Resenha

Born This Way

Álbum de Lady Gaga

2011

CD/LP

Por: Roberto Rillo Bíscaro

Colaborador Especialista

07/09/2021



Saudações à Rainha-Mãe

Quando ouço algumas canções de The Fame, primeiro álbum de Lady Gaga, a discrepância entre o clima alegre da batida e o tom lúgubre dos teclados chama minha atenção. Não deixo de pensar na sociedade pós-moderna, que mascara a ansiedade com a fluoxetina prescrita por doutores ou o estresse minimizado com a endorfina liberada em triplas idas semanais à academia. Se isso procede, o grande comentário social de sua música está mais na forma do que no conteúdo, que também é importante, claro, com suas mensagens inclusivas e afirmativas. A cantora apresenta-se como espécie de madrinha de freaks, nerds, dorks e outras tribos. No caso dos gays, ela literalmente vestiu a carapuça aceitando o convite para ser madrinha do filho adotivo de Elton John.
  
A conquista do planeta com o primeiro álbum e os figurinos pouco comuns são fartamente conhecidos e documentados. Gaga era alardeada como a sucessora de Madonna ao trono de rainha do pop. Born this Way, seu segundo álbum, consolidou essa aposta, além de deixar cristalinamente claro que a marca de Madge permanece imaculada na genética de Gaga. 

Sem dúvida, Born This Way foi o lançamento mais aguardado, discutido e hooplado do ano. Quando a faixa-título caiu na rede, a primeira polêmica: disseram que era cópia de Express Yourself, de...Madonna! Gaga ficou brava, mas dá para cantar a letra da canção de Madge em cima de Born This Way e o vocal também remete à rainha oitentista.

Madonna está presente em inflexões e certos maneirismos vocais e também no clima de provocação e fetichismo religiosos, que permeiam o álbum de Gaga. Quem esquece o escândalo de Like a Prayer e as tentativas da Igreja Católica de boicotar Madge nos anos 80? Jesus Cristo é citado em várias letras e há uma canção (maravilhosa) chamada Judas, que tem clima gótico bastante domesticado, para agradar aos não iniciados. E o que dizer de canções com título como Electric Chapel, que tem guitarra roqueira, e Bloody Mary?

A utilização de elementos da electronica alternativa é algo que Lady Gaga aprendeu direitinho. Basta escutar coletâneas de synth pop europeu para perceber como aparecem decantados em diversas faixas de Born This Way.

Uma coisa que é preciso levar em conta é que muito do que soa novidade para o público norte-americano não o é para nós, cujas rádios sempre tocaram eurodance. A faixa de abertura, Marry the Night, é puro eurodance noventista.

Para a geração oitentista, Gaga dificilmente soa como novidade e não apenas por conta da influência de Madonna. A fusão de dance com hair metal, de Bad Kids e o clima Pat Benatar com teclado progressivóide de Hair, atestam isso com eficácia. A canção tem até solo de sax. Quer coisa mais típica da década de 80?

Em tempos de globalização, o álbum tem sua cota de latinidad ciganada com Americano, cantada parcialmente em espanhol. A vibrante pulsação de rave de Scheiße tem introdução em alemão. Uma porrada dançante extraída diretamente do lençol freático da electronica europeia. Estupenda.  

A canibalização explícita de Born This Way não desmerece Lady Gaga. Madonna também é canibal; o pop é canibal. A jovem norte-americana está anos à luz à frente de suas pobres rivais autotunadas. Ela sabe exatamente o que quer, controla seu trabalho e ressignifica elementos diversos para criar sua versão do pop contemporâneo, que não poderia mesmo existir sem o que veio antes.

A fila anda e reinados terminam. É assim que tem de ser. Se o de Madge acabara, que Gaga possa ter subido ao trono sossegada. Born This Way prova que Madonna será a Rainha-Mãe.   


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.


1 comentário:

user

Expedito Santana 07/09/2021

Colaborador

07/09/2021

Mestre, a rainha do pop da minha geração foi, inquestionavelmente, a Madonna. Mas, na minha opinião, a Lady Gaga parece ter sido a melhor sucessora. Gosto das duas, mas a Madonna sempre será a diva acima do bem e do mal.

Faça login para comentar



Sobre Roberto Rillo Bíscaro

Nível: Colaborador Especialista

Membro desde: 11/09/2017

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ArtigoPhil Collins: In The Air Tonight fora do ar para Trump

    20/10/2020

  • Image

    ResenhaTwo Door Cinema Club - False Alarm (2019)

    22/05/2020

  • Image

    ResenhaJulie Dexter - Déjà Vu (2019)

    24/05/2020

  • Image

    ResenhaCarpiah - A Flor do Rock (2012)

    21/03/2020

  • Image

    ResenhaDamon & Naomi - A Sky Record (2021)

    22/08/2021

  • Image

    ResenhaErma Franklin - Piece Of Her Heart: The Epic And Shout Years (2009)

    19/06/2021

  • Image

    ResenhaCarpenters - Carpenters With The Royal Philharmonic Orchestra (2018)

    29/08/2020

  • Image

    ResenhaChvrches - Every Open Eye (2015)

    23/03/2021

  • Image

    ResenhaDolly Parton, Linda Ronstadt & Emmylou Harris - The Complete Trio Collection (2016)

    07/10/2020

  • Image

    ResenhaGenesis - Abacab (1981)

    16/05/2018

Visitar a página completa de Roberto Rillo Bíscaro



Sobre o álbum

Born This Way

Álbum disponível na discografia de: Lady Gaga

Ano: 2011

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 3,5 - 1 voto

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Born This Way



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.