Resenha

Out Of Myself

Álbum de Riverside

2004

CD/LP

Por: Márcio Chagas

Colaborador Sênior

22/02/2020



Uma estreia melancólica, perturbadora e genial

O Riverside é uma banda polonesa capitaneada pelo baixista e vocalista Mariuz Duda que iniciou sua trajetória no ano de 2004 lançando este debut. Logo que apareceram a crítica apressou em classificá-los como prog metal. Mas o grupo é bem mais do que isso, sua sonoridade vai além de bumbos duplos, guitarras distorcidas e vocais agudos e altíssimos. Ao contrario, o Riverside mostrou uma mistura heterogenia e madura em seu primeiro álbum, que se tornou uma pequena perola.

A sonoridade do grupo é diferenciada, os músicos utilizam a melancolia característica do Opeth e Anathema, aliada ao progressivo psicodélico de Pink Floyd  com a adesão de guitarras mais sujas e pesadas bem no estilo da segunda fase do Porcupine Tree e ocasionalmente Dream Theater.

Porém a guitarra de Piotr Grudzinski é ligeiramente mais versátil, conseguindo um som mais pungente e progressivo nos momentos mais calmos e soando mais suja e agressiva nas partes mais dinâmicas. Essa versatilidade fica evidente logo na primeira faixa, a suíte The Same River”, que tem seu inicio eminentemente progressivo e vai se desenvolvendo até o ápice, aos quatro minutos, quando a distorção aparece em um riff galopante para em seguida ser abraçada por um solo passional e viajante.

Essas variações de guitarra casam muito bem com a voz complacente e até mesmo depressiva de Mariuz, que consegue apresentar ecos de Steve Wilson e Steve Hogart em seu timbre personalíssimo e por vezes etéreo. Além de um timbre vocal personalíssimo, o músico ainda cria linhas fortes e pungentes de baixo, dando segurança a sonoridade do álbum. 

O tecladista Jacek Melnicki consegue criar belas camadas e sobreposições de teclados e sintetizadores, criando a ambiência perfeita para o som melancólico do grupo. Nas partes mais pesadas, o musico consegue traçar bons duelos com a guitarra. Uma pena que o Jacek só tenha tido a oportunidade de mostrar suas habilidades neste disco, saindo logo em seguida.

O baterista Piotr Kozieradzki  já era conhecido na polônia e região, tendo integrado bandas que vão do death metal ao progressivo e possuía boa experiência que foi muito bem utilizada na busca pela identidade do grupo. O músico sempre opta por tocar para a banda, criando uma base sólida sem bumbos duplos chatos e atletismos desnecessários.

As letras seguem uma coerência com instrumental criado, que abordam as agruras da mente de um homem a beira de um colapso mental, mas que se recusa a desistir. Não sei se foi a intenção do grupo, mas “Out of My Mind” pode ser considerado um álbum conceitual dado o tema abordado por todo o disco. Um bom exemplo de união entre letra e musica é a segunda faixa “Out of Myself”, uma canção pesada e perturbadora: “Eu não me sinto tranquilo / Acho que estou perdendo coração / Estou enjoado e cansado de todas aquelas palavras / Vozes na minha cabeça / Eu acho que eu me tornei / Outro sofrimento de minha alma...” diz parte da letra. 

“I Believe” tem o violão folk dominado o tema, cercado de vozes psicodélicas e etéreas. Essa faixa poderia estar tranquilamente em “Lightbul Sun” do Porcupine Tree.

A complacente "Loose Heart", traz a tona basicamente as influências progressivas do grupo, com seu andamento arrastados e solos melódicos.

Uma das minhas favoritas do álbum é “In Two Minds”, calcada nos violões e amparada por uma guitrra floydiana que insiste em solar ao fundo por quase todo o tema. Embora seja bastante influenciada pelo neo prog em toda a sua estrutura, não pude deixar de notar um trabalho parecido com o que Alex Lifeson fez em algumas canções do Rush, misturando acústico e elétrico em um mesmo padrão.

“The Curtan Falls” é um mini épico de pouco mais de sete minutos, uma das mais psicodélicas, com belas camadas de teclado e vocais sussurrantes de Mariuz, mostrando que a banda não se limita ao estilo denominado prog metal, apesar de bons riffs de guitarra.

Tudo que envolveu a concepção do disco foi muito bem pensado, inclusive a musica que encerra o álbum, a esquizofrênica balada “Ok” que conta com o trombone peculiar do convidado Krzysztof Melnicki e seu refrão pra lá de depressivo: Há tristeza em minha mente -  ok / Há escuridão em minha mente – Ok.

Vale destacar ainda as instrumentais “Reality Dream I e II” onde o grupo pode demonstrar toda sua gama de influências. São temas sincopados e calcados na guitarra de Grudzinski, que mais uma vez da um show de bom gosto, sabendo dosar as influencias pesadas e progressivas.

Emoldurando a concepção musical e artística do grupo, está a arte do americano Travis Smith, responsável por configurar capa de grandes nomes da sonoridade deprê como os citados Opeth e Anathema, alem de Dead Soul Tribe e muitos outros.

“Out of Myself” possui uma sonoridade homogênia e linear, difícil de ser conseguida até mesmo por bandas  veteranas,  o que torna este trabalho um dos mais empolgantes discos de estreia de um grupo prog lançado nos últimos 20 anos. 

O grupo seguiu lançando outros grandes trabalhos, mas em minha opinião nenhum chegou a ser perfeito como este. A banda sofreria um duro golpe em 2016 com a morte precoce do guitarrista Grudzinski, que acarretou profundas e significativas mudanças em sua sonoridade.


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Márcio Chagas

Nível: Colaborador Sênior

Membro desde: 14/04/2018

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaJeff Beck - Wired (1976)

    20/12/2018

  • Image

    ArtigoGinger Baker: 80 anos descendo o braço!

    20/08/2019

  • Image

    ResenhaGenesis - Wind & Wuthering (1976)

    21/04/2020

  • Image

    ResenhaSupertramp - Brother Where You Bound (1985)

    22/12/2019

  • Image

    ResenhaDeep Purple - Come Taste The Band (1975)

    18/03/2018

  • Image

    ResenhaTransatlantic - SMPT:e (2000)

    16/11/2019

  • Image

    ResenhaRush - Hold Your Fire (1987)

    03/05/2019

  • Image

    ResenhaJeff Beck - Blow by Blow (1975)

    23/12/2018

  • Image

    ResenhaEd Motta - Dwitza (2002)

    19/09/2018

  • Image

    ResenhaFish - Sunsets Of Empire (1997)

    27/08/2020

Visitar a página completa de Márcio Chagas



Sobre o álbum

Out Of Myself

Álbum disponível na discografia de: Riverside

Ano: 2004

Tipo: CD/LP

Avaliação geral: 4 - 4 votos

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Out Of Myself



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.