Resenha

Nevermind

Álbum de Nirvana

1991

CD/LP

Por: José Esteves

Colaborador Especial

08/09/2020



A revolução simples demais da música

Além da falência da produtora que o Nirvana tinha contrato e a mudança de baterista (sai Chad Channing, entra Dave Grohl do Scream), a banda também decidiu tomar uma direção de fazer músicas mais simples. Kurt Cobain comparou a experiência com “fazer músicas para criança”, não aludindo à infantilização e sim, evitar arranjos complexos e instrumentações obsessivas. O resultado dessa experiência foi o segundo álbum da banda que, apesar do início comercialmente lento, alcançou alturas extraordinárias e inesperadas para a banda, alçando os ao estrelato nacional e internacional, basicamente criando um movimento, um dos álbuns mais rentáveis de todos os tempos conquistando disco de diamante e figurando no top 10 da lista da Rolling Stones de melhores álbuns.

O disco é simples e, por falta de palavra melhor, barato. Isso é visivelmente uma escolha estilística e pode não agradar quem prefere algo mais elaborado, mais progressivo ou apenas mais profundo. O único instrumento que se sobressai de uma forma mais elegante é a bateria do Dave Grohl, que consegue manter a energia exata do que a música pede. Krist Novoselic, no baixo, é pouco acionado, e quando acionado, desaparece na música, e a guitarra do Kurt Cobain, apesar de contribuir com alguns riffs interessantes aqui e ali, não é nada demais, apesar de ter se tornado icônico. No geral, Kurt Cobain escolhe entre dois vocais: um que é calmo, controlado e funcional; e o outro que é esganiçado, caótico e cacofônico.

Definitivamente esse álbum foi uma influência em toda a década seguinte, e quase todas as faixas tem um estilo especifico que é possível reconhecer como influência de uma banda. Apesar de algumas músicas ficarem numa mesmice quadrada sem evolução (“On a Plain”, “Come as you Are” e “Smell Like Teen Spirit terminam como começam sem muitas variações), existe também as deprimente demais para causar algum impacto (“Polly”). Também existem as faixas mais aventureiras (“Something in the Way” tem toda a melancolia de “Polly” e alguma profundidade), mas para compensar isso tem o desastre da última faixa (“Endless, Nameless”). O surpreendente é ver nas faixas mais desconhecidas, as influências de algumas bandas punk: no frigir dos ovos, é um álbum de punk rock que não fez muito para a música, mas fez muito para o estilo (“Loung Act” é fantástica e é uma clara influência no Green Day, por exemplo).

A melhor faixa do disco é “Breed”, uma faixa simples e crua, mas muito eficiente. Muitos elementos do Ramones e a voz do Kurt Cobain se mantém razoável durante ela toda. A bateria de Dave Grohl se sobressai como no resto do álbum e o baixo do Krist Novoselic dá alguns sinais de vida aqui e ali. Não é nada especial que vá chocar você, ainda mais quase trinta anos depois do lançamento, mas é uma experiência interessante de se ouvir anos depois.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre José Esteves

Nível: Colaborador Especial

Membro desde: 26/08/2020

"Eu gosto muito de rock clássico e tenho um blog de resenhas minhas em disconomicon.wordpress.com. Minhas bandas preferidas são Deep Purple, Queen, Beatles e Pink Floyd e tento também ouvir o que está mudando o cenário nos dias de hoje."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaQueen - Queen (1973)

    04/11/2020

  • Image

    ResenhaIron Butterfly - Heavy (1967)

    23/09/2020

  • Image

    ResenhaDavid Bowie - The Rise And Fall Of Ziggy Stardust And The Spiders From Mars (1972)

    23/10/2020

  • Image

    ResenhaU2 - The Joshua Tree (1987)

    07/01/2021

  • Image

    ResenhaCreedence Clearwater Revival - Bayou Country (1969)

    03/12/2020

  • Image

    ResenhaPink Floyd - Wish You Were Here (1975)

    02/10/2020

  • Image

    ResenhaRainbow - Rising (1976)

    25/11/2020

  • Image

    ResenhaWobbler - Dwellers Of The Deep (2020)

    11/01/2021

  • Image

    ResenhaCreedence Clearwater Revival - Willy And The Poor Boys (1969)

    04/12/2020

  • Image

    ResenhaGhost - Meliora (2015)

    29/09/2020

Visitar a página completa de José Esteves



Sobre o álbum

Nevermind

Álbum disponível na discografia de: Nirvana

Ano: 1991

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 3,81 - 13 votos

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Veja mais opiniões sobre Nevermind:

  • 08
    out, 2020

    Pancada

    User Photo Guilherme Lino de Paula Pires
  • 28
    set, 2020

    Sem mérito algum

    User Photo Fábio Arthur
  • 27
    set, 2020

    Tão pesado quanto melódico: a expressão sonora do auge do chamado 'grunge'!

    User Photo Maik Antunes
  • 03
    ago, 2020

    Nevermind, um clássico da era dos 90 (o que é justificável)

    User Photo Cheap.

Visitar a página completa de Nevermind



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.