Resenha

Somewhere Else

Álbum de Marillion

2007

CD/LP

Por: Expedito Santana

Colaborador

27/02/2021



Apostando em caminhos conhecidos!

Quando o assunto envolve a banda Marillion geralmente a discussão ganha proporções gigantescas. Não raro, até trabalhos considerados pela crítica como obras primas, a exemplo de Brave, são muitas vezes detonados pelos fãs. Estardalhaço este comumente baseado naquele velho hábito de exigir que a banda continue fiel às suas origens a qualquer custo. "Somewhere Else” foi lançado em 2007 pela Intact e teve como produtor Michael Hunter. É o décimo-quarto álbum de estúdio da banda, havendo sucedido o excelente “Marbles” (2004), daí o seu primeiro grande problema. Não que se queira cobrar a repetição de um protótipo Marbles, não é bem isso que está em questão, até porque seria contradizer um pouco o que foi afirmado no início deste parágrafo. O deslize cometido nesse disco foi, possivelmente, o fato de não ter escolhido o melhor caminho conhecido. 

Aqui o grupo insiste, infelizmente, no direcionamento musical visto em discos como "Radiation" e "Marillion.com". Como seria bom que eles trouxessem mais coisas de "Marbles" para esse registro!! “Somewhere Else" na verdade apresenta o “mais do mesmo”, aquela receita básica que vem permeando a maioria dos álbuns lançados pela banda, ou seja, um pop rock de apelo comercial e nitidamente distante do progressivo, das suítes elaboradas e temas conceituais. Nesse disco a banda parece jogar uma pá de cal sobre o prog rock de "Marbles", deixando claro que este representou o fechamento de um ciclo, preferindo apostar em canções mais curtas e usando a textura prog apenas incidentalmente e, diga-se, com muita parcimônia. Apesar disso, esse disco conseguiu atingir o Top 30 da venda de álbuns no Reino Unido (24ª posição), fato que não acontecia desde “This Strange Engine”, de 1997. Já no tocante à aceitação dos fãs ele teve avaliação abaixo de “Marbles”.   

Cabe à arrastada "The Other Half" abrir o álbum, a guitarra estelar e o vocal de Hoghart em namoro sério com uma veia pop passam a impressão de que temos uma bolacha do U2 na agulha. O destaque fica para o solo de Steve Rothery, precedido por um ótimo piano e uma linha de baixo charmosa de Trewavas, diga-se de passagem. Mas no frigir dos ovos está longe ser uma faixa excepcional. O single "See it Like a Baby" carrega um clima misterioso e batida compassada, confesso que remete um pouco a canções de "Brave". No entanto, assim como a primeira, parece beber sem pudor na fonte de Bono Vox e cia, mormente nas seções acústicas e nos vocais de Roghart quanto entoa o refrão. Rothery, como de costume, agrega muito com seu solo e trabalhos de guitarra. As coisas então se acalmam nos acordes suaves da balada "Thank You Whoever You Are", aquele refrão choroso e melodioso de sempre. Canção padrão Marillion de qualidade, ótima para ouvir à noite tomando um bom vinho e contemplando uma bela paisagem. Dessa vez o solo de Rothery não brilha sozinho, já que os teclados de Mark Kelly dão uma boa levantada. 

O disco então volta para uma rotação mais alta no rock up tempo de "Most Toys". Não, você não está ouvindo "Radiation" e nem "Marillion.com", embora a impressão seja esta. A faixa-título é uma irmã lacônica de "Ocean Cloud" de "Marbles", aqui eu fico em casa, adoro os caras quando fazem esse tipo de música, guitarra seguindo um corredor floydiano viajante e algumas passagens mais audaciosas, incluindo nesta última categoria o solo impactante de Rothery. Composição singela e que ajuda a matar a saudade do melhor Marillion. Ponto para a turma de Hoghart. O piano de "A Voice from the Past" inaugura aquele clima intimista que a banda sabe criar de maneira tão original, as propriedades sedativas dessa música são latentes, cabendo aos vocais melancólicos de Hogarth terminar o trabalho de enternecimento da alma. Mais uma bola dentro! 

"No Such Thing" dá prosseguimento à sessão ambiente, desta vez com os vocais de Hoghart sendo despejados em efeitos e não sendo sobrepostos ao instrumental. Rothery passeia numa galáxia distante e nos acorda eventualmente com notas mais vigorosas de sua guitarra. As janelas então parecem sentir o vento forte de "The Wound", rock mais dinâmico impulsionado sobretudo pela bateria mais incisiva de Mosley e a guitarra faiscante de Rothery. A fórmula aqui, porém, que não é novidade alguma para quem conhece a banda, que volta a fazer o uso eficiente de sons de background para tecer climas, apoiando-se também nos ofícios percussivos. 

Caminhando para o trecho final do disco ainda iremos encontrar "The Last Century of Man", mais uma balada tranquilizante e psicodélica-imersiva, com Hogarth empostando seu conhecido timbre aveludado e melódico e Rothery criando linhas melódicas e efeitos interessantes com sua guitarra. E o adeus fica por conta de "Faith", novamente uma balada acústica para engrossar a fila, na qual o músico convidado Sam Morris toca trompa francesa.  

Que "Somewhere Else” está longe de integrar a estante de obras primas da banda é fato que não depende de muito esforço auditivo. Entretanto, consegue ganhar pontos justamente por não tentar soar pretencioso e ao mesmo tempo apresentar um punhado de boas melodias, bastantes reflexivas e climáticas, ainda que deixando um pouco de lado o som progressivo. Costumo dizer que esse álbum não é muito indicado para quem não conhece a fundo a discografia da banda, mas, com certeza, vai deleitar um bocado o fã de Marillion que já se acostumou a sonhar acordado ouvindo as canções desse extraordinário grupo.    

Songs / Tracks Listing
1. The Other Half (4:24)
2. See It Like A Baby (4:29)
3. Thank You, Whoever You Are (4:42)
4. Most Toys (2:44)
5. Somewhere Else (7:46)
6. Voice From The Past (6:12)
7. No Such Thing (3:58)
8. The Wound (7:11)
9. The Last Century For Man (5:26)
10. Faith (4:09)
Total Time: 52:00


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Expedito Santana

Nível: Colaborador

Membro desde: 27/07/2020

"Sou um fã de música inveterado, principalmente de rock and roll, daqueles que podem ficar dias e dias imerso em discografias sem se preocupar com o mundo lá fora. Meu gosto é bastante eclético dentro do gênero rock, curto progressivo, hard, metal, alternativo etc."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaAirbag - Identity (2009)

    11/09/2020

  • Image

    ArtigoOs 20 discos que mais apreciei em 2020 (my best) - Parte 1

    31/12/2020

  • Image

    ResenhaRaul Seixas - Raul Seixas e Marcelo Nova: A Panela Do Diabo (1989)

    22/01/2021

  • Image

    ResenhaAlice In Chains - Black Gives Way To Blue (2009)

    06/04/2021

  • Image

    ResenhaTalisman - Talisman (1989)

    31/03/2021

  • Image

    ResenhaTim Buckley - Blue Afternoon (1969)

    17/03/2021

  • Image

    ResenhaDepeche Mode - Black Celebration (1985)

    11/09/2020

  • Image

    ResenhaSylvan - One To Zero (2021)

    17/08/2021

  • Image

    ResenhaGrateful Dead - Live Dead (1969)

    09/10/2020

  • Image

    ResenhaAirbag - A Day At The Beach (2020)

    26/03/2021

Visitar a página completa de Expedito Santana



Sobre o álbum

Somewhere Else

Álbum disponível na discografia de: Marillion

Ano: 2007

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 3,75 - 4 votos

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Somewhere Else



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.