Resenha

No Return

Álbum de Zaragon

1984

CD/LP

Por: Tiago Meneses

Colaborador Especialista

08/11/2021



No Return é um bom disco de Neo Progressivo vindo de terras nórdicas na primeira geração do gênero

Havia tanto tempo que eu não escutava esse disco, que ele me soou quase inédito quando decidi ouvi-lo agora, mas pensava que isso pode ter acontecido pela possibilidade de que nada nele tenha me soado memorável na época. Bom, apesar de não ser um dos maiores feitos de rock progressivo que já ouvi – longe disso -, No Return apresenta algumas ideias muito interessantes e válidas. Outro ponto a ser colocado, é que apesar de ser um disco de 1984, ele pouco tem em comum com suas contrapartes britânicas - leia-se as bandas de Neo Prog -, do mesmo período. 

As letras são em inglês e a maneira com que os vocais de Martin Nielsen se apresentam faz com que liguemos ele com algo entre Steve Walsh e Marc Ysaye, porém, e infelizmente, sem muita harmonização, além de bastante superficiais. Resumindo, os vocais é o que de mais fraco o disco tem. A força maior da banda está na sua parte instrumental, destacando principalmente alguns sintetizadores esplêndidos e as guitarras que mostram que Finn Jansen havia sido influenciado claramente nas escolas de Gilmour e Latimer, entregando muitas vezes uma magia musical pura.  

“Stretched Out Hands” é a primeira faixa do disco, que infelizmente mostra que as coisas não começarão com o pé direito. O grande problema aqui é que a música não parece conseguir transmitir um tema geral, fazendo com que as coisas acabem soando um tanto sem coerência e com suas transições bem estranhas e confusas. Uma mistura entre rock progressivo sinfônico e neo progressivo de qualidade média - no máximo. “Thoughts” é uma peça com quase doze minutos de duração, cheia de tons melódicos dentro de um estilo bastante influenciado pelo Camel. Ela decorre principalmente dentro de uma variação de protagonismo entre os sintetizadores e a guitarra solo, tendo, além disso, alguns tons belíssimos - mas que infelizmente soam meio previsíveis. Mas ainda assim, um bom exemplar de rock progressivo sinfônico.  

“Lightrace”, tanto os trabalhos de sintetizadores, quanto os de guitarra são muito bons, além de ter uma sonoridade ambiental interessante. Um rock melódico, onde também é possível notar uma influência no Styx. “No Return” é a faixa mais longa do disco, com quase treze minutos. Um lindo épico com alguns lindos trabalhos de guitarras por meio de solos gilmourianos e alguns órgãos impressionantes. Podemos dividir a música em duas partes, onde a primeira é dominada pela guitarra – com um trabalho solo maravilhoso - e a segunda pelos teclados. A peça se desenvolve sem pressa alguma, mostrando uma banda que quer deixar tudo seguir seu próprio curso da forma mais natural possível. “Exit” com os seus cerca de dois minutos e meio encerra o disco. Tem um solo de guitarra muito bonito, seguido por um de sintetizador antes de acabar de forma abrupta. Mesmo tendo certa beleza – principalmente por conta da guitarra -, particularmente achei essa uma criação bastante preguiçosa e poderia ser muito melhor trabalhada – incluindo até na sua letra sem sentido.  

Se levarmos em conta de que falamos de uma banda da Dinamarca e que o Neo Progressivo estava na sua infância, estamos diante de um disco extremamente digno. Zaragon neste seu único disco entregou ao ouvinte uma música acessível e melódica com algumas passagens finas e sinfônicas - ainda que não muitas. Seria injusto querer comparar Finn Janssen com duas lendas como Andy Latimer e David Gilmour, mas é fato que o dinamarquês usou bem suas influências em vários momentos do disco. Uma pena que a banda não tenha gravado mais nada, pois sinto que eles poderiam ter se tornado facilmente uma potência da primeira era do Neo Progressivo.  


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Tiago Meneses

Nível: Colaborador Especialista

Membro desde: 28/09/2017

"Sou poeta, contista e apaixonado por música desde os primórdios da minha vida, onde o rock progressivo sempre teve uma cadeira especial."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaNational Health - Of Queues And Cures (1978)

    11/02/2021

  • Image

    ResenhaMagma - Félicité Thösz (2012)

    31/03/2021

  • Image

    ResenhaMagma - Kobaïa (1970)

    20/04/2018

  • Image

    ResenhaRobert Wyatt - Rock Bottom (1971)

    22/10/2017

  • Image

    ResenhaAnima Mundi - I Me Myself (2016)

    18/03/2020

  • Image

    ResenhaAfter Crying - Megalázottak És Megszomorítottak (1992)

    14/11/2020

  • Image

    ResenhaJacula - Tardo Pede In Magiam Versus (1972)

    26/04/2020

  • Image

    ResenhaIluvatar - Children (1995)

    24/04/2021

  • Image

    ResenhaIron Maiden - Seventh Son Of A Seventh Son (1988)

    30/04/2018

  • Image

    ResenhaGong - Radio Gnome Invisible Part 1: Flying Teapot (1973)

    15/01/2021

Visitar a página completa de Tiago Meneses



Sobre o álbum

No Return

Álbum disponível na discografia de: Zaragon

Ano: 1984

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 3 - 1 voto

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de No Return



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.