Resenha

The Darkened Room

Álbum de IZZ

2009

CD/LP

Por: Tiago Meneses

Colaborador Especialista

18/01/2021



Um álbum completo de músicas complexas e interessantes

Não há a menor dúvida que os estadunidenses da IZZ são um dos grandes nomes da atual cena do rock progressivo mundial e que o ajuda a se manter mais vivo do que nunca. Sempre procurando fazer um rock progressivo cativante e poderoso, além de emocionante, envolvente e especialmente original. Claro que é possível notar, por exemplo, influências de Yes e Genesis nas suas músicas, mas estes elementos são maravilhosamente combinados com suas próprias ideias em muitas vezes reviravoltas musicais surpreendentes. The Darkened Room é o quinto álbum de estúdio da banda e que pode agradar tanto os amantes de rock progressivo mais clássico quanto aqueles mais ligados no que foi feito a partir do surgimento do neo progressivo. 

“Swallow Our Pride” é a peça de abertura do disco. A música vai emergindo em um território eletrônico barulhento, mas ainda assim suave. Os vocais então chegam e pouco depois a banda soa como um clássico rock progressivo moderno e temperamental. A faixa passa por momentos de metal, progressivo moderno e também de influência clássica antes de cair para um som ambiente liderado por um solo de teclado bastante viajante, até retornar para o tema central antes de se encaminhar para o fim. 

“Day Of Innocence” começa através de um violão que conforta e logo tem como companhia linhas de baixo sólidas. O Vocal e alguns elementos fazem parecer que vai haver uma explosão sonora, mas em vez disso, o clima acústico retorna, porém, pouco depois a faixa enfim chega a um território meio hard rock. Tirando o momento não lírico dos vocais, se trata de uma faixa essencialmente instrumental. 

“Regret” começa de maneira bastante suave e bonita. Segue em uma batida simples, sendo uma faixa que possui a qualidade de uma balada por vários motivos, mas a banda também consegue agitar e incorporar uma série de camadas variadas por cima do seu som. Possui um solo de baixo claramente influenciado por Chris Squire. “Can't Feel The Earth - Part I” novamente tem um início suave, mas que depois se transforma em uma jam progressiva simplesmente matadora e influenciada muito pelos trabalhos da formação clássica do Genesis, ganhando depois uma nova direção agora para algo mais ligado ao fusion – se eu não tiver exagerando. A banda ainda segue mais algumas novas direções, pois parecem estarem tocando completamente livres neste momento. Então que a banda enfim mostra algo com mais clareza e nos leva para um território progressivo tradicional, deixando a faixa mais melódica a partir daí e tornando a peça mais poderosa à medida que ela vai avançando. Uma faixa muito complexa e que termina deixando um gancho para a faixa seguinte. 

“Ticking Away” começa em um ritmo mais rápido e muito cativante. Parece um pouco Genesis, mas também é possível notar um pouco de Yes, mas obviamente, sem perder a sua identidade musical.”Can't Feel The Earth - Part II”, sendo a segunda parte da trilogia, com mais de dez minutos é a faixa mais longa do disco. Já começa em um território progressivo com um trabalho de guitarra frenético, além de linhas de baixo acentuadas, teclados sinfônicos e uma bateria discreta, porém forte. Antes dos primeiros vocais – que são femininos – algumas linhas de baixo parecem esperá-los. Na música também há espaço para uma série de seções e sons variados, dando a faixa um elemento épico. Inclusive, são tantas mudanças que não saberia exatamente como incluir todas aqui. O que acaba sendo interessante, pois se você não estiver gostando do que está ouvindo – o que eu acho muito difícil -, não será necessário esperar muito para que tudo mude. 

“Stumbling” é mais um típico rock progressivo matador. Uma mistura soberba de muitos elementos do progressivo moderno com outros da era clássica. Possui uma carga dramática e mudanças de andamento suficientes para agradar qualquer fã mais purista do gênero. “The Message” possui um baixo forte e linhas de piano delicadas que criam uma base muito suave para os vocais e algumas interrupções de guitarra solo. Não é uma faixa ruim, mas é o momento de menos brilho do álbum. 

“23 Minutes Of Tragedy” é mais uma faixa que considero um dos destaques do disco. Começa com uma guitarra suave e uns vocais macios. Mas sobre esta ideia inicial a faixa vai adicionando cada vez mais complementos em seu segmento, até chegar a um momento que tudo se torna bastante intenso e poderoso. Possui um solo de guitarra que rasga a música enquanto o restante dos músicos cria uma ambientação meio Pink Floyd. Não é apenas uma das melhores faixas, mas talvez o momento mais emocionante do álbum. “Can't Feel The Earth, Part III” é a terceira parte da trilogia e que também encerra o disco. É uma faixa muito contemplativa que tem o início liderado por algumas bonitas notas de guitarra, sendo logo em seguida levada para uma linha instrumental que é a cara da banda. Ela possui algumas ostentações de vocais duplos, linhas de baixo intrigante e guitarra com peso na medida certa, além de um teclado que possui uma magia fina – tudo tipicamente nos moldes da banda. Um encerramento de disco matador. 

The Darkened Room é um disco realmente impressionante. Apresenta uma grande variedade de sons, mas sempre muito bem orientados, fazendo com que a banda passeie desde alguns momentos pop à linha progressivas clássicas sem que em hora algum soe de forma incoerente. No fim é oferecido ao ouvinte um álbum completo de músicas complexas e interessantes.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Tiago Meneses

Nível: Colaborador Especialista

Membro desde: 28/09/2017

"Sou poeta, contista e apaixonado por música desde os primórdios da minha vida, onde o rock progressivo sempre teve uma cadeira especial."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaRick Wakeman - The Red Planet (2020)

    18/03/2021

  • Image

    ResenhaDavid Bowie - The Rise And Fall Of Ziggy Stardust And The Spiders From Mars (1972)

    06/03/2020

  • Image

    ResenhaBjörk - Vespertine (2001)

    19/04/2021

  • Image

    ResenhaMoving Gelatine Plates - Moving Gelatine Plates (1971)

    18/06/2021

  • Image

    ResenhaSylvan - One To Zero (2021)

    13/09/2021

  • Image

    ResenhaRenaissance - Ashes Are Burning (1973)

    21/10/2019

  • Image

    ResenhaJan Dukes De Grey - Mice And Rats In The Loft (1971)

    26/10/2017

  • Image

    ResenhaAnthony Phillips - Private Parts & Pieces V - Twelve (1984)

    19/01/2021

  • Image

    ResenhaIQ - Subterranea (1997)

    29/02/2020

  • Image

    ResenhaSoul Enema - Of Clans And Clones And Clowns (2017)

    08/10/2017

Visitar a página completa de Tiago Meneses



Sobre o álbum

The Darkened Room

Álbum disponível na discografia de: IZZ

Ano: 2009

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 4,5 - 1 voto

Avalie

você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de The Darkened Room



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.