Resenha

Pancadélico

Álbum de Jota Quest

2015

CD/LP

Por: Marcel Dio

Colaborador Sênior

18/07/2020



Um misto de baladas sonsas e canções dançantes

Ao contrário da maioria dos internautas ligados em som, não costumo jogar pedras no Jota Quest, gosto da salada funk, disco e pop embrulhado no rockzinho trapaceiro, isso quando se metem a fazer com dignidade, e não arrumar baladinhas estupidas para dar um up em vendas.
É bom que existam bandas como Jota Quest para sairmos do quadradismo do rock e termos uma alternativa dançante para relaxar, ao tempo que é uma pena apresentarem canções manjadas ou baboseiras românticas para programas de TV.
A julgar desde já, não gostei do nome do álbum, remete a uma fusão de psicodélico e pancadão, posto que, de psicodélico não tem nada e o tal pancadão é o nome queima filme, o tipo de "arte" que sequer compensa praguejar, sob fim de gastar energia com nada. Então, para a resenha terei inevitavelmente que bater e elogiar, agindo como advogado que trabalha para Deus e o Diabo.

Pancadélico foi gravado no estúdio do Jota Quest e produzido por Jerry Barnes e Nile Rodgers, músicos do grupo disco Chic - que haviam participado do álbum anterior, o Funky Funky Boom Boom.

O disco abre com o citado e lendário Nile Rodgers em "A Vida Não tá Fácil pra Ninguém". Canção dançante e colada na linha de "Na Moral", com naipe de metais numa mistura de Chic e Tim Maia, o ponto crucial para começar com a corda toda.

"Blecaute" vem com Anitta e novamente Nile Rodgers. É, Anita ... isso mesmo. A impressão que se tem, é um hibrido instrumental de Chaka Khan e The Gap Band, mas os indicativos morrem no meio do caminho. A voz de Anitta é uma tapeação sem segredos, com tudo, preciso dizer que para os padrões do pop atual, "Blecaute" tem seu valor. Com Nile Rodgers metido nisso, não tem como ser ruim.

"Sexo e Paixão" (feat. Mista Raja) tem uma banda competente no suporte e o Rogério a estragar tudo com sua alma funk Leblon mineiro. Esse tal de Mista Raja (??), joga um vocal rap reggae no intermédio, e sua feita não compromete.
"Mares do Sul" conta com o baixo fantástico de Stuart Zender (ex Jamiroquai). A canção tem um start um tanto brega com letras a lá Roberto Carlos e depois rearruma-se como um bom tempero do sindico Tim Maia. 

A mediocridade vem correndo em "Sendo Assim" - musiquinha tola simplificada pelo reggae em arranjos que parecem karaokê. A letra é tão idiota quanto o resto. É por essas e outras que o Jota Quest muitas vezes faz o papel de "Geni" - personagem da música de Chico Buarque, não pela história da moça e sim pelo refrão. Sorte terem os Los Hermanos de para-raios.

"Risco Brasil" vem como crítica social e vocais tentando soar descolado. "Beijos em Paris" segue a tradição das letras meia solas do Jota Quest. 

"Pra Quando Você se Lembrar de Mim" tem letras de Sideral. Falando o português claro, nem compensa perder tempo comentando sua pieguice, assim como não farei com a fraca "Mágica". 

"Freak Fonk Funk" sai do lamaçal de baladinhas inúteis e dá ao ouvinte o prazer do groove, como nos bons tempos dos anos 80. E por falar na década, o cantor e multi-instrumentista Roger Troutman do grupo funk pop Zapp, participa em "Doces Lábios". Diria que foi uma participação discreta, e graças a Deus discreto também foram os vocais sem distorções robóticas - artificio muito usado pelo Zapp, e que sinceramente, serviam só para estragar músicas que já não eram grandes coisas.
Por fim, Pancadélico é fechado com mais uma aventura de Flausino sob forma de romance auto ajuda. 
As considerações são divididas, pois quando o Jota Quest aposta em temas de suingue, geralmente consegue bons resultados.  Quando aposta em baladas amorosas, a coisa descamba ao ridículo. E quanto as composições, não procure profundidade poética.

Dividido entre o legal e o estupido, ainda mais quando esse estupido quase empata com a porcentagem final, a duvida sobre o disco fica na frase que criei por mera brincadeira, e pode ter lá sua pontinha de verdade,  - "O Jota Quest é um Jamiroquai que deu errado".


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Marcel Dio

Nível: Colaborador Sênior

Membro desde: 14/03/2018

"Sou um amante da música, seja em qualquer estilo, rock, blues, jazz ou pop."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaGTR - GTR (1986)

    04/08/2018

  • Image

    ResenhaPink Floyd - Meddle (1971)

    23/01/2020

  • Image

    ResenhaAC/DC - Fly On The Wall (1985)

    24/07/2020

  • Image

    ArtigoAo vivo até no palco: Os falsos discos ao vivo do rock

    29/06/2020

  • Image

    ResenhaYes - The Quest (2021)

    07/10/2021

  • Image

    ResenhaGiorgio Moroder - E=MC² (1979)

    27/06/2020

  • Image

    ResenhaRaul Seixas - Carimbador Maluco (1983)

    05/07/2018

  • Image

    ResenhaBad Company - Dangerous Age (1988)

    22/09/2019

  • Image

    ResenhaRoger Glover - Elements (1978)

    07/01/2019

  • Image

    ResenhaRush - Vapor Trails (2002)

    03/10/2018

Visitar a página completa de Marcel Dio



Sobre o álbum

Pancadélico

Álbum disponível na discografia de: Jota Quest

Ano: 2015

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 2,5 - 1 voto

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Pancadélico



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.