Resenha

Concrete And Gold

Álbum de Foo Fighters

2017

CD/LP

Por: Marcel Dio

Colaborador Sênior

02/05/2020



Amadurecimento é a palavra!

Minha relação com o Foo Fighters sempre foi frouxa, até porque eu nunca esperei algo grandioso deles. É a típica banda que não sai do medianismo, tipo Weezer, Blur ou Smashing Pumpkins. Ouço de boas, mas sem expectativas de achar algo fora do comum. Por isso posso até falar groselha e julga-los sem ter explorado 100 % de seus registros, porem os 70% a qual tive contato, foram a base da conclusão acima.
Um fato interessante é que eles se estabeleceram no rock e são umas das poucas bandas nascidas nos anos 90 que lotam estádios com facilidade, não por uma temporada ou por algum lançamento importante, os fãs do Foo Fighters são tão leais quanto torcedores de futebol. Soma-se o fato de que Dave Grohl é um dos sujeitos mais legais do meio, sendo o maior arroz de festa do rock.

Faixas :

Na curta abertura com T-Shirt, juro que pensei ser uma propaganda do youtube, parecia o Al Jarreu cantando. E apesar do tempo, ela progride em algo do Badfinger para partir no final com riffs da escola Lynyrd Skynyrd.
Run capta vários macetes do nu metal com um riff bem invocado, de estrutura simples sem solos ou instrumentais que pulem fora dos dois trechos em que se define.

Make It Right mantem a pegada em alta com guitarras catedráticas do Living Colour em sequencia com bons backings vocals. Diria que até aqui, o álbum esta redondinho.

The Sky Is A Neighborhood começa a partir para a repetição em confronto a Make It Right, porem, mais cadenciada e leviana, com coros e um clima que não chega a ser épico, mas dá a intenção de pender a esse lado.

Surpreendente o rockão de La Dee Da, pegou na veia !. Sujo, beirando um proto punk misturado com alguma progressão do Led Zeppelin. Adiciona-se vocais alucinados, baixo distorcido no talo e temos a receita de um som cavernoso !. Nota 10.

Da pancadaria pulamos a calmaria com Dirty Water, até eu que não suporto canções nesse formato puxado a baladas, fiquei satisfeito, ainda mais quando agita do meio adiante. E percebam que na tal parte agitada, se extraem doses hipnóticas com aditivos do lendário Hankwind, principalmente no teclado do novato Rami Jaffee.

Arrows volta ao velho clichê do antigo Foo Fighters, não é tão surpreendente, mas ganha uma nota 7. Happy Ever After é puro calmante, não empolga nem com a tentativa de enganar com os vocais de apoio comumente usados nos anos sessenta.

Taylor Hawkins canta em Sunday Rain e faz bem feito, assim como Paul McCartney na bateria. Tem levada totalmente british pop (sugestão do Macca?) e empolga com bons solos e um finalzinho de piano totalmente inusitado.
The Line é a volta ao velho Foo Fighters, nada a dizer, passo.

E por fim a canção que dá nome ao disco, essa, embalada em notas sinistras e vocais arrastados. Prestando bem aos detalhes da letra e vocais, vemos a intenção ou influência de Pink Floyd, sobretudo na parte em que acende a chama psicodélica nos vocais de apoio e o clima sombrio encontrando o "fundo do poço" nos dedilhados.

O resumo final é que Concrete and Gold mesmo com escorregões aqui e acolá, foi o melhor disco que ouvi com Dave Grohl e cia. É diferente, tem produção intencionalmente suja, deixando as canções com uma atmosfera agradável e muda tudo ao não repetir formulas para ficar dentro agrado comum. Se Dave Grohl enveredar pelo caminho da ousadia, abraço a causa, como fiz em Concrete and Gold, apesar de não encontrar o mesmo entusiasmo nas resenhas que li sobre o mesmo.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Marcel Dio

Nível: Colaborador Sênior

Membro desde: 14/03/2018

"Sou um amante da música, seja em qualquer estilo, rock, blues, jazz ou pop."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaMalice - License To Kill (1987)

    24/10/2020

  • Image

    ResenhaBlack Sabbath - Tyr (1990)

    12/05/2018

  • Image

    ResenhaGeorge Benson - Breezin' (1976)

    09/08/2018

  • Image

    ResenhaRoger Glover - Elements (1978)

    07/01/2019

  • Image

    ResenhaSlayer - South Of Heaven (1988)

    31/10/2018

  • Image

    ResenhaPantera - Power Metal (1988)

    31/05/2020

  • Image

    ResenhaMetallica - St. Anger (2003)

    22/11/2019

  • Image

    ResenhaBiff Byford - School Of Hard Knocks (2020)

    08/03/2020

  • Image

    ResenhaThe Rolling Stones - Undercover (1983)

    17/10/2019

  • Image

    ResenhaScorpions - Savage Amusement (1988)

    27/08/2021

Visitar a página completa de Marcel Dio



Sobre o álbum

Concrete And Gold

Álbum disponível na discografia de: Foo Fighters

Ano: 2017

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 4 - 2 votos

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Concrete And Gold



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.