Resenha

Le Porte Del Domani

Álbum de La Maschera di Cera

2013

CD/LP

Por: Tiago Meneses

Colaborador Especialista

06/04/2020



A perfeita conclusão da icônica Felona e Sorona

Se você conhece o mínimo que seja do rock progressivo italiano, certamente você também conhece o disco Felona e Sorona, clássico lançado pela Le Orme em 1973. Por que estou falando isso? Simplesmente porque a capa de Le Porte del Domani é uma clara menção – ou até uma cópia mesmo – ao disco dos seus conterrâneos 70’s. Tudo é explicado quando percebemos que o disco é uma sequência da obra-prima do Le Orme. Acho que inclusive a banda estava correndo um grande risco, onde de duas uma, ou a banda elevaria sua música ao nível dos ícones do rock progressivo italiano, ou simplesmente arruinariam a sua carreira, afinal, destruir o legado de um disco desta magnitude é algo que nem mesmo os mais compreensíveis perdoariam. 

Algo importante em ser mencionado é em relação a abordagem musical, porque mesmo que seja notado coisas em comum e até certas reminiscências de Felona e Sorona, a atmosfera é completamente diferente, parece menos obscuro e mais folclórico. Fácil conectar os dois álbuns também por conta da voz de Alessandro Corvaglia, pois é nitidamente uma reminiscência da voz de Aldo Tagliapietra. 

A história de Felona e Sorona trata-se de dois planetas que estão sempre girando um ao redor do outro, planetas esses denominados justamente por Felona e Sorona, onde enquanto o primeiro é uma espécie de paraíso brilhante o segundo é negro e impregnado de desgraças. Só que nem sempre as coisas permanecem assim, pois na segunda metade do disco da Le Orme as situações deles se invertem. La Maschera Di Cera retoma a história justamente de onde que ela parou. No momento os planetas possuem forças equivalentes - Sorona obtendo um novo poder devido à luz, enquanto Felona mantém o conhecimento dos anos dourados -, a batalha dura 1.000 anos. A divindade percebe que ela não pode fazer nada para manter o equilíbrio, com isso, entra em uma crise de solidão que pode ser o fim dos dois planetas. Enquanto isso, um soldado de Felona se apaixona por uma mulher de Sorona, que descobre a existência dessa divindade, então eles viajam mentalmente para a “Dimensão do Outro Mundo”, onde "Aquele que promete o mundo" olha com prazer essa união entre dois opostos, e sua solidão se transforma em uma luz de felicidade que leva Felona e Sorona para uma nova era de brilho mútuo.

“Ritorno Dal Nulla” é a faixa que dar início ao disco. Começa já com uma maneira de tirar o fôlego, onde a banda já atinge o ouvinte com artilharia pesada. Teclado e guitarras de grande atmosfera e que nos levam à conhecida música de abertura de Felona e Sorona (Sospesi Nell Incredibile). Uma bateria excelente, todos os instrumentos de teclas são bem encaixados, mas a cereja do bolo aqui fica por conta do sutil trabalho de flauta. Mais de oito minutos do melhor rock progressivo italiano que uma banda pode oferecer. 

“La Guerra Dei Mille Anni” começa com uma bateria marcial, mas depois é marcada pelos excelentes vocais que são brilhantemente aprimorados pela ótima flauta e violões. A música tem uma atmosfera folclórica maravilhosa. 

“Ritratto Di Lui” desde os seus primeiros segundos a banda impõe uma atmosfera mística aprimorada pelos vocais e flauta. A faixa é sobre um soldado Felona que se apaixona por uma mulher Sorona, há um sentimento romântico que somente os italianos parecem saber colocar com tanta intensidade em uma música. 

“L'enorme Abisso” é certamente um dos maiores destaques do álbum. A interação dissonante e quase caótica entre órgão, mellotron, percussão e saxofone é incrível e descreve muito bem o desespero da divindade quando ela percebe que não importa o que seja feito, ela não consegue projetar a luz para os dois planetas. Muito complexa e extremamente bem elaborada. 

“Ritratto Di Lei” é mais um dos momentos melódicos do disco. Possui uma performance de piano que é  belíssima, onde a mulher de Sorona descobre a existência de "Colui che promette il Mondo" e propõe a seu amante uma viagem mental para encontrar Deus.

“Viaggio Metafisico” é provavelmente a melhor música do álbum. A banda exibe um virtuosismo incrível em todos os instrumentos, soando quase como uma mistura de Banco Del Mutuo Soccorso, King Crimson e Le Orme. Frenética e de tirar o fôlego do começo ao fim, mudanças abruptas de andamento e performance sensacional de uma banda certamente no que de melhor pode oferecer. Impossível gostar de rock progressivo italiano e não ficar maravilhado com que é feito aqui. 

“Alba Nel Tempio” é uma música em que é bom estar por dentro do conceito pra assim sentir toda a emoção que é passada. Descreve o momento em que os amantes chegam ao palácio de Deus. Devido à depressão de “Quem Promete o Mundo”, eles o acha decadente com reminiscência de uma gloria passada. A música transmite isso perfeitamente, com ecos das passagens brilhantes do álbum, a música é tocada com uma sensação de nostalgia que não poderia ficar mais evidente para o ouvinte. 

“ Luce Sui Due Mondi” é em termo de conceito o clímax do álbum. A divindade se da conta de que os dois planetas se complementam e naquele momento emite uma luz tão forte que transforma ambos simultaneamente em um paraíso. Apesar de uma boa música, curiosamente é a faixa mais fraca do álbum, pois acho que ela é muito suave e não representa toda a magnitude que ocorre na história. 

“Alle Porte Del Domani” apresenta o final que um disco deste merece ter. A música leva o álbum a um novo nível de esplendor. Começa com algumas expressões de guitarras distorcidas antes de começar uma marcha liderada por bateria e flauta. A flauta se afasta um pouco e diferentes sons entram na música. Quando a flauta regressa, também tem um mellotron e a música e o álbum então chega ao fim. 

O que dizer de um disco deste? Simplesmente estamos diante de uma nova obra-prima clássica e que merece ser ouvida por todos, como a perfeita conclusão da icônica Felona e Sorona.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Tiago Meneses

Nível: Colaborador Especialista

Membro desde: 28/09/2017

"Sou poeta, contista e apaixonado por música desde os primórdios da minha vida, onde o rock progressivo sempre teve uma cadeira especial."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaRush - A Farewell To Kings (1977)

    21/04/2018

  • Image

    ResenhaYes - Yes (1969)

    08/03/2019

  • Image

    ResenhaRick Wakeman - Retro (2006)

    13/08/2020

  • Image

    ResenhaRobert Fripp - Exposure (1979)

    11/07/2020

  • Image

    ResenhaAlcest - Souvenirs D'Un Autre Monde (2007)

    29/07/2021

  • Image

    ResenhaDuncan Mackay - Chimera (1974)

    13/07/2021

  • Image

    ResenhaLiquid Tension Experiment - LTE3 (2021)

    07/04/2021

  • Image

    ResenhaSteve Hackett - To Watch The Storms (2003)

    26/05/2021

  • Image

    ResenhaQueen - The Works (1984)

    25/10/2019

  • Image

    ResenhaPink Floyd - The Dark Side Of The Moon (1973)

    03/10/2017

Visitar a página completa de Tiago Meneses



Sobre o álbum

Le Porte Del Domani

Álbum disponível na discografia de: La Maschera di Cera

Ano: 2013

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 5 - 1 voto

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Le Porte Del Domani



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.