Resenha

Liquid Tension Experiment 2

Álbum de Liquid Tension Experiment

1999

CD/LP

Por: Tiago Meneses

Colaborador Especialista

17/03/2021



Metal Progressivo imaginativo, poderoso, criativo e inspirador

Liquid Tension Experiment 2 logo de cara mostra algo de qualidade questionável, a arte da capa. Por que estou começando essa resenha falando sobre isso? Pois provavelmente esse seja o único momento em que eu não estarei tecendo elogios e mais elogios sobre essa maravilha. Tudo está absolutamente deslumbrante, com contribuições excelentes e equilibradas de cada um dos músicos. Não existe em nenhum momento algum tipo de competição, pois eles sabem que são uma espécie de dream team e é assim que eles se comportam. Tudo está sempre percorrendo de forma magistral entre a fúria metálica mais frenética e momentos jazzísticos serenos.  

“Acid Rain” faz com o que o disco comece de forma bastante fervorosa – assim como eles fizeram no álbum anterior através de “Paradigm Shit”. Começa com um riff de guitarra que rapidamente ganha a companhia dos demais instrumentos. O excesso de técnica pode parecer apenas músicos tocando sem sentimento, mas é fácil notar também emoção e paixão. O trabalho de teclado é maravilhoso e a forma de composição apresenta uma textura clássica muito bem definida. A faixa entra em alguns modos diferentes, ficando até um pouco jazz por um tempo. Se fosse pra citar algum outro artista, diria que é possível notar alguma inclinação à Joe Satriani.  

"Biaxident" começa através de um bonito, suave e evocativo trabalho de piano, contrastante de forma nítida com a fúria da peça anterior. Conforme vai se desenvolvendo, também vai surgindo texturas mais orientadas para o rock, porém, em um estilo progressivo 70’s. Este seguimento pode ser comparado ao Genesis em sua era clássica ou Kansas. Esta faixa se trata de um trabalho maravilhosamente progressivo e que parece continuar crescendo o tempo todo através de uma musicalidade incrível dos quatro mestres. Em particular, posso dizer que o trabalho de teclado merece uma atenção especial. Outro momento interessante é a guitarra em determinado seguimento soando um pouco na veia de Al Di Meola. Algumas das texturas percussivas são um pouco incomuns e a faixa ganha algumas tendências Yesísticas. Outro seguimento que merece menção é um que inclui uma linha jazzística e acenos ao Emerson, Lake & Palmer.  

"914" é uma faixa bastante poderosa e imponente que consegue combinar muito bem um progressivo mais jazzístico - algo na linha de Yes era Relayer – com um rock mais pesado influenciado por Satriani e outros elementos. "Another Dimension" começa através de uma sonoridade muito atmosférica. Levin sempre muito criativo no seu trabalho de baixo vai empurrando a música para algo mais jazzy, além de muito enérgico e de fortes inclinações progressivas. A faixa possui alguns seguimentos simplesmente apaixonantes. Em seus quase dez minutos vale mencionar também alguns flashes metálicos cheio de fúria, além de um seguimento étnico - parecendo ser mais precisamente da música espanhola.  

"When the Water Breaks", a banda estava trabalhando precisamente nesta faixa quando a esposa do John Petrucci entrou em trabalho de parto, sendo assim, eles tiveram que terminá-la mais tarde. Este fato acabou se refletindo tanto no título da faixa, quanto na ideia de colocar um bebê chorando bem no início. Após o choro de bebê, a música vai surgindo delicadamente através do teclado. A progressão vai seguindo muito bem orientada através de algumas mudanças de tempo muito intrigantes. Mais à frente a faixa cai em intensidade e se estabelece em um seguimento mais baseado em piano, muito jazzístico e único. A seção rítmica é extremamente bem trabalhada durante todo o percurso. Alguns momentos de teclado são fáceis notar a influência que Wakeman tem sobre o Jordan, assim como também há como perceber algo de Jon Lord. A música termina com o Jordan reproduzindo no piano – de maneira muito veloz – uma música que parece trilha sonora de filme mudo. Inclusive ele usou esta curta passagem durante as execuções da Instrumedley do Dream Theater para ligar uma parte da música a outra.  

"Chewbacca" começa com alguns efeitos sonoros do tipo que poderíamos encontrar em alguma música do Pink Floyd. A música vai se inclinando para algo mais metálico lembrando talvez um pouco algo entre o Led Zeppelin e Nazareth. Então que tudo vai ganhando direções mais progressivas, mas sem deixar de se apoiar na linha metálica. Há um intervalo bem alargado na faixa que também é assustador, sendo baseado em alguns efeitos atmosféricos e instrumentação quase silenciosa. Aos poucos a música vai ganhando corpo definido novamente, desta vez baseada em uma bateria muito bem ritmada - um pouco funk. Esta faixa contém uma grande porção de elementos, estilos e mudanças.  

"Liquid Dreams" começa com alguns tons suaves e jazzísticos estabelecendo um excelente contraste com a faixa anterior. Tem na sua essência um clima calmo, mas sem deixar de ser intrincada e progressiva, além de orientada para uma linha jazzística que cria um belo clima. “Hourglass”, após tudo o que foi mostrado até aqui, é uma faixa não traz nada de impressionante – e nem precisaria – propriamente dito. Sendo uma belíssima balada com fortes elementos progressivos. “Hourglass” traz uma conclusão perfeita para um álbum sem erros.  

Mais complexo que o seu predecessor, LTE 2 é uma verdadeira aula – de um nível muito elevado – de música progressiva. Todas as faixas se encaixam muito bem, criando um disco de metal progressivo imaginativo, poderoso, criativo e inspirador – isso pra dizer apenas algumas qualidades. Indicado tanto para pessoas que buscam algo tecnicamente desafiador quanto para aqueles que procuram algo cativante ou simplesmente divertido.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Tiago Meneses

Nível: Colaborador Especialista

Membro desde: 28/09/2017

"Sou poeta, contista e apaixonado por música desde os primórdios da minha vida, onde o rock progressivo sempre teve uma cadeira especial."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaDeath - Symbolic (1995)

    14/01/2018

  • Image

    ResenhaYes - Fragile (1971)

    02/10/2017

  • Image

    ResenhaSinkadus - Cirkus (1999)

    06/12/2017

  • Image

    ResenhaTraffic - Mr. Fantasy (1967)

    29/03/2018

  • Image

    ResenhaCollegium Musicum - Konvergencie (1971)

    04/07/2018

  • Image

    ResenhaSyd Barrett - The Madcap Laughs (1970)

    13/11/2019

  • Image

    ResenhaCaptain Beefheart - Trout Mask Replica (1969)

    04/06/2020

  • Image

    ResenhaSteve Hackett - Voyage Of The Acolyte (1975)

    28/09/2017

  • Image

    ResenhaSteve Hackett - A Midsummer Night's Dream (1997)

    18/04/2020

  • Image

    ResenhaPink Floyd - The Division Bell (1994)

    07/11/2019

Visitar a página completa de Tiago Meneses



Sobre o álbum

Liquid Tension Experiment 2

Álbum disponível na discografia de: Liquid Tension Experiment

Ano: 1999

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 5 - 1 voto

Avalie

você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Liquid Tension Experiment 2



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.