Resenha

Brothers In Arms

Álbum de Dire Straits

1985

CD/LP

Por: José Esteves

Colaborador Especial

18/01/2021



Apesar de totalmente sem foco, um excelente álbum

Depois de um hiato onde Mark Knopfler decide fazer mais trabalhos solos (basicamente a trilha sonora de alguns filmes, que também foram lançados como álbuns) e produção (um álbum do Bob Dylan, por exemplo), a banda volta para o estúdio para a gravação do quinto álbum. Esse disco, em particular, viria a ser o primeiro disco de sucesso gravado digitalmente, ao contrário da norma analógica da época, e é, até hoje, o maior sucesso da banda, quebrando recordes de tempo como álbum em primeiro lugar nas tabelas, sem contar o disco de platina; muita gente considera este o melhor álbum de todos os tempos.

Esse álbum é considerado, por muitos, o equivalente do Led Zeppelin IV na década de 70, pela qualidade e impacto que teve na época. Infelizmente, ele cai nas exatas mesmas armadilhas do Led Zeppelin IV, com grandes hit e uma tendência a fillers no meio, criando uma experiência claramente desigual. Porém, uma coisa que difere bastante é o som: enquanto Led Zeppelin é claramente uma experiência concisa de hard rock, o Brothers in Arms acaba atirando para todo lado, variando radicalmente de estilo de música, usando elementos de seja lá o que for para complementar o soft rock que a banda demonstra ter qualidade sobre. Individualmente, o vocal do Mark Knopfler se encaixa bem na maior parte das músicas, assim como sua guitarra (que é claramente subutilizada no álbum) e a bateria mais jazz de Omar Hakim é bem eficiente, dando uma roupagem diferente à banda.

Por variar completamente de faixa a faixa, é complicado alegar um som geral ao álbum como era para ser, criando essa aparência de “Greatest Hits” mais do que um álbum de verdade. Por mais que as faixas do álbum sejam muito boas, e são, elas não tem nenhum tipo de conceito, coesão ou estilo que fazem elas parecerem remotamente do mesmo álbum. Existe rock com country (“Walk of Life” e “The Man’s Too Strong”, essa última sendo a mais fraca do álbum), tem baladas lentas e calmantes que funcionam extraordinariamente bem (“Why Worry?” é espetacular, e coloca qualquer um pra dormir), tem pop rock (“One World” é o Sledgehammer do Knopfler, e “So Far Away” é uma boa introdução), e tem new wave que cimenta o disco fortemente na década de 80 (“Ride Across the River” tem um clima ambiente muito clássico da época). Na área mais rock convencional, tem duas que chamam mais atenção: a hard rock “Money for Nothing”, com um excelente começo de bateria e um ótimo riff de guitarra, e “Brothers in Arms”, um rock melancólico com a melhor guitarra do álbum.

A melhor faixa do álbum é “Your Latest Tricks”, cimentando o clima variado de cada faixa. É uma balada de teclado com saxofone clássica das rádio inofensivas, mas tudo que tem nela existe para criar um clima que beira a perfeição. O vocal do Knopfler encaixa bem, o Rhodes do Alan Clark dá uma textura interessante por baixo das músicas e o saxofone de Michael Brecker é excelente. No álbum todo, tem uma tendência a super produção, o que combina com o avanço tecnológico e a época, mas essa faixa parece achar uma finalidade para todas as camadas para fazer uma faixa leve, melancólica e, ao mesmo tempo, divertida o suficiente para tocar nos casamentos mais bregas do mundo.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre José Esteves

Nível: Colaborador Especial

Membro desde: 26/08/2020

"Eu gosto muito de rock clássico e tenho um blog de resenhas minhas em disconomicon.wordpress.com. Minhas bandas preferidas são Deep Purple, Queen, Beatles e Pink Floyd e tento também ouvir o que está mudando o cenário nos dias de hoje."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaCreedence Clearwater Revival - Bayou Country (1969)

    03/12/2020

  • Image

    ResenhaDire Straits - Dire Straits (1978)

    30/10/2020

  • Image

    ResenhaDeep Purple - The Book Of Taliesyn (1968)

    22/09/2020

  • Image

    ResenhaDeep Purple - Stormbringer (1974)

    14/01/2021

  • Image

    ResenhaYes - Yes (1969)

    25/09/2020

  • Image

    ResenhaQueen - Sheer Heart Attack (1974)

    09/11/2020

  • Image

    ResenhaBlack Sabbath - Heaven And Hell (1980)

    27/11/2020

  • Image

    ResenhaThe Beatles - Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band (1967)

    23/02/2021

  • Image

    ResenhaCreedence Clearwater Revival - Pendulum (1970)

    15/12/2020

  • Image

    ResenhaKing Crimson - Red (1974)

    03/11/2020

Visitar a página completa de José Esteves



Sobre o álbum

Brothers In Arms

Álbum disponível na discografia de: Dire Straits

Ano: 1985

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 4,56 - 8 votos

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Veja mais opiniões sobre Brothers In Arms:

  • 21
    jan, 2021

    Elevando a carreira de forma destoada

    User Photo Fábio Arthur
  • 10
    out, 2020

    Há 35 anos o Dire Straits ganhava o mundo!

    User Photo Maik Antunes
  • 06
    jul, 2018

    O trabalho que consagrou o Dire Straits

    User Photo Marcel Dio

Visitar a página completa de Brothers In Arms



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.