Resenha

Guitars

Álbum de McCoy Tyner

2008

CD/LP

Por: Márcio Chagas

Colaborador Sênior

08/09/2021



O piano de Tyner se encontra com as seis cordas

Falecido em março de 2020, Tyner foi um dos maiores pianistas de jazz de todos os tempos. O músico integrou o principal quarteto de John Coltrane, gravando ao lado do saxofonista clássicos como “My Favorite Thong”, “Ballads” e “Impressions”.

Além de Coltrane, McCoy colocou seu instrumento a serviço de lendas do jazz, tais como Freddie Hubbard, Lee Morgan, Hank Mobley,  Joe Henderson e Wayne Shorter, apenas para citar uns poucos.

No entanto, embora fosse um musico dinâmico inserido em uma profusão de gravações e shows, poucas vezes eu o vi interagindo ou acompanhando guitarristas. Por isso, foi uma surpresa quando tive contato com este disco gravado em 2008, onde Tyner se vê acompanhado por vários guitarristas, convidando inclusive músicos que não são jazzistas.

O pianista chamou uma cozinha acima de qualquer suspeita, formada por Ron Carte e Jack de Johnette, além de cinco guitarristas, sendo que cada um aparece como convidado em duas ou três das 14 faixas do disco. Gravado com certo despojamento, McCoy deixou que os convidados escolhecem quais músicas eles gostariam de tocar com seu trio. Assim, os temas alternam entre composições próprias, inéditas e ainda releituras de grandes clássicos do estilo, que fazem um contraponto interessante com seu piano antológico.

Tantos convidados com estilos diferentes poderiam acabar com a identidade do disco, mas embora tenha tido uma carreira solo com lançamentos numerosos, Tyner foi antes de tudo um sideman, e poucos podem desempenhar esse papel de apoio tão bem como ele. Sua presença é sempre sentida. Sua sutileza e bom senso eram tão aflorados, que é possível sentir uma pegada um pouco mais leve do que normalmente o pianista usa, deixando o álbum ainda mais melódico.

No clássico "My Favorite Things",  Bella Fleck (The Fleckstones) aparece com seu banjo. O instrumento deixou a sonoridade mais exótica em um tema já exaustivamente executado. Achei válido, mas os puristas devem ter torcido o nariz; Na tradicionalíssima “500 Miles” temos Marc Ribot (Tom Waits , Elvis Costello , John Zorn ). Ribot consegue capturar a essência de Coltrane em seu instrumento, relembrando a parceria de décadas com Tyner;

Bill Frisell aparece em três canções, mas vale destacar “Baba Drame”, composição de sua lavra com um toque sutil de world music onde Dejohnette pode se sobressair; John Scofield (Miles Davis Band) aparece em apenas dois temas. Particularmente achei interessantíssima sua releitura para “Mr. PC” canção de John Coltrane apresentada no clássico “Giant Steps” de 1960. Embora Tyner não tenha sido pianista na versão de estúdio, os músicos optaram por reestruturar o tema a partir de versões ao vivo, uma vez que o pianista a tocou ao lado de Coltrane cententas de vezes;

Por fim, temos a maior surpresa do álbum: trata-se de Derek Trucks, guitarrista de raízes bluseiras, que compõe a Tedeschi Trucks Band ao lado da esposa e integrou o maior combo de rock sulista de todos os tempos, o The Allman Brothers Band. Deste modo não é de se estranhar que o guitarrista escolheria um tema mais bluesy, optando pela rápida “Slapback Blues. Embora a faixa tenha uma vibração jazzística, Derek se sai muito bem ao utilizar o piano para fazer contraponto com seu instrumento. Trucks aparece em apenas mais uma faixa, “Greensleeves” com um solo de piano magistral por parte de Tyner;

Embora eu tenha destacado as canções que mais me chamaram a atenção, todas as faixas são acima da média, merecendo total atenção do ouvinte.

Muitos críticos chegaram a dizer que o disco é apenas bom e que há álbuns melhores gravados pelo pianista. Não tenho dúvidas quanto a isso, principalmente se levarmos em conta a quantidade de clássicos gravados por Tyner. Porém, em “Guitars” podemos conhecer uma faceta diferente do músico, que do alto de seus 69 anos na época, resolveu se reinventar e gravar um álbum com o único intuito de se divertir. Não deixe de conferir.



Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Márcio Chagas

Nível: Colaborador Sênior

Membro desde: 14/04/2018

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaCartoon - Bigorna (2003)

    01/05/2020

  • Image

    ResenhaJorge Pescara - Grooves In The Eden (2018)

    27/04/2019

  • Image

    ResenhaJethro Tull - Minstrel In The Gallery (1975)

    03/04/2020

  • Image

    ResenhaJadis - More Than Meets The Eye (1992)

    13/02/2020

  • Image

    ResenhaOzzy Osbourne - Just Say Ozzy (1990)

    04/04/2020

  • Image

    ResenhaChristian McBride - Conversations With Christian (2011)

    08/05/2021

  • Image

    ResenhaMarvin Gaye - What's Going On (1971)

    11/07/2018

  • Image

    ResenhaPremiata Forneria Marconi - Jet Lag (1977)

    04/07/2019

  • Image

    ResenhaDeep Purple - Come Taste The Band (1975)

    18/03/2018

  • Image

    ArtigoDez grandes discos ao vivo lançados nos anos 70!

    13/07/2020

Visitar a página completa de Márcio Chagas



Sobre o álbum

Guitars

Álbum disponível na discografia de: McCoy Tyner

Ano: 2008

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 4 - 1 voto

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Guitars



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.