Resenha

From Genesis To Revelation

Álbum de Genesis

1969

CD/LP

Por: Tiago Meneses

Colaborador Top Notch

25/02/2020



Um bom álbum

Bom, se levarmos em conta que no início eram apenas jovens de 19 anos (exceto Anthony Phillips que tinha 18) se divertindo, sem muita pretensão e buscando um hit, a música de From Genesis to Revelation tem sim o seu valor, e digo mais, se fosse um disco gravado por outra banda, talvez sequer este seria um álbum esquecido, pois é melhor que muitos de bandas pop da época. Mas aqui falamos de um dos dinossauros do rock progressivo, e se comparado a isso, realmente é um disco que nem de longe pode ser visto como um dos seus melhores e que começariam a surgir já a partir do próximo lançamento. De destaque aqui, a voz e interpretações de Peter Gabriel que sempre são um caso à parte mesmo sem ter atingido a sua maturidade vocal, e o teclado de Tony Banks que também faz um bonito trabalho. 

“Where The Sour Turns To Sweet” é uma balada que abre o disco de maneira bastante doce. O vocal de Gabriel mesmo ainda sem muita maturidade faz um bom papel. No que diz respeito ao instrumental, Tony Banks se sobressai com boas ideias no teclado. “In The Beginning” é outra boa faixa bem na veia do rock 60’s. Aqui Gabriel canta sobre o nascimento do planeta Terra, embora em termos darwinianos e não bíblicos. 

“Fireside Song” é mais uma balada tocada de forma bastante delicada. Um piano e trabalho de teclado cativante, violão pastoral e um vocal emotivo. “The Serpent” é provavelmente a faixa mais rock and roll do álbum, lembro que quando a ouvi pela primeira vez, algo nela me lembrou a “Sunshine of your Love” do Cream, pode parecer loucura da minha cabeça, mas tive essa sensação. 

“Am I Very Wrong?” possui umas linhas de piano que me lembra ao Marillion em Fugazi, mas a semelhança para por aí, o violão e as linhas de flauta é Genesis puro. Essa faixa mostra certamente os primeiros sinais de teatralidade da banda. “In The Wilderness” é uma música que também já soa mais ou menos como a banda faria futuramente, mas claro, que aqui de maneira mais simplória. O piano na parte final da música merece uma menção honrosa. 

"The Conqueror” é sem a menor dúvida a faixa menos expressiva de todo o disco. Um tanto repetitiva e chata, não consigo perceber nada nela que eu posso dizer que salva. "In Hiding" é mais uma balada do disco, lembro que não gostei inicialmente, mas depois percebi nela melodias ricas, uma boa harmonia vocal e letras muito interessantes. 

“One Day” é uma música interessante, mas nada mais que isso. Gabriel mostra um humor mais poético, enquanto que Banks e Phillips desenvolvem uma boa melodia. “Window” é mais uma das ótimas músicas desse disco. Vocais macios e delicados completamente entregues a uma sonoridade pop de qualidade. 

“In Limbo” é uma música que começa muito bem, mas infelizmente a qualidade vai caindo. Os refrãos são meio irritantes e apesar de uma base elétrica muito boa, é abafada por uns metais bastante fracos. “Silent Sun” é mais uma das faixas que compõe o que o disco tem de melhor, inclusive foi lançada como single. “A Place To Call My Own” é a faixa que finaliza do disco. Uma música curta, mas certamente a mais progressiva. Ok, talvez progressiva seja uma definição forte, mas Banks e Gabriel dão uma boa indicação dos seus talentos muito explorados futuramente, instrumental ótimo com cordas e metais utilizados de maneira muito construtiva. 

Bom, não tem como comparar esse disco com as obras incríveis que a banda iria criar já à partir do ano seguinte, mas de qualquer forma, eu costumo ter bastante paciência e ser bem compreensível em relação a esse disco. Um bom álbum.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Tiago Meneses

Nível: Colaborador Top Notch

Membro desde: 28/09/2017

"Sou poeta, contista e apaixonado por música desde os primórdios da minha vida, onde o rock progressivo sempre teve uma cadeira especial."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaEloy - Dawn (1976)

    29/05/2020

  • Image

    ResenhaWobbler - Dwellers Of The Deep (2020)

    08/01/2021

  • Image

    ResenhaDream Theater - Awake (1994)

    03/10/2017

  • Image

    ResenhaGentle Giant - Three Friends (1972)

    29/01/2018

  • Image

    ResenhaDevin Townsend - Empath (2019)

    19/04/2019

  • Image

    ResenhaGenesis - Nursery Cryme (1971)

    08/10/2017

  • Image

    ResenhaLaurent Thibault - Mais On Ne Peut Pas Rêver Tout Le Temps (1979)

    06/04/2022

  • Image

    ResenhaPink Floyd - The Division Bell (1994)

    07/11/2019

  • Image

    ResenhaGong - Radio Gnome Invisible Part 1: Flying Teapot (1973)

    15/01/2021

  • Image

    ResenhaThe Samurai Of Prog - Archiviarum (2018)

    09/05/2018

Visitar a página completa de Tiago Meneses



Sobre o álbum

From Genesis To Revelation

Álbum disponível na discografia de: Genesis

Ano: 1969

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 2,83 - 12 votos

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Veja mais opiniões sobre From Genesis To Revelation:

  • 11
    set, 2017

    No início era imitação dos Bee Gees

    User Photo Roberto Rillo Bíscaro

Visitar a página completa de From Genesis To Revelation



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.