Resenha

Desolation Rose

Álbum de The Flower Kings

2013

CD/LP

Por: Tiago Meneses

Colaborador Top Notch

06/06/2020



De uma qualidade homogeneamente excelente

Quando fiquei sabendo do lançamento deste álbum, a primeira coisa que me veio em mente, provavelmente deva ser a mesma de qualquer pessoa que acompanhe a banda, ou seja, imaginar o épico do disco, já que a banda sempre costuma ter um ou até mesmo duas faixas de vinte minutos ou mais em seus discos, logo, quando vi que Desolation Rose carecia de um épico, e tirando a faixa de abertura, as demais sequer chegavam a dez minutos, isso me decepcionou um pouco. Com isso em mente, era meio óbvio que eu não estivesse esperando muita coisa deste disco, principalmente depois de eu ter ficado tão satisfeito com o disco anterior, Banks of Eden. 

Ainda bem que eu estava absolutamente errado. Logo na primeira vez que eu estive em contato com Desolation Rose, eu fiquei quase sem acreditar naquilo que estava ouvindo, a maneira como a banda criava belas conexões de notas de um segmento à outro  era algo maravilhoso, com suas peças de transição sempre que ocorrem mudanças de estilo.

Nem sempre existe uma disposição de fazer uma longa resenha está dentro de nós, principalmente em se tratando de um disco igual a esse, certamente iria até cansar quem está lendo – como eu já devo ter cansado muitas vezes quem está lendo -, pois todas as faixas são excelentes e tem peculiaridades que não me deixariam falar pouco sobre cada uma delas. Mas algo que costumo falar sobre esse disco pra alguém que não o conhece é que ao ouvir a faixa abertura, ele vai saber se segue ouvindo ou não. “Tower One” é um começo incrível e avassalador e, pra mim, se você não gostar dela, ouvir as demais faixas do disco será uma perda de tempo, eu o aconselharia pular essa casa e ir ouvir outra coisa. 

Agora se você gostou de “Tower One”, posso lhe garantir que você vai gostar de todas as faixas desse disco, sem exceção, do começo ao fim. A faixa possui tudo aquilo que a Flower Kings pode entregar de melhor, belas harmonias, mudanças de andamentos, baixo sólida, bateria bem distribuída e teclados que ambientam muito bem cada uma de suas fases. Que começo mais incrível. “Sleeping Bones” possui pouco mais de quatro minutos, mas consegue manter o álbum com uma grande energia e nuances criada e também deixada pela faixa de abertura. De certa forma podemos enxergar aqui uma espécie de transição para a faixa seguinte. Possui um órgão poderoso e guitarra imponente. “Desolation Road” é uma faixa onde não seria exagero algum chamar de favorita, embora eu ache que em disco deste não exista favorita. Melodia extremamente cativante. Existe uma ótima combinação de vocal, guitarra e teclado que formam a faixa. Mas não vou me esquecer das lindas de baixo também. A parte final tem um órgão incrível. 

O disco continua a fluir perfeitamente e agora se movendo de uma maneira bastante simples, “White Tuxedos” de certa forma lembra algo na linha da new wave. Mas eu acho interessante esse estilo incorporado na música progressiva neste caso, pois serve também como uma pausa para descanso após três faixas tão impressionantes – embora ela fique extremamente efusiva a partir de determinado ponto. “The Resurrected Judas” é mais uma excelente composição e que depois acabou virando a faixa principal do álbum. Uma música bastante técnica e mesmo assim, acessível, principalmente por conta de suas variações entre instrumentações quentes e frescas – que é a maioria. 

Como eu falei mais acima, não vou falar sobre todas as faixas – e mesmo sobre as que falei tentei não me alongar como poderia -, mas falando sobre a metade do disco, estou falando sobre ele todo, já que em momento algum a sua qualidade oscila.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Tiago Meneses

Nível: Colaborador Top Notch

Membro desde: 28/09/2017

"Sou poeta, contista e apaixonado por música desde os primórdios da minha vida, onde o rock progressivo sempre teve uma cadeira especial."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaPorcupine Tree - Deadwing (2005)

    01/10/2017

  • Image

    ResenhaOceansize - Frames (2007)

    31/10/2020

  • Image

    ResenhaThe Crome Syrcus - Love Cycle (1968)

    07/01/2022

  • Image

    ResenhaAjalon - On The Threshold Of Eternity (2005)

    27/07/2022

  • Image

    ResenhaEcholyn - Suffocating The Bloom (1992)

    12/06/2020

  • Image

    ResenhaDream Theater - The Astonishing (2016)

    30/01/2020

  • Image

    ResenhaFrank Zappa - Apostrophe (') (1974)

    17/04/2020

  • Image

    ResenhaPeter Hammill - Chameleon in the Shadow of the Night (1973)

    05/10/2017

  • Image

    ResenhaRenaissance - Turn Of The Cards (1974)

    07/03/2019

  • Image

    ResenhaAgalloch - Pale Folklore (1999)

    08/01/2021

Visitar a página completa de Tiago Meneses



Sobre o álbum

Desolation Rose

Álbum disponível na discografia de: The Flower Kings

Ano: 2013

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 4,5 - 1 voto

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Desolation Rose



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.