Resenha

Anabelas

Álbum de Bubu

1978

CD/LP

Por: Tiago Meneses

Colaborador Top Notch

20/03/2021



O maior clássico do rock progressivo argentino

Certa vez eu li que Anabelas da banda Bubu está para o progressivo argentino assim como Depois do Fim da Bacamarte está para o progressivo brasileiro. Eu não consegui entender bem em que sentido isso havia sido colocado. Pode ser por serem os discos de rock progressivo mais conhecidos fora dos seus determinados países. Mas se for em termos de qualidade, por mais que a obra dos nossos hermanos seja de uma qualidade altíssima, ainda acho que dos nossos compatriotas estão um pouco a frente – claro, isso não tira o fato de Anabelas também ser uma obra-prima.  

Bubu foi uma banda que oferecia em sua sonoridade algumas incursões de jazz-rock a la Frank Zappa – como uma discografia imensa, neste caso é bom enfatizar que falamos da era Grand Wazoo. Nota-se também algo de King Crimson com uma mistura ocasional de algo da cena de Canterbury, além de linhas clássicas sinfônicas encontradas no progressivo italiano. Com tudo isso que disse até aqui, fica claro que se trata de um disco em que o brilho fica nitidamente aparente logo na primeira audição, né? Mas não foi isso que ocorreu comigo, tendo eu demorado um pouco mais para abraçá-lo e senti-lo como deve ser cada uma das suas três faixas. 

“El Cortejo De Un Día Amarillo” com os seus quase vinte minutos é a faixa de abertura. É o tipo de suíte que pode levar um tempo para se acostumar, mas o resultado é compensador. Se trata de uma obra explicitamente caótica, com alguns metais dissonantes, trabalhos de guitarras nada melódicas - até violentas em alguns pontos – e incursões de flauta jazzísticas. Ela segue ferozmente por cerca de oito minutos, quando enfim se acalma e traz à tona um violino melancólico e simplesmente arrebatador. A música então entra em um clima vanguardista que em determinado ponto é possível notar uma influência no Magma. Após uma espécie de final falso, a música emerge através de uma flauta e um toque delicado de violão e linhas acentuadas de baixo, seguindo com uma leve crescente instrumental enquanto um coral e bateria também se juntam aos demais instrumentos. Por último, a guitarra de uma maneira alta e poderosa confirma que estamos em um dos momentos mais fervorosos da música. Antes do término - agora definitivo -, os temas de abertura ainda fazem uma reaparição.  

“El Viaje De Anabelas” tem uma abertura de atmosfera misteriosa e vanguardista. Após esta abertura, segue uma seção vocal de fundo principalmente acústico. A princípio eu até pensei em chamar de pastoral, mas possui uma aura tensa demais pra isso – incluindo uma pausa dramática de flauta, metais e violino. Uma faixa em que não existe exatamente algum virtuosismo individual – ainda que possua bastante técnica -, mas pura criatividade composicional.  

“Sueños De Maniquí” é a faixa que finaliza o disco, um jazz-rock frenético, excitante e dissonante - não se engane com o seu começo ameno. Suas harmonias feitas em alta velocidade nem sempre são fáceis de acompanhar. Mas em determinado ponto, enquanto o violino rouba a cena dentro de todo o frenesi, a banda nos surpreende com uma parada abrupta seguida por uma mudança de andamento junta a entrada de vocais. A faixa vai seguindo em seu seguimento de jazz-rock por um tempo, mas em seguida é aplacada por uma passagem perturbadora com corais de influências góticas.  

Anabelas é um disco de sonoridade bastante moderna, sendo bastante surpreendente pensar que foi lançado em 1978. Se trata daqueles discos em que pode interessar facilmente uma gama enorme de ouvintes, desde que estejam preparados a estar diante de algo desafiador. Um dos seus maiores trunfos é a forma como a música se apresenta sempre com um elemento surpresa, sendo quase impossível você imaginar o que estar por vir durante dos seus quase quarenta minutos. Sem dúvidas, o maior clássico do rock progressivo argentino.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Tiago Meneses

Nível: Colaborador Top Notch

Membro desde: 28/09/2017

"Sou poeta, contista e apaixonado por música desde os primórdios da minha vida, onde o rock progressivo sempre teve uma cadeira especial."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaChico Buarque - Construção (1971)

    03/10/2017

  • Image

    ResenhaJacula - Tardo Pede In Magiam Versus (1972)

    26/04/2020

  • Image

    ResenhaAphrodite's Child - 666 (1972)

    21/02/2020

  • Image

    ResenhaDream Theater - Octavarium (2005)

    30/10/2018

  • Image

    ResenhaTriumvirat - À La Carte (1978)

    17/06/2020

  • Image

    ResenhaMahavishnu Orchestra - Visions Of The Emerald Beyond (1975)

    08/10/2017

  • Image

    ResenhaAgalloch - Pale Folklore (1999)

    08/01/2021

  • Image

    ResenhaDire Straits - Dire Straits (1978)

    01/05/2018

  • Image

    ResenhaPeter Hammill - In Camera (1974)

    24/01/2018

  • Image

    ResenhaAnthony Phillips - Private Parts & Pieces V - Twelve (1984)

    19/01/2021

Visitar a página completa de Tiago Meneses



Sobre o álbum

Anabelas

Álbum disponível na discografia de: Bubu

Ano: 1978

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 3,75 - 2 votos

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Anabelas



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.