Resenha

Spectrum

Álbum de Billy Cobham

1973

CD/LP

Por: Márcio Chagas

Colaborador Sênior

27/05/2020



Billy Cobham na linha de frente do jazz rock!

No ano de 1973, o Baterista Billy Cobham era considerado um dos maiores fenômenos de seu instrumento. O músico veio do Panamá para os EUA com sua família e se instalaram em Nova Yorque, onde o músico cresceu no subúrbio do Harlem, aprendendo o que a música poderia oferecer de melhor. Posteriormente, Billy iria estudar teoria e percussão na prestigiosa High School of Music Of Art, amadurecendo seu talento natural com as baquetas.

Cobham integrou o grupo de Miles Davis que gravou clássicos como “Bitches Brew” e “Tribute To Jack Johnson”. Posteriormente fez parte de um dos maiores grupos de fusion de todos os tempos: A Mahavishnu Orchestra ao lado de John Mclaughlin. 

Após deixar o grupo, era natural que Cobham enveredasse pela carreira solo, fato que começou a tomar forma imediatamente. Para a empreitada, o baterista convidou seu parceiro de Mahavishnu, o tecladista Tcheco Jan Hammer, e para o baixo, a escolha recaiu sobre Leland Sklar, um músico eminentemente melodioso que já havia gravado com James Taylor, The Spencer Davis Group, e muitos outros. Faltava a escolha de um guitarrista, um que fosse versátil e conseguisse se adaptar bem ao fusion. Foi então que ambos se lembraram de Tommy Bolin.


Cobham o havia conhecido na década anterior, quando seu primeiro grupo chamado Dreams, tocou ao lado do Zephyr, banda que Bolin integrava na época, durante um festival. Os dois voltariam a se encontrar em 1970, durante uma Jam session no estúdio Eletric Ladyland, o mesmo que o baterista voltaria a usar para gravar seu disco. Então, foi natural que pensassem no guitarrista, uma vez que seu estilo casou perfeitamente com o baterista na ocasião do ultimo encontro.

Além do quarteto, ainda foram chamados Joe Farrell e Jimmy Owens nos metais, Ray Barreto nas congas, Ron Carter no baixo e o guitarrista John Tropea para gravações posteriores. 

Os músicos se encontraram no estúdio sob a batuta do engenheiro Ken Scott entre 14 e 16 de maio de 1973, gravando no máximo dois takes para cada faixa, e segundo Scott, a bateria não recebeu qualquer privilégio em relação aos demais instrumentos na mixagem, usando apenas um conteúdo maior de microfones durante a gravação.

Em termos de sonoridade, “Spectrum” trouxe uma grande inovação, trazendo a guitarra rockeira e malandra de Bolin em temas majoritariamente orientados pelo fusion. A Mahavishnu tinha um som similar, mas, embora soasse rápida,  a guitarra de John Mclaughlin era orientada pelo jazz.  Bolin trazia a urgência e o dinamismo do rock em temas como “Quadrant 4”, “Red Baron” “Stratus” e  Taurian matador”, com sua guitarra embebida em distorção tendo como base a bateria jazzística e grooveada do líder, que espertamente inseriu temas mais calmos e orientado pela Flauta de Farrel entre as faixas mais pesadas, como pode ser ouvido na faixa título. 

A sonoridade praticada em “Spectrum” serviu de influência para vários músicos que resolveram se enveredar por aquele estilo, como Jeff Beck, que inclusive convidou o tecladista Hammer para participar de seu grupo.

O álbum foi lançado em outubro de 1973 e embora tenha recebido milhares de críticas positivas e alavancado a carreira solo de Billy, quem se beneficiou mesmo do sucesso foi Tommy Bolin. 

Todos queriam saber quem era o dono daquela guitarra tão poderosa e versátil que conseguia duelar com a bateria de Cobham de igual pra igual. A notoriedade pelo trabalho ajudou o guitarrista a conseguir vaga com o James Gang (gravando os álbuns “Bang” e “Miami”) e posteriormente a integrar o Deep Purple.

“Spectrum” pode ser considerado um dos discos clássicos definitivos do jazz rock.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Márcio Chagas

Nível: Colaborador Sênior

Membro desde: 14/04/2018

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaDixie Dregs - Unsung Heroes (1981)

    10/10/2020

  • Image

    ResenhaPat Metheny - Still Life (Talking) (1988)

    15/02/2020

  • Image

    ResenhaCinderella - Long Cold Winter (1988)

    23/04/2020

  • Image

    ResenhaChick Corea - Three Quartets (1981)

    20/02/2021

  • Image

    ResenhaDavid Crosby - Croz (2014)

    05/05/2018

  • Image

    ArtigoR. I. P. Neil Peart (12/09/1952 – 07/01/2020) - A lenda do Rush se vai e deixa uma obra consistente e inigualável

    10/01/2020

  • Image

    ResenhaPremiata Forneria Marconi - L’isola di Niente (1974)

    24/03/2020

  • Image

    ResenhaWhitesnake - Lovehunter (1979)

    21/03/2020

  • Image

    ResenhaUFO - Force It (1975)

    27/06/2020

  • Image

    ResenhaBilly F Gibbons - Hardware (2021)

    01/07/2021

Visitar a página completa de Márcio Chagas



Sobre o álbum

Spectrum

Álbum disponível na discografia de: Billy Cobham

Ano: 1973

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 5 - 1 voto

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Spectrum



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.