Resenha

Destined Solitaire

Álbum de Beardfish

2009

CD/LP

Por: Tiago Meneses

Colaborador Top Notch

30/10/2020



Música criativa, imprevisível, composições fortes e performances excelentes

Destined Solitaire é o quinto álbum da Beardfish e todas as suas marcas registradas podem ser encontradas aqui. Os trabalhos instrumentais peculiares soam como se a banda estivesse vindo dos anos setenta, isso em parte devido a sua produção sempre orgânica. O hammond novamente aparece de maneira forte enquanto que a bateria, guitarra e baixo soam bastante naturais. Assim como os seus toques sinfônicos, outra coisa que é extremamente prevalente na música de Destined Solitaire são as influências em Frank Zappa, principalmente quando se trata do fraseado de algumas linhas vocais. Ainda há aquela peculiaridade no seu som que faz com que a banda soe como...bom, como ela própria. Em resumo, a banda mostra novamente um enorme ecletismo, mas sem deixar de soar quase sempre coesa. 

“Awaken the Sleeping” é uma ótima faixa instrumental e que faz a abertura do disco. Creio que o seu nome é um aceno aos seus dois álbuns anteriores - Sleeping in Traffic - Part One e Part Two. Logo na primeira faixa já nota-se uma sensação típica da banda com um grande domínio de teclado e ótimas linhas de guitarra. As linhas melódicas são excelentes.

“Destined Solitaire” traz algo curioso, que é uma melodia vocal um tanto fraca, digo curioso, pois o talentosíssimo Rikard Sjöblom sempre mostrou uma grande habilidade em criar melodias vocais memoráveis, mesmo que por cima de uma música estranha e complexa. A faixa também possui uma seção de vocal gutural que não convence muito – mas ainda bem que é a única vez que isso acontece no álbum – e acaba parecendo meio fora do lugar. Instrumentalmente a faixa é até muito boa, mas mesmo assim, é a mais “fraca” entre qualquer uma das músicas épicas da banda. 

“Until You Comply (Including Entropy)” é um épico de mais de quinze minutos e a faixa mais longa do disco. São quinze minutos de um brilho musical absoluto. O seu início é com um lindo tema curto bem no estilo Zappa – e que retorna em alguns outros momentos da música só que em diferentes formas. No seu núcleo existe uma longa pausa que serve como um ótimo terreno para solos de guitarra e teclado. Também vale ressaltar que os diferentes versos e partes semelhantes ao refrão se encaixam muito bem. O final é através de um piano muito bonito e o vocal de algumas partes anteriores. Simplesmente encantador. 

“In Real Life There Is No Algebra” é um som bem mais direto do que os encontrados nas faixas anteriores. As linhas de guitarra e teclado formam uma dupla com bastante groove. Novamente os vocais de Rikard são excepcionais. 

“Where the Rain Comes In” é uma das melhores e é certamente um dos corações do álbum. Começa com um tema de órgão em uma velocidade acelerada, porém, há uma quebra depois de alguns minutos e que deixa o clima muito mais calmo e que lentamente aumenta para uma parte mais alta com uma melodia vocal com influência oriental. Esta é aquele tipo de música extremamente bem estruturada. Outra influência que pode ser facilmente encontrada aqui é a de jazz-rock. Além de partes mais pesadas de órgão e que mostram uma reminiscência o som do Gentle Giant. 

“At Home... Watching Movies” com pouco menos de dois minutos é a canção mais curta do álbum. Violões folk e percussão em um clima bastante onírico. As poucas linhas de letra parecem descrever um sonho sobre o filme “O Iluminado”. Um belo interlúdio, mas nada de especial. 

“Coup de Grâce” é mais uma faixa instrumental, mas desta vez o tema tem o foco no acordeão de Rikard. O tema é excelente e faz com que eu me lembre da trilha de algum filme – mas não consigo dizer qual. Possui uma adição de peças de hammond que faz com que a faixa ganhe uma aura bastante divertida. Só acho que poderia ser um pouco menor, tenho a impressão de que ela se prolonga demais. 

“Abigail's Questions (In an Infinite Universe)” é uma música que possui dois lados e certamente a de mais difícil audição do álbum. Começa muito bem com uma instrumentação tranquila e boas melodias vocais. O refrão desta música é muito bom e super cativante. A música em determinado ponto muda drasticamente e uma série de segmentos musicais curtos se segue, porém – e infelizmente -, eles não parecem combinar muito bem. A influência de Zappa mencionada em outro momento do álbum é novamente muito aparente aqui, mais precisamente em “Inca Roads”, toda a construção no meio da música parece ser literalmente uma ode à obra de Zappa, mas sem o mesmo brilho – apesar de ser bom. Como eu disse, é uma faixa de dois lados e o segundo lado é o melhor deles. Grandes solos de teclado em torno de algumas palavras faladas. Os dois últimos minutos são basicamente de uma jam muito bem organizada. Apesar de parecer meio forçada às vezes, não tem como negar que nela também possui muitas coisas legais acontecendo para entreter o ouvinte. 

“The Stuff That Dreams Are Made Of” é a faixa que encerra o disco. No início possui uma instrumentação repetitiva e um vocal agressivo, algo não encontrado em nenhum outro lugar do álbum – exceto pelo memento de gutural isolado já citado. A princípio ela não havia me agradou muito, mas depois é nítido que estamos diante de um trabalho que contem todos os ingredientes de uma música progressiva e executada do melhor estilo Beardfish, com bons usos de órgão, piano, guitarra e uma cozinha sólida de baixo e bateria. Rikard mais uma vez cria ótimas melodias vocais. 

Talvez não seja um disco que vá lhe prender em sua primeira audição, mas certamente vale a pena ouvir mais algumas vezes e se sentir cada vez mais envolvido por um álbum que tem uma música criativa, imprevisível, composições fortes e performances excelentes.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Tiago Meneses

Nível: Colaborador Top Notch

Membro desde: 28/09/2017

"Sou poeta, contista e apaixonado por música desde os primórdios da minha vida, onde o rock progressivo sempre teve uma cadeira especial."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaBetween The Buried And Me - The Great Misdirect (2009)

    18/05/2022

  • Image

    ResenhaDream Theater - Six Degrees Of Inner Turbulence (2001)

    03/10/2017

  • Image

    ResenhaNeal Morse - Momentum (2012)

    19/01/2019

  • Image

    ResenhaThe Crazy World of Arthur Brown - The Crazy World Of Arthur Brown (1968)

    17/04/2018

  • Image

    ResenhaAnthony Phillips - Private Parts & Pieces V - Twelve (1984)

    19/01/2021

  • Image

    ResenhaThe Tea Club - If/When (2019)

    14/01/2021

  • Image

    ResenhaVan Der Graaf Generator - The Aerosol Grey Machine (1969)

    21/04/2020

  • Image

    ResenhaMike Oldfield - Incantations (1978)

    22/04/2021

  • Image

    ResenhaAnglagard - Epilog (1994)

    25/03/2019

  • Image

    ResenhaRenaissance - Ashes Are Burning (1973)

    21/10/2019

Visitar a página completa de Tiago Meneses



Sobre o álbum

Destined Solitaire

Álbum disponível na discografia de: Beardfish

Ano: 2009

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 4 - 2 votos

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Destined Solitaire



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.