Resenha

Selvática

Álbum de Karina Buhr

2016

CD/LP

Por: Roberto Rillo Bíscaro

Colaborador Top Notch

29/01/2021



Inquieto e contestador

Karina Buhr é inquieta baiana que já trabalhou com artistas tão díspares quanto Marina Lima, Antônio Nóbrega, Mundo Live S/A e bandas de pífanos. Ecletismo musical soma-se à variação no cardápio expressivo: ela já atuou no Teatro Oficina, de José Celso Martinez Correa, aquele mesmo que encenou O Rei da Vela pela primeira vez, em 1967. Além disso, também escreve e desenha.

Lançando álbuns desde 2010, seu terceiro polemizou antes mesmo de chegar ao mercado, porque a capa de Selvática traz a moça de tetas de fora. Numa conjuntura em que isso é arrojo, Buhr recusa-se a seguir caminho de cantora de MPB tradicional e seu álbum traz convidados do rock como o guitarrista Edgar Scandurra, do oitentista Ira! e Cannibal, do Devotos do Ódio. 

Recusando o papel de recatada e do lar, Selvática traz letras contestadoras da submissão feminina ao macho e à família, mais explicitamente na faixa-título, que fecha o álbum com declamações de Denise Assunção e Elke Maravilha, sobre base de guerrilha noise pop, subgênero que também informa Conta Gotas. Buhr cospe no papel de princesa por sobre guitarras psicodélicas em Eu Sou Um Monstro e desmascara a chatice da idealizada família, propriedade e tradição, em Pic Nic, que não soaria deslocada no repertório da inglesa alternativa oitentista cyberpunk Anne Clark.

Esôfago tem clima psych rock e Cerca do Prédio é punk music denunciando a especulação imobiliária na metrópole. No lugar do Destroy, de Johnny Rotten, o “chega de prédio”, de Cannibal. Dragão flerta com reggae, ritmo sobre o qual Karina cai de boca em Alcunha de Ladrão. Vela e Navalha tem guitarra-pernilongo bluesy e para quem acha que álbum nacional tem que fazer referência à prata da casa, Rimã tem clima nordestino. Mas, está abstraído na percussão, que junto com guitarras oniricamente etéreas e intervenção de trompete à Belle and Sebastian, popifica o Nordeste. Grande sacada.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Roberto Rillo Bíscaro

Nível: Colaborador Top Notch

Membro desde: 11/09/2017

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaUnifaun - Unifaun (2008)

    05/03/2021

  • Image

    ResenhaUnreal City - Frammenti Notturni (2017)

    04/11/2020

  • Image

    ResenhaJill Scott - Woman (2015)

    08/04/2021

  • Image

    ResenhaDuran Duran - Paper Gods (2015)

    16/09/2017

  • Image

    ResenhaAndré Mussalem - Distopia - O Álbum (2021)

    11/09/2021

  • Image

    ResenhaSt. Paul & The Broken Bones - Young Sick Camellia (2018)

    18/01/2021

  • Image

    ResenhaLisa LeBlanc - Chiac Disco (2022)

    24/06/2022

  • Image

    ResenhaSouthern Avenue - Keep On (2019)

    09/02/2021

  • Image

    ResenhaHalf Waif - The Caretaker (2020)

    06/12/2020

  • Image

    ResenhaSergio Pererê - Coração de Marujo (2020)

    05/06/2021

Visitar a página completa de Roberto Rillo Bíscaro



Sobre o álbum

Selvática

Álbum disponível na discografia de: Karina Buhr

Ano: 2016

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 3 - 1 voto

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Selvática



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.