Resenha

The Last Tribe

Álbum de Dialeto

2013

CD/LP

Por: Tiago Meneses

Colaborador Top Notch

07/08/2021



Rock progressivo facilmente acessível, aventureiro e ao mesmo tempo desafiador

Conheci essa banda a alguns dias e fiquei realmente encantado com o que ouvi, fico pensando como que eu pude deixar passar batido por tanto tempo uma banda nacional dessa qualidade, mas o importante é que agora me redimi desse erro e a ouvi bastante nesse período até sentir a vontade de expressar minha opinião em uma resenha sobre alguns dos seus discos, sendo o escolhido aquele que mais gostei, The Last Tribe.  

Após ouvir os seus dois discos anteriores a The Last Tribe, parece que aqui a banda estabeleceu um som bem definido, utilizando assim uma tela bastante vasta de ideias para criar a sua própria marca de rock progressivo instrumental e pesado. Se por um lado eles são econômicos, esparsos e eficazes, por outro tudo é repleto de detalhes. A banda simplesmente parece vagar alegremente por onde dá na telha, mas sempre bem direcionada.  

“Windmaster” é um começo de disco bastante poderoso. Possui uma demonstração de guitarra que é pura destreza, além de incomum, sendo muito bem apoiada pela bateria. Alguns momentos podem ser vistos como um fusion por algum ouvinte de primeira viagem, mas eu acho que tudo soa mais como um hard rock de tendência progressiva, em que guitarras atmosféricas e distorcidas coexistem de uma forma perfeita em torno de uma harmonia belíssima.  

“Dorian Grey” começa com um baixo que nos remete um pouco a “Watcher of the Skies”, mas isso logo desaparece e a música se transforma em um som de incrível cerimônia tribal. Aqui o trio deixa a linha atmosférica pra trás e decide atacar o ouvinte com uma artilharia mais pesada. Quando eu escuto esse tipo de música é quando eu tenho certeza que o rock viverá pra sempre, pois bandas como essa sempre estarão levando a sua tocha. Um som que é um verdadeiro tapa na cara.  

“The Last Tribe” é a faixa título e também a mais curta do disco. A sonoridade tribal que esteve presente na peça anterior, segue aqui, mas agora intensificada com um trabalho excelente de percussão. Acho que a guitarra distorcida soa de forma um pouco excessiva, mas mesmo assim podemos encontrar um bom som atmosférico, além de muito denso e que cai muito bem.  

“Lydia In The Playground” é uma peça um pouco mais difícil de decifrar do que as anteriores. Mas em poucas – duas na verdade – palavras ela poderia ser descrita como, “suave e feroz”, pois eles tocam com variações sobre a mesma melodia, adicionando solos de guitarras frenéticos sobre atmosferas cintilantes.  

“Unimpossible” carrega um ar que lembra um pouco Santana, criando alguns timbres meio paranoicos. Melhor dizendo, isso ocorre até mais ou menos os dois minutos e meio, pois nesse ponto a barragem se rompe e a banda nos inundam com algumas dissonâncias inspiradas em King Crimson, mais precisamente em Lark's Tongues in Aspic Pt I. Apesar de quebras radicais e mudanças constantes, tudo flui muito bem. Uma peça surpreendente.  

“Tarde Demais” tem o seu começo por meio de uma guitarra elétrica orientada para o flamenco e que vai levando o ouvinte para uma performance atmosférica simplesmente arrepiante. Sem dúvida alguma é um dos momentos mais belos do álbum, principalmente se olharmos como uma espécie de introdução para a fervorosa, “Vintitreis”, um dueto simplesmente perfeito de faixas onde eles criaram um verdadeiro equilíbrio fantástico entre o onírico e o frenético.  

“Whereisit” e “Sand Horses” formam aqueles tipos de faixas que podemos encarar como o mesmo lado de uma mesma moeda, sendo ambas bastante agressivas e de tirar o fôlego. A segunda parece fluir um pouco mais naturalmente do que a primeira, mas de qualquer maneira, ambas devem ser ouvidas como uma unidade musical, pois elas se encaixam perfeitamente bem, como duas pedras de um quebra-cabeça.  

“Chromaterius” é a faixa que fecha o disco por meio de um clima experimental e esquisito. Um momento do disco em que os membros da banda se permitem ser autoindulgente. Mas depois de um álbum praticamente perfeito eles tem crédito e podem ser dar ao luxo de correr alguns riscos. No fim eles novamente acertaram em cheio.  

The Last Tribe proporciona uma experiência gratificante do começo ao fim, sendo novo e inovador, além de carregar o espirito mais puro do rock ao mesmo tem que também bombardeia o ouvinte com a complexidade da música progressiva. Um CD feito para os fãs de rock progressivo que procuram algo sutilmente diferente, especialmente entre aquele público que prefere o lado da música mais instrumental – com 0% de vocais - do gênero.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Tiago Meneses

Nível: Colaborador Top Notch

Membro desde: 28/09/2017

"Sou poeta, contista e apaixonado por música desde os primórdios da minha vida, onde o rock progressivo sempre teve uma cadeira especial."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaCulpeper's Orchard - Culpeper's Orchard (1971)

    06/05/2022

  • Image

    ResenhaMahavishnu Orchestra - Apocalypse (1974)

    27/05/2021

  • Image

    ResenhaIron Butterfly - In-A-Gadda-Da-Vida (1968)

    29/04/2018

  • Image

    ResenhaEmerson, Lake And Palmer - Works Volume 1 (1977)

    20/03/2018

  • Image

    ResenhaRick Wakeman - Fields Of Green (1996)

    04/04/2021

  • Image

    ResenhaFates Warning - A Pleasant Shade Of Gray (1997)

    29/04/2022

  • Image

    ResenhaThe Doors - The Doors (1967)

    16/06/2018

  • Image

    ResenhaBig Big Train - Grand Tour (2019)

    11/10/2019

  • Image

    ResenhaMaudlin of the Well - Part The Second (2009)

    25/06/2020

  • Image

    ResenhaSolaris - Marsbéli Krónikák II (The Martian Chronicles II) (2014)

    19/10/2019

Visitar a página completa de Tiago Meneses



Sobre o álbum

The Last Tribe

Álbum disponível na discografia de: Dialeto

Ano: 2013

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 4,5 - 1 voto

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de The Last Tribe



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.