Resenha

Andromeda

Álbum de Andromeda

1969

CD/LP

Por: Tiago Meneses

Colaborador Top Notch

10/07/2020



Um ótimo e típico artefato da música psicodélica do final da década de 60

Andromeda foi um daqueles infinitos grupos resididos entre os anos de sessenta e setenta, mas que lançaram apenas um disco antes de chegarem ao fim. Em sua formação tinha o guitarrista John Du Cann (que mais tarde se juntaria ao Atomic Rooster). Seu único e autointitulado disco vem encharcado de psicodelia, além de um blues rock vigoroso, momentos hard e até mesmo pinceladas de progressivo. 

Já que citei o nome da Atomic Rooster mais acima, uma dica é que pelo menos os fãs da banda também confira este álbum. Ambas as bandas de certa forma tocavam um estilo parecido, ainda que a Andromeda não fizesse o uso de órgão. Andromeda tem um sabor psicodélico muito bom, além de muitas vezes soar pesado a ponto de flertar com o metal. 

“Too Old” começa com uma guitarra ardente antes que baixo e bateria junte-se e a ela e mostre o quão vigoroso vai ser este disco. Baixo proeminente e um destaque para a guitarra após os quatro minutos. “Day of The Change”, começando lentamente, traz o disco para um ritmo mais intermediário. Mas na sua parte intermediária o ritmo aumenta e a faixa é atacada por uma guitarra rasgada e uma cozinha latejante, para depois voltarmos à melodia inicial. Música muito boa. “And Now The Sun Shines” é uma boa balada, bastante relaxante, mas que não apresenta nada demais. 

“Turns to Dust” é o nome dado à junção de três faixas, “Discovery”, “Sanctuary” e “Determination”. Ela move o disco novamente para um ritmo alucinante e atmosfera pesada. Instrumentalmente e de vocais enérgicos, possui um solo absolutamente empolgante. Um dos meus momentos preferidos do disco. "Return To Sanity" segue a mesma ideia de “Turns to Dust”, onde as três faixas, “Breakdown”, “Hope” e “Conclusion” unidas a completam. Tem o início através de uma bateria semelhante a uma marcha, mas baixo e guitarra começam a crescer e se juntar a ela. Depois deste início explosivo a música é agraciada com uma bonita e relaxante melodia, mas a música é “infectada” principalmente com guitarras rasgadas e uma cozinha poderosa contrastando com pinceladas de sons mais suaves.

“The Reason” apresenta um trabalho de guitarra agressivo do tipo que parece “socar” o ouvinte por todos os lados. Um som bastante empolgante. “I Can Stop The Sun” é a música mais curta do disco – se não contarmos “Conclusion” como uma faixa, mas sim, parte de “Turns to Dust” ou “Turning Point” como parte de “When To Stop” -, bastante simples, carrega uns vocais frágeis e basicamente só uma guitarra suave ao fundo. “When To Stop” , assim como aconteceu com “Turns to Dust” e “Return to Sanity”, são mais três faixas que a completam, neste caso, “The Traveller”, “Turning Point” e “Journey’s End”. Uma introdução extremamente poderosa, mas depois substituída por uma melodia leve de guitarra e baixo, os vocais quando entram também se mostram muito bons e se tornam mais poderosos à medida que a música se contrasta entre momentos de suavidade e fervorosos. Antes dos quatro minutos, guitarra e baixo vão se duelando em solos curtos, até que todos os instrumentos juntam suas forças. A última seção da música é surpreendente em uma sonoridade espanhola, dando um fim pastoral ao disco que ninguém esperava. 

Este disco existe em versões remasterizadas e com quantidade de faixas bônus suficiente para fazer outro disco pra banda. Todas as músicas são cativantes e passeiam por várias atmosferas, sendo às vezes suave e onírica e em outros momentos mais complexa e pesadas, onde independente de qualquer coisa, com o poder de manter o ouvinte interessado. Em resumo, um ótimo e típico artefato da música psicodélica do final da década de 60.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Tiago Meneses

Nível: Colaborador Top Notch

Membro desde: 28/09/2017

"Sou poeta, contista e apaixonado por música desde os primórdios da minha vida, onde o rock progressivo sempre teve uma cadeira especial."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaGreenslade - Bedside Manners Are Extra (1973)

    29/03/2020

  • Image

    ResenhaAntony Kalugin - Marshmallow Moondust (2020)

    25/11/2020

  • Image

    ResenhaYezda Urfa - Boris (1975)

    12/11/2017

  • Image

    ResenhaRhapsody of Fire - Symphony Of Enchanted Lands (1998)

    12/11/2019

  • Image

    ResenhaKing Crimson - In The Court Of The Crimson King (1969)

    02/10/2017

  • Image

    ResenhaLaurent Thibault - Mais On Ne Peut Pas Rêver Tout Le Temps (1979)

    06/04/2022

  • Image

    ResenhaGenesis - ...And Then There Were Three (1978)

    23/01/2019

  • Image

    ResenhaJon Lord - Sarabande (1976)

    15/07/2020

  • Image

    ResenhaRick Wakeman - The Red Planet (2020)

    18/03/2021

  • Image

    ResenhaRick Wakeman - 1984 (1981)

    11/01/2021

Visitar a página completa de Tiago Meneses



Sobre o álbum

Andromeda

Álbum disponível na discografia de: Andromeda

Ano: 1969

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 4 - 1 voto

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Andromeda



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.