Resenha

A Pedra Do Gênesis

Álbum de Raul Seixas

1988

CD/LP

Por: Fábio Arthur

Colaborador Especialista

29/05/2020



Incomodando os puritanos

Notável como Raul Seixas permaneceu por muito tempo em evidência, mesmo após alguns problemas relativos de ordem pessoal e com as gravadoras, o artista ainda aqui, em 1988, o punho forte para trazer mais um disco fenomenal. 

Obviamente, estamos falando de um trabalho que vinha sendo elaborado dentre fatores inúmeros e de que Raul já não estava tão bem de saúde e muito menos em sua vida financeira, além de estar saindo ainda por cima um outro casamento. Por todos esses problemas citados, ainda podemos afirmar que "A Pedra Do Gênesis" é um disco de alto padrão do cantor.

Sendo assim, esse álbum traz o último disco solo de Raul e o artista resolveu voltar em seu âmbito de começo de carreira, com ideias fortes, importunando tudo e todos com sua poesia dotada de um "veneno" sublime em altas linhas verbalizadas. E ainda que muitos não soubessem, naqueles tempos, a Ditadura Militar ainda trazia efeitos colaterais, algumas faixas foram proibidas e outras tiveram que ser alteradas devido ao abuso do desnecessário governo de época. Em 1988, a coisa não era tão aberta quanto se pensa; tempos árduos.

Datando como o décimo quarto trabalho de estúdio, Raul Seixas, com uma voz embargada, cansada e sem força, devido ao uso de tabaco e álcool, o artista consegue ir em frente e desenrolar frases e mais frases como pura fonte de um entretenimento em um alto consenso de filosofia para o ouvinte.

A produção é do próprio Raul, mas o pecado dessa mesma  apenas seria a bateria eletrônica, em que era a moda atual daqueles tempos finais de década; principalmente para que o som se tornasse mais acessível.

Os músicos são de primeira linha, como sempre, e a volta do Raul místico e raso, largo e profundo, resultou em um montante de resenhas de bons tons, rádios emplacando o álbum e a fama do artista nato estava de volta ao ato. 

No entanto, o álbum não vendeu o quanto se esperava e, em uma situação adversa, o disco sucumbiu nas prateleiras das lojas e nas reservas da gravadora. E existem motivos para esse fator, primeiro deles, Raul não saiu em turnê porque sua condição física piorou durante a gravação do álbum. Após isso, a própria gravadora Copacabana deixou parte da divulgação por conta da metade sem dar ênfase nem mesmo em colocar o artista para ir aos programas de televisão. Tudo isso somado ao que levou Raul a se enfiar de forma profunda nas drogas novamente. 

E se por um lado a rádio tocava e o disco não vendia, enquanto o tempo passava, Raul Seixas tinha de volta o prestígio dos fãs de carteirinha. 

Para a arte do disco, o cantor se valeu de uma foto de 1974 e cuja a crítica fez nova menção, trazendo um paralelo entre os primeiros álbuns do cantor e que acabou agradando em cheio, mas do que a foto que seria utilizada do mesmo. Ainda como o título no trabalho, essa tal foto antiga com inscrições na arte seria mais colaborativa ainda e de forma gratificante. E o engraçado é que está mesma arte fora escolhida pela ex-esposa de Raul do qual ele estava se separando, como já citado anteriormente. 

Chegar em um consenso e falar algo sobre as letras deste disco seria de muita ingenuidade, visto que as tais falam por si. O máximo que posso fazer, acaba sendo identificar as mais evolutivas do trabalho, ou seja, os seus destaques. Além da canção que dá nome ao disco, nós temos: "A Lei", "Check Up", "Não Quero mais Andar na Contra Mão", "Senhora Dona Persona" e "Areia da Ampulheta". 

Com tudo, ainda as outras faixas, inclusive uma em inglês, são de ótima referência em amplos sentidos. 

Depois desse episódio, Raul se juntou ao conterrâneo Marcelo Nova e todos sabem como a história seguiu.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Fábio Arthur

Nível: Colaborador Especialista

Membro desde: 04/02/2018

"Obtive meu primeiro contato com o Rock, com o grupo KISS no final de 1983, após essa fase, comecei a me interessar por outros grupos, como Iron Maiden, do qual ganhei meu primeiro vinil o "Killers" e enfim, adquiri o gosto por outras bandas, como Pink Floyd, John Coltrane, AC/DC entre outras."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaSepultura - Morbid Visions (1986)

    26/09/2018

  • Image

    ResenhaVan Halen - 5150 (1986)

    17/07/2019

  • Image

    ArtigoScorpions, discografia comentada - parte final

    08/11/2020

  • Image

    ResenhaManowar - Battle Hymns (1982)

    26/11/2019

  • Image

    ResenhaImmortal - Graspop Metal Meeting (2008)

    16/11/2020

  • Image

    ResenhaSlayer - World Painted Blood (2009)

    09/06/2020

  • Image

    ResenhaLulu Santos - Lulu (1986)

    24/04/2020

  • Image

    ArtigoAniversário de peso

    12/08/2020

  • Image

    ArtigoAniversário 33 anos

    11/04/2021

  • Image

    ResenhaGarbage - Garbage (1995)

    13/03/2021

Visitar a página completa de Fábio Arthur



Sobre o álbum

A Pedra Do Gênesis

Álbum disponível na discografia de: Raul Seixas

Ano: 1988

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 3,5 - 4 votos

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Veja mais opiniões sobre A Pedra Do Gênesis:

  • 29
    abr, 2021

    Os homens passam, as músicas ficam...

    User Photo Marcel Dio

Visitar a página completa de A Pedra Do Gênesis



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.