Resenha

The Royal Sessions

Álbum de Paul Rodgers

2014

CD/LP

Por: Márcio Chagas

Colaborador Sênior

18/03/2018



Um passeio por outros estilos musicais

Difícil encontrar unanimidade quando falamos sobre música. Cantores, vocalistas, guitarristas e músicos em geral são amados por uns e odiados por outros na mesma proporção. Tal fato é até saudável, pois como diria o dramaturgo Nelson Rodrigues, "toda unanimidade é burra". Em meus 30 anos dedicados a música, conheci poucas, pouquíssimas unanimidades dentro do universo musical. Na maioria das vezes os gostos de cada pessoa são postos a prova por meio de acalorada discussões  tão inúteis quanto uma mesa redonda sobre futebol. 

Porém, uma coisa é certa, quando falamos em Paul Rodgers essa unanimidade rapidamente vem à tona. O cantor ficou conhecido ainda nos anos 60 por integrar a fileiras do Free, um dos mais cultuados grupos de todos os tempos. Na década de 70, Rodgers comandou o Bad Company e alcançou fama no cenário musical mundial.  Nos anos 80 foi a vez do vocalista capitanear o "The Firm", super grupo que contava também com Jimmy Page, o eterno guitarrista do Led Zeppelin.  A partir da década de 90, o vocalista esteve envolto nos mais diversos projetos, seja em sua carreira solo, seja em retornos esporádicos do Bad Company. Até mesmo em sua errática passagem pelo Queen, substituindo ninguém menos que Freddie Mercury, Paul se saiu bem, guardadas as devidas proporções.

O fato de tanto sucesso e (quase) nenhuma crítica e deve principalmente ao fato de que o vocalista e multi-instrumentista não se dobrar ao estilo que canta, mas trazê-lo pra dentro do seu universo. Paul tem uma voz potente, maleável e de personalidade própria, sendo assim ele consegue transitar por vários etilos, sem se render a eles. Outro diferencial do vocalista em relação a todos os seus colega de microfone,  é sua versatilidade musical. Paul sempre teve seu nome ligado ao rock, mas nunca se prendeu a ele. Desde os primórdios do Free, seu primeiro grupo de projeção, o músico já levava para abanda suas influências de blues, soul, funk e rhythm and blues. Mesmo nos dias de hoje com a globalização em evidência, é difícil achar um vocalista com uma pluralidade tão grande de estilos ao mesmo tempo que mantém uma personalidade forte e uma identidade vocal segura como Paul Rodgers.  

Por esse motivo não fiquei nem um pouco surpreso quando fiquei sabendo que o vocalista estava em estúdio gravando um CD com grandes sucessos do soul, do funk e do blues. O vocalista já tinha posto pra fora sua veia bluseira em 1990, gravando o CD "Muddy Waters Blues" recheados de grande temas e cercado de guitarristas do porte de David Gilmour e Jeff Beck. 
 
Agora Rodgers nos brinda com "The Royal Sessions", onde o vocalista, acompanhado de uma super banda que inclui até mesmo naipe de cordas e metais,  traz para o seu universo, canções dos mestres do swing. Paul abre o novo petardo com "I Thank You", um clássico do soul composto por Isaac Hayes.  Em "Down don´t Brother Me" o  blues é a voz da vez, com uma interpretação completamente passional do vocalista para a música do mestre Albert King. "I Can´t Stand The Rain’ traz de volta o swing pro disco, com vozes femininas e piano malemolente.  "I Been Loving You Too Long" virou uma balada rhythm and blues onde mais uma vez a interpretação do vocalista é o destaque. 

Além dessas quatro faixas iniciais que te fazem mergulhar de cabeça no clima do disco, merece destaques "Walk on By" de Burt Bacharach com seu acento soul, "Born Under a Bad Sign", clássico absoluto do blues, que aqui ganhou um naipe de metais ao fundo e ainda "I´ve Got Dreams to Remember" de Otis Redding.

De saldo final temos um disco despretensioso, porém elegante, onde o grande destaque é mesmo a voz passional de Paul. E vale ressaltar aqui que esse senhor de 64 anos continua cantando tanto e tão bem como na época em que ele tinha 20, se não estiver melhor. 

"The Royal Sessions" já nasce um disco clássico e essencial para quem gosta dos estilos abordados e também para os apreciadores da voz inconfundível de Paul. 


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Márcio Chagas

Nível: Colaborador Sênior

Membro desde: 14/04/2018

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaRush - Signals (1982)

    01/08/2019

  • Image

    ResenhaDream Theater - Falling Into Infinity (1997)

    04/01/2019

  • Image

    ResenhaAndy Summers - The Golden Wire (1989)

    10/10/2021

  • Image

    ResenhaBlack Sabbath - Headless Cross (1989)

    03/11/2018

  • Image

    ResenhaAce Frehley - Ace Frehley (1978)

    15/08/2018

  • Image

    ResenhaPremiata Forneria Marconi - Chocolate Kings (1975)

    25/03/2020

  • Image

    ResenhaRoy Buchanan - You're Not Alone (1978)

    13/06/2020

  • Image

    ArtigoGinger Baker: 80 anos descendo o braço!

    20/08/2019

  • Image

    ResenhaLevin, Minnemann, Rudess - Levin, Minnemann, Rudess (2013)

    07/04/2020

  • Image

    ResenhaAlfredo Dias Gomes - Metrópole (2021)

    15/05/2021

Visitar a página completa de Márcio Chagas



Sobre o álbum

The Royal Sessions

Álbum disponível na discografia de: Paul Rodgers

Ano: 2014

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 4,5 - 1 voto

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de The Royal Sessions



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.