Resenha

Force Majeure

Álbum de Tangerine Dream

1979

CD/LP

Por: Tiago Meneses

Colaborador Especialista

24/05/2021



Sintetizadores menos experimentais e mais composicionais

Então que já estava chegando a hora do Tangerine Dream entrar na década de oitenta, e aqui é onde marca o início dessa transição. A melancolia do disco anterior permanece, mas dessa vez sem vocais. A formação da banda conta com apenas dois tecladistas – o que não chega a ser algo fora do comum, já que falamos de uma banda de música progressiva eletrônica e ambiente. Mas a banda não se limita apenas nos dois, tendo alguns convidados acrescentando bateria não eletrônica, violão, piano, violoncelo e mais algumas surpresas, sendo que nem todos são creditados no encarte do CD.  

"Force Majeure” é a faixa que abre o disco com os seus mais de dezoito minutos. Começa com alguns sons atmosféricos bastante agradáveis e de uma sonoridade típica da banda. Pouco depois dos quatro minutos é onde a banda começa a ganhar um ritmo mais concreto. A sonoridade para a época foi vista com muito bons olhos, mas com o passar dos anos alguns fãs do grupo passaram a enxergá-la um pouco datada – e eu também, mesmo não sendo exatamente fã, mas um simples admirador. Quando a parte rítmica eventualmente cessa, ela fica novamente atmosférica e muito agradável. Esse momento se estende até quase o fim, então que a bateria se junta novamente em uma melodia diferente. Não considero uma música brilhante, mas tem mais bons momentos do que maus.  

“Cloudburst Flight” começa com um belíssimo violão acústico tendo como pano de fundo ótimo teclado atmosférico. O baixo começa a latejar ao fundo até que a peça se transforma em algo mais conciso enquanto os teclados e guitarras elétricas trocam de lugar com a linha melódica. A bateria nessa altura segue em um ritmo médio. A seção rítmica junto das linhas atmosféricas dos teclados nessa faixa são muito melhores do que a encontrada na faixa anterior. Os solos em determinados momentos se tornam pesados – o que pra mim é um ponto positivo. Antes de terminar, a peça se acalma e um belo sintetizador assume a direção.  

“Thru Metamorphic Rocks” inicia-se muito suave com um piano e depois vai aumentando sua sonoridade e intensidade. A bateria não demora muito para aparecer e ir ditando o ritmo da música, tendo companhia também de alguns efeitos sonoros agradáveis. A guitarra elétrica assume a liderança em determinado momento com um ótimo solo. A progressão de acorde dessa faixa às vezes é bastante repetitiva. Tudo então desaparece e o sintetizador assume de forma brilhante, desenvolvendo o que eu considero não apenas a melhor parte do disco, mas também um dos pontos mais altos da carreira da banda. Uma rápida progressão de notas contínuas no fundo estabelece um ritmo enquanto os sintetizadores improvisam por cima com sons pesados e nenhuma melodia. Um final de disco incrível.  

Sei que muito do que eu posso me queixar do disco é o que outra pessoa gosta, mas no fim das contas, a faixa título é onde de fato eu enxergo alguns problemas, pois a vejo datada e comercial demais para o restante do álbum, inclusive, uma faixa com a sonoridade dela em algum outro disco da banda poderia funcionar bem melhor. Mesmo assim, o resultado final é ótimo. Considero Force Majeure um disco mais fácil de ouvir do que os anteriores, com guitarras e bateria presentes o suficiente para atrair os ouvintes mais voltados para o rock. Claro que a música eletrônica está muito presente aqui, mas os sintetizadores soam muitas vezes menos experimental e mais composicional, digamos assim.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Tiago Meneses

Nível: Colaborador Especialista

Membro desde: 28/09/2017

"Sou poeta, contista e apaixonado por música desde os primórdios da minha vida, onde o rock progressivo sempre teve uma cadeira especial."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaAnthony Phillips - Slow Dance (1990)

    19/10/2017

  • Image

    ResenhaBacamarte - Sete Cidades (1999)

    17/03/2019

  • Image

    ResenhaDire Straits - Dire Straits (1978)

    01/05/2018

  • Image

    ResenhaBig Big Train - Merchants of Light (2018)

    05/10/2018

  • Image

    ResenhaNeal Morse - Testimony (2003)

    11/07/2021

  • Image

    ResenhaMagma - Köhntarkösz (1974)

    02/04/2019

  • Image

    ResenhaRick Wakeman - The Six Wives Of Henry VIII (1973)

    12/01/2021

  • Image

    ResenhaJefferson Airplane - After Bathing at Baxter's (1967)

    24/06/2020

  • Image

    ResenhaCamel - Harbour Of Tears (1996)

    03/08/2018

  • Image

    ResenhaIron Maiden - Powerslave (1984)

    21/05/2018

Visitar a página completa de Tiago Meneses



Sobre o álbum

Force Majeure

Álbum disponível na discografia de: Tangerine Dream

Ano: 1979

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 4 - 1 voto

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Force Majeure



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.