Resenha

Ultraviolence

Álbum de Lana Del Rey

2014

CD/LP

Por: Roberto Rillo Bíscaro

Colaborador Especialista

30/03/2021



Bom, mas o primeiro é mais gostoso

Sou devoto de Lana Del Rey e nunca me importou a discussão se ela é fabricada, fantoche de executivo de gravadora, filha de rico brincando de ser diva. Amo a voz – manipulada ou não – e a mística meio anos 50 que a norte-americana explora.

Quando lançou seu segundo álbum, ainda havia quem a achasse manipulada. Manipuladora parece-me mais correto, porque a mudança na direção de Ultraviolence em relação a Born to Die é coisa de quem é dona do nariz. Se não, por que abandonar a fórmula mais acessível da estreia, com seus elementos popeantes de trip hop, hip hop ou sei lá o que, em favor de uma produção mais blues, jazz e até rock? Não que Ultraviolence seja hermético, longe disso, mas identifiquei bem menos trechos imediatamente assobiáveis e grudentos a primeira ouvida do que em Born.

A versão normal traz 11 faixas, mas a minha é a Special Edition, com 16. Lana segue cantando sobre relacionamentos com homens prejudiciais, sobre grana, poder, sexo, tristeza e diversos símbolos contraditórios/deteriorados do Sonho Americano, no mundo de Del Rey, asfixiado por álcool e desilusões e em Ultraviolence até mesmo por solos de guitarra, como em Shades of Cool, que assinala com maestria o deslocamento para uma orquestração suntuosa, ainda que mais esparsa do que costumava ser, por mais antitética que possa soar tal afirmação.

Canções com trechos grudentos começam a aparecer a partir da faixa 4, Brooklyn Baby. Em meio a tantas personagens sofredoras, as ótimas Money, Glory, Power e Fucked My Way to the Top trazem femme fatales lutando com as armas que a natureza lhes deram para vencer num mundo dominado por machos. Sem contar os refrões cantaroláveis, como os diversos contidos em Born. Não há vez que não ouça a lentaça linda Old Money que não emende os primeiros versos aos de A Time for Us, do Romeu e Julieta do Zefirelli lá do ocaso dos anos 1960.

Enfim, Lana Del Rey realizou um grande álbum, que provavelmente não convencerá os detratores, mas não é isso que a mim importa. O que conta é que continuarei a lembrar mais dos muitos trechos assobiáveis de Born to Die. Ultraviolence é bom, mas o álbum de estreia é mais gostoso.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Roberto Rillo Bíscaro

Nível: Colaborador Especialista

Membro desde: 11/09/2017

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaGlass Hammer - The Breaking Of The World (2015)

    13/11/2017

  • Image

    ResenhaFiction Factory - Throw The Warped Wheel Out (1984)

    22/10/2020

  • Image

    ResenhaRaphael Gimenes - A Tongue Full Of Suns (2021)

    12/05/2021

  • Image

    ResenhaRoberta Gentile - Bring It On (2021)

    05/04/2021

  • Image

    ResenhaFlora Martinez - Flora (2016)

    14/09/2020

  • Image

    ResenhaKali Uchis - Isolation (2018)

    14/08/2020

  • Image

    ResenhaDuran Duran - All You Need Is Now (2010)

    02/03/2019

  • Image

    ResenhaFlavio Tris - Sol Velho Lua Nova (2017)

    02/10/2020

  • Image

    ResenhaDanniel Goulart - Nomeidomato (2020)

    17/06/2021

  • Image

    ResenhaProfissão de Urubu - Profissão de Urubu (2015)

    06/11/2020

Visitar a página completa de Roberto Rillo Bíscaro



Sobre o álbum

Ultraviolence

Álbum disponível na discografia de: Lana Del Rey

Ano: 2014

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 3,75 - 2 votos

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Ultraviolence



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.