Resenha

Queen II

Álbum de Queen

1974

CD/LP

Por: José Esteves

Colaborador Especial

05/11/2020



Ainda sem formato, mas super psicodélico e progressivo

Muito do trabalho do segundo álbum foi produzido enquanto trabalhavam no primeiro, escolhendo deixar um pouco para depois dado a complexidade dos arranjos, esperando mais liberdade na gravadora. Com o som mais pesado e criações mais variadas, o álbum é considerado “o álbum mais pesado do Queen”, apesar da crítica da época ter sido negativa a morna, negando uma certificação nos Estados Unidos.

O elemento de “jogar tudo no liquidificador e ver o que fica bom” do primeiro álbum permanece, mas dessa vez, com mais liberdade, as coisas penderam mais para o lado do psicodelismo fantástico que não pareceriam esquisito nas vozes de lendas do fantástico como Dio, mas que ficam super estranhas com a voz do Freddie Mercury. Todos eles tocam bem e tem um momento de brilhar, esse não é um problema: o Queen não sabia escrever uma música que agradasse. Depois do problema com “Keep Yourself Alive” ter fracassado como single na opinião deles por ter “demorado demais a entrar”, a banda ficou dividida em peças operísticas e singles para atrair o mercado popular e acaba não conquistando ninguém.

Uma pena, porque as composições mais fantásticas são excelentes: “The March of the Black Queen” abusa do progressivo, com passagens de guitarra e piano excelentes; “Ogre Battle” mostra vários das harmonias vocais agudas que o Queen ficaria famoso por fazer, além de um excelente solo de guitarra; e, é claro, a faixa que fecha o álbum, a versão completa de “Seven Seas of Rhye” tem um vocal excelente e um piano melhor ainda. Do outro lado, as mais mundanas são bem fracas e não convencem: “The Loser in the End”, a música do Roger Taylor do álbum, deveria ter sido votado para fora, porque um hard rock desses não se encaixa de jeito nenhum no álbum; e “Funny How Love Is” é tão mal produzida que é difícil achar algo de bom nela.

A melhor faixa do álbum é “The Fairy Feller’s Master-Stroke”, um psicodelismo artístico com momentos de inspiração genuínos para todos os instrumentos. Claramente é um modelo para a “Brighton Rock” do próximo álbum, com a bateria variando bastante, a guitarra dando um show e o vocal do Freddie Mercury mudando de registro quando quer só para impressionar. Somado à tudo isso, o caos que a música apresenta se desenvolve para um piano que termina na faixa seguinte, “Nevermore” e completa a experiência completa: tudo que era caótico acha a ordem nesse belíssimo outro e a música se fecha. Deveriam ter fechado o disco com essa dupla.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre José Esteves

Nível: Colaborador Especial

Membro desde: 26/08/2020

"Eu gosto muito de rock clássico e tenho um blog de resenhas minhas em disconomicon.wordpress.com. Minhas bandas preferidas são Deep Purple, Queen, Beatles e Pink Floyd e tento também ouvir o que está mudando o cenário nos dias de hoje."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaJeff Scott Soto - Wide Awake (In My Dreamland) (2020)

    18/01/2021

  • Image

    ResenhaElf - Elf (1972)

    26/08/2020

  • Image

    ResenhaIron Butterfly - Ball (1969)

    03/09/2020

  • Image

    ResenhaOzzy Osbourne - Ordinary Man (2020)

    02/11/2020

  • Image

    ResenhaBig Brother & The Holding Company - Big Brother & The Holding Company (1967)

    26/10/2020

  • Image

    ResenhaBlack Sabbath - Master Of Reality (1971)

    12/11/2020

  • Image

    ResenhaPink Floyd - A Saucerful Of Secrets (1968)

    17/09/2020

  • Image

    ResenhaDio - Holy Diver (1983)

    01/12/2020

  • Image

    ResenhaTransatlantic - The Absolute Universe: Forevermore (2021)

    11/02/2021

  • Image

    ResenhaCreedence Clearwater Revival - Bayou Country (1969)

    03/12/2020

Visitar a página completa de José Esteves



Sobre o álbum

Queen II

Álbum disponível na discografia de: Queen

Ano: 1974

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 4,33 - 12 votos

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Veja mais opiniões sobre Queen II:

  • 08
    mar, 2021

    Império: A perfeição musical

    User Photo Fábio Arthur
  • 17
    mai, 2018

    Queen II mostra toda a excelência musical de Vossa Majestade

    User Photo Tiago Meneses

Visitar a página completa de Queen II



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.