Resenha

Cured

Álbum de Steve Hackett

1981

CD/LP

Por: Tiago Meneses

Colaborador Especialista

19/06/2020



Abandonando as raízes

Quando Steve Hackett lançou, Cured, em 1981, a sua capa já deixava bem claro que estaríamos definitivamente lidando com algo muito mais comercial e musicalmente fraco do que os quatro discos anteriores do guitarrista. As músicas apesar de na maioria não trazer nada de progressivo, o disco mostra Hackett tentando encontrar – literalmente – a sua voz, pois a maioria das músicas apresenta Steve nos vocais, obtendo com isso alguns resultados mistos. Não existe nenhuma hipótese de classificar esse disco ao menos como bom que seja, afinal, na maioria das vezes ele soa fraco e extremamente pálido se comparado a qualquer uma de suas ofertas anteriores, porém, eu já o vi de forma mais negativa e hoje não acho tão ruim quanto achava antes. 

“Hope I Don't Wake” apresenta um riff de estrutura extremamente simplista, assim como as harmonias vocais e na instrumentação, o que acaba não mostrando nem a sombra do talento de Hackett. “Picture Postcard” na época foi lançada como single. Possui algumas linhas de baixo interessantes e bons arpejos, mas não evolui nunca e os vocais de Hackett estão fracos – até porque ele só foi florescer como um bom vocalista somente anos mais tarde. Possui algumas versões ao vivo que soam bem mais interessantes. 

“Can't Let Go”, dentro do ritmo do disco ela demora um pouco até começar de fato – embora o início etéreo de teclado seja legal. A linha de bateria e solo de guitarra também é interessante. O que decepciona de fato é a voz alta de Steve, soando fraco demais pra música. No fim das contas uma faixa que não é de todo o mal. “The Air-Conditioned Nightmare” é mais um dos momentos que ajuda a tirar o álbum das cinzas. Muitos sintetizadores, linhas de guitarra flutuante. Além de uma ótima interação entre guitarra e teclado. Pra quem quer ouvir Hackett na sua essência em Cured, certamente esta faixa é onde isso passa mais perto de acontecer. 

“Funny Feeling” possui inegavelmente uma boa vibração, e mesmo tendo uma natureza excessivamente pop, tanto o trabalho de guitarra, quanto os vocais no fim soam ao menos aceitáveis. Acho inclusive que merecia muito mais ter sido lançada como single, pois de certa forma gruda facilmente na cabeça do ouvinte. “A Cradle Of Swans” é uma peça acústica onde Hackett em pouco menos de dois minutos mostra como sempre a sua habilidade e criatividade em criar músicas nesses moldes. 

“Overnight Sleeper” começa com um complexo e breve trabalho acústico, mas logo se transforma em uma música baseada em sintetizador. Acho um dos bons momentos do álbum, solos interessantes de Hackett, além de algumas boas flautas de John Hackett. Vale ressaltar que os vocais de Steve funcionam bem nesta faixa. “Turn Back Time” é onde o álbum se encerra. Uma faixa lenta e que termina o álbum como Hope I Don't Wake, só que aqui é uma sensação mais definida de um rock de arena. Tanto harmonias vocais quanto os teclados de Nick Magnus mesmo não tendo nada de especial, soa e fazem o disco terminar de maneira digna. 

No fim das contas, Cured que eu já achei uma verdadeira bizarrice, pode não chegar a esse ponto, porém, não deixa de ser uma decepção dentro de uma discografia tão estelar de um artista que tem méritos musicais e artísticos tão altos. Se você gosta de um pop despretensioso, pode ser que queira ouvir este disco, mas se a ideia é conhecer a carreira de Hackett em sua essência, finja que este disco jamais existiu. Eu poderia até dar a esse disco uma nota maior caso fosse lançado por outro artista, mas sempre acho que um artista deve ser comparado primeiramente com ele mesmo, e dentro dos padrões de Hackett, Cured – forçando a barra – é no máximo médio.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Tiago Meneses

Nível: Colaborador Especialista

Membro desde: 28/09/2017

"Sou poeta, contista e apaixonado por música desde os primórdios da minha vida, onde o rock progressivo sempre teve uma cadeira especial."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaCamel - A Nod And A Wink (2002)

    01/04/2020

  • Image

    ResenhaVoïvod - Dimension Hatross (1988)

    17/02/2022

  • Image

    ResenhaCaravan - If I Could Do It All Over Again, I'd Do It All Over You (1970)

    10/06/2021

  • Image

    ResenhaEvergrey - Recreation Day (2003)

    24/02/2022

  • Image

    ResenhaJon Anderson - Animation (1982)

    25/09/2020

  • Image

    ResenhaTangerine Dream - Atem (1973)

    13/10/2020

  • Image

    ResenhaWobbler - Hinterland (2005)

    29/07/2021

  • Image

    ResenhaFrank Zappa - Waka / Jawaka (1972)

    23/03/2018

  • Image

    ResenhaPink Floyd - Pulse (1995)

    26/10/2017

  • Image

    ResenhaDavid Bowie - Blackstar (2016)

    29/12/2017

Visitar a página completa de Tiago Meneses



Sobre o álbum

Cured

Álbum disponível na discografia de: Steve Hackett

Ano: 1981

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 3,25 - 2 votos

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Cured



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.