqui o problema é o mesmo de todo o disco, Paris soando como se fosse Roky Erickson, fazendo com que lamentamos o fato de o vocalista não ter buscado sua identidade própria.  

“Dead Of Love” mostra que a banda consegue soar de uma maneira mais impressionante quando os vocais estão ausentes, sendo suas partes instrumentais uma das melhores do disco, guitarra fuzz – que inclusive pouco aparece no disco - e uma bateria furiosa deixam o álbum em alta voltagem. “Thinking In Mary” começa com uma flauta simples e uma seção rítmica bem construída. Mais à frente a guitarra vai acrescentando algumas notas solos muito bem acentuadas – sem que a flauta pare em momento algum. Uma peça instrumental que apesar de simples, também entrega beleza e satisfação.  

“A Song For The Friends” direciona o disco para um terreno completamente diferente do apresentado até o momento, sendo entregue aqui uma espécie de music hall. Essa mudança traz como destaque um piano muito bem-humorado – do tipo muito comum entre as bandas psicodélicas do final dos anos sessenta que costumavam brincar utilizando esse tipo de som. “When You Bring Down” possui inicialmente um ritmo bastante comum - me fazendo sentir até um deja vu -, mas depois entra em uma sonoridade mais sombria, porém, antes de chegar ao fim, regressa ao tema inicial.  

“Today It Is Raining” com os seus mais de nove minutos é sem dúvida alguma o grande destaque do disco. Cheia de momentos psicodélicos, a peça também pode agradar em cheio aos fãs de stoner-rock, além de possuir algumas incríveis e longas viagens espaciais. Uma música nebulosa, melancólica e errante. O tempo passa que nem percebemos, ou pra ser mais exato, seus sete primeiros minutos passa que nem percebemos, pois cerca dos seus dois finais são de certa forma até inúteis. Mas ainda assim, de longe a melhor música do disco. “I Can Fly” encerra o disco em um ritmo médio e cantante, uma excelente evocação de alguém que sabe que não pode voar. Eu citei a letra nesse caso, pois é a única do disco em que vale alguma coisa.  

Admito que por ser uma banda espanhola, eu esperava ouvir guitarras de corda de nylon e influências flamencas, mas aqui o som é mais “sujo”. Infelizmente, acho pouco mais de trinta minutos um tempo muito pequeno para um disco, porém, eles souberam aproveitar bem esse tempo e criaram um álbum muito bom de rock psicodélico e progressivo, além de algumas incursões blueseiras e até jazzísticas. Não chega a ser uma joia rara, mas tem seu valor.  


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Tiago Meneses

Nível: Colaborador Especialista

Membro desde: 28/09/2017

"Sou poeta, contista e apaixonado por música desde os primórdios da minha vida, onde o rock progressivo sempre teve uma cadeira especial."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaYes - Drama (1980)

    26/01/2018

  • Image

    ResenhaMahavishnu Orchestra - Birds Of Fire (1973)

    24/04/2020

  • Image

    ResenhaCollegium Musicum - Konvergencie (1971)

    04/07/2018

  • Image

    ResenhaSfinx - Zalmoxe (1979)

    23/10/2017

  • Image

    ResenhaIron Maiden - Piece Of Mind (1983)

    25/04/2018

  • Image

    ResenhaGenesis - ...And Then There Were Three (1978)

    23/01/2019

  • Image

    ResenhaYes - Fragile (1971)

    02/10/2017

  • Image

    ArtigoOs 20 melhores discos do Universo Progressivo de 2021

    27/12/2021

  • Image

    ResenhaAdrian Belew - Side One (2004)

    06/06/2020

  • Image

    ResenhaDeath - Symbolic (1995)

    14/01/2018

Visitar a página completa de Tiago Meneses



Sobre o álbum

Pan & Regaliz

Álbum disponível na discografia de: Pan & Regaliz

Ano: 1971

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 3,5 - 1 voto

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Pan & Regaliz



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.