Resenha

Exit...Stage Left

Álbum de Rush

1981

CD/LP ao Vivo

Por: Marcel Dio

Colaborador Sênior

19/06/2021



Live de responsa para fechar a era mais criativa

Esse é o live que encerra a fase de ouro do Rush e o preferido da maioria dos fãs. A banda estava em seu auge criativo e deixou Exit... Stage Left como resposta triunfante. O título foi inspirado na série de desenho animado Leão da Montanha da Hanna Barbera. Para a resenha traço um paralelo entre o disco e as imagens do DVD. Portanto não se perca, porque não farei nada em ordem de trilhas e distinções tão claras entre um molde e outro.

Não tem segredo que o set list é matador, apenas a constatação de que A Caress of Steel não aparece em nenhuma contribuição para esta, e em geral nos lives da banda, a exceção de Bastille Day (resgatada em alguns momentos) ou Lakeside Park - ambas vistas em All the World's a Stage ou algum bootleg bem raro perdido por ai. Acredito pelo fato de não trazer boas lembranças, a maioria já deve conhecer sobre a turnê da falência, caso 2112 não alcançasse êxito.
Do mais, o que vemos é pura inspiração de um trio que fazia o palco virar orquestra ou como Geddy Lee disse certa vez em uma entrevista : - "Deveríamos ganhar por cada nota tocada".
A qualidade da imagem a época não era das melhores, entretanto, o som está em equilíbrio perfeito.
E sobre a capa temos referencias de cada obra, como a modelo da ilustração de Permanent Waves, a coruja de Fly By Night e por ai vai.

Voltando ao set list, lá estão os velhos clássicos tocados até seis anos atrás, como Spirit of Rádio, Red Barchetta e o famoso solo de Neil Peart ao meio de YYZ. Solo que o baterista manteve a estrutura ao longo do tempo e foi adicionando novos elementos. 
Passage to Bangkok foi omitida nas primeiras prensagens em CD, assim como YYZ foi limada do DVD, uma pena.
O que poucos sabem é que o Rush queria partir para um registro ao vivo logo após o surgimento de Permanent Waves, e como graças a Deus não o fez, ficou a tradição ou coincidência que a cada quatro lançamentos de estúdio registrassem o formato live. Foi assim até Different Stages (1998). E caro leitor, geralmente as fases do grupo são dividas por essas lives, ou entendido assim por esse que vós escreve.
Contudo os lançamentos foram ganhando espaços mais longos e o trio resolveu soltar lives esporádicas e botar um fim a tradição. Atentando que discorro sobre registros oficiais, bootlegs o Rush tem para dar e vender. 

Pelo palco Lee e Alex desfilavam energia e entrosamento, Geddy Lee mal olhava para o baixo em Red Barchetta, a função tocar e cantar era tão natural quanto espantosa a quem já tentou e se perdeu entre suas notas. Não bastasse, o contrabaixista quando tocava Xanadu ainda cantava, tocava baixo e disparava melodias com os pedais taurus. Sem esquecer que ele e Lifeson usavam os famosos double neck - instrumentos de dois braços. E no caso de Lee era o contrabaixo e guitarra, a ultima empregada para os acordes finais de Xanadu. 

Ao Dvd, em By-Tor and the Snow Dog a banda divertia-se com as viradas espetaculares de Peart e na parte do solo abria-se espaços para improvisos de baixo e guitarra, numa loucura total de hipnose coletiva. As parte mais complexas de Freewill fariam qualquer grupo matar-se ao palco, mas o Rush mais uma vez brincava com tal complexidade, enquanto no intermédio temos praticamente três solos simultâneos por cada instrumento, numa aula de aptidão musical. 

Broon's Bane esticava a introdução de violão clássico para The Trees, ainda com Tom Sawyer recém saída do forno para levar a galera ao delírio. 
O fechamento não poderia ser melhor com La Villa Strangiato. Faixa que desperta tranquila e depois decola para ser uma das melhores instrumentais dentro do rock. 

Dessa forma Exit... Stage Left pode não ser o melhor em imagens se comparado injustamente com R30 e trabalhos vindouros, pela diferença de tempo e evolução tecnológica. Ademais, um ofício que deve ser ovacionado pela pericia dos músicos e por uma banda que nunca precisou de revistas e outros veículos relacionados. Fez  história partindo em turnês a cada álbum, pegando a estrada mais áspera e conquistando uma legião de admiradores. Um exemplo para quem acha que sucesso é um botão mágico de like ou um bando de puxa sacos comprados por revistas pra lá de suspeitas. 
Hoje é conveniente especular sobre o Rush e coloca-los no Hall da Fama. A resposta a todo ataque sofrido no passado veio no discurso de Alex Lifeson, que em pura tiração de sarro com seus Blá, blá e blá(s), desdenhou do evento da forma mais inteligente possível.

Se o Rush existiu e resistiu por tanto tempo, é por seu talento e movimentação dos fãs, o resto é o resto.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Marcel Dio

Nível: Colaborador Sênior

Membro desde: 14/03/2018

"Sou um amante da música, seja em qualquer estilo, rock, blues, jazz ou pop."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaOzzy Osbourne - Bark At The Moon (1983)

    01/12/2018

  • Image

    ResenhaZeptoSegundo - Memorias de Tiempos Perdidos (2015)

    13/11/2019

  • Image

    ResenhaNektar - A Tab In The Ocean (1972)

    04/09/2020

  • Image

    ResenhaTestament - Titans Of Creation (2020)

    22/07/2020

  • Image

    ResenhaScorpions - Rock Believer (2022)

    27/02/2022

  • Image

    ResenhaWishbone Ash - Coat Of Arms (2020)

    17/03/2020

  • Image

    ResenhaRobby Krieger - No Habla (1989)

    04/11/2020

  • Image

    ResenhaRhye - Home (2021)

    14/08/2021

  • Image

    ResenhaBlack Sabbath - Tyr (1990)

    12/05/2018

  • Image

    ResenhaGiorgio Moroder - From Here To Eternity (1977)

    28/08/2018

Visitar a página completa de Marcel Dio



Sobre o álbum

Exit...Stage Left

Álbum disponível na discografia de: Rush

Ano: 1981

Tipo: CD/LP ao Vivo

Avaliação geral: 5 - 1 voto

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Exit...Stage Left



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.