Resenha

Tribute

Álbum de Ozzy Osbourne

1987

CD/LP ao Vivo

Por: Fábio Arthur

Colaborador Especialista

18/02/2020



O legado de Rhoads

Esse é um disco em que na época de seu lançamento causou o alvoroço estrondoso em várias partes do mundo. Sharon Osbourne já tinha intenção, em 1982, de promover esses tapes para complementar a tour de "Diary of a Madman", mas com o falecimento de Randy Rhoads, a mesma junto a Ozzy e gravadora, vetaram em respeito ao músico. 

Até onde se sabe, a mãe de Randy - Dolores Rhoads - recebia inúmeros pedidos por fitas ou algo parecido de Randy em turnê com Ozzy, e foi também mais um impulso para o lançamento do disco "Tribute to Randy Rhoads", com sua arte clicada em cima do palco durante a performance de "Suicide Solution" em cores neutras e hipnotizantes na verdade; um delírio aos fãs. 

Mas tem algo mais nessa jornada, na verdade Sharon tinha problemas com seu pai oi empresário do Black Sabbath, Don Arden o famoso e mafioso que também era detentor de Ozzy de certa forma, então eles precisavam de um disco ao vivo ou de estúdio, mas Ozzy não queria ferir a memória de Randy, então optou por deixar engavetado este trabalho até 1987. Sharon passou a perna no pai, pedindo subsídio para concluir um disco ao vivo duplo e assim vem aquela coisa toda, Brad Gillis na guitarra, a gravação de estúdio de "Speak of the Devil" para confrontar o Sabbath com "Live Evil", e assim o contrato estava completo para com a gravadora de Arden, mas obviamente ele não gostou do que viu, um Ozzy em ascensão detonando sucessos de sua ex-banda e proferindo mais tarde o que Don queria, as fitas masters da tour de 1982. 

A banda aqui tem um feeling ao vivo matador, Ozzy logicamente em overdubs, mas, mesmo assim, soa honesto, pois a guitarra de Randy junto à cozinha toda, mostra como era essa fase no palco, a energia e a fonte inspiradora do Heavy Metal. 

Max Norman produziu os tapes e deu uma qualidade absurda ao material. Outro fator interessante é que "Speak of the Devil" em vídeo é uma continuação da turnê sem Rhoads, e assim a diferença entre ele e seu sucessor é brutal. Na verdade, Ozzy interrompeu a tour nesta fase, mas após problemas com concertos vendidos antecipados e também o próprio Ozzy, que estava entrando em uma depressão sem o parceiro Rhoads, acabou voltando para estrada. 

São 70 minutos de música boa e mesclam a fase dos dois primeiros discos solos de Ozzy, algo do Sabbath como sempre e "Dee", a faixa em takes alternados que saiu em "Blizzard of Ozz" acústica feita por Randy.

A banda, além de Rhoads e Ozzy, conta nas gravações ao vivo de época com Rudy Sarzo - baixo, Bob Daysle - também baixo em algumas faixas, Tommy Aldridge na bateria e Lee Kerslake também e outras, complementam o time. Lindsay Bridgwater - teclados e o mestre executando também, com Don Airey na maior parte dos teclados.

E o repertório agrada em cheio, mas aqui obviamente ainda assim foi cortado alguma coisa, como por exemplo, na versão em disco não tem a canção "Over the Mountain", que ao vivo era tocada todas as noites. Ainda assim temos "Flying High Again" e "Believer". Da fase debute, as clássicas de sempre estão lá, "Crazy Train", "Mr. Crowley", e como é bom ouvir Randy palhetando certinho sem enganações e com fúria. "No Bone Movies" - essa vindo da turnê de "Blizzard of Ozz" na verdade, "Children of the Grave",  Paranoid" e "Iron Man" do Sabbath. 

Esse álbum é realmente a essência ao vivo de uma época em que Ozzy estava no começo de seu auge solo. Um voo certeiro e ele ainda possuía uma voz firme em tons mais baixos, mas que eram notáveis. 

Grande disco!


Nota: As publicações de textos e vídeos no site do 80 Minutos representam exclusivamente a opinião do respectivo autor



Comentários

Faça login para comentar

IMPORTANTE: Comentários agressivos serão removidos. Comente, opine, concorde e/ou discorde educadamente.

Lembre-se que o site do 80 Minutos é um espaço gratuito, aberto e democrático para que o autor possa dar a sua opinião. E você tem total liberdade para fazer o mesmo, desde que seja de maneira respeitosa.



Sobre Fábio Arthur

Nível: Colaborador Especialista

Membro desde: 04/02/2018

"Obtive meu primeiro contato com o Rock, com o grupo KISS no final de 1983, após essa fase, comecei a me interessar por outros grupos, como Iron Maiden, do qual ganhei meu primeiro vinil o "Killers" e enfim, adquiri o gosto por outras bandas, como Pink Floyd, John Coltrane, AC/DC entre outras."

Veja mais algumas de suas publicações:

  • Image

    ResenhaBlack Sabbath - Heaven And Hell (1980)

    11/10/2018

  • Image

    ArtigoMotörhead: Ace of Spades Deluxe Box

    12/03/2021

  • Image

    ResenhaLed Zeppelin - Celebration Day (2012)

    28/11/2020

  • Image

    ResenhaWhitesnake - Come An' Get It (1981)

    29/08/2020

  • Image

    ResenhaDuke Ellington - Duke Ellington Presents... (1956)

    17/01/2021

  • Image

    ResenhaDeep Purple - Perfect Strangers (1984)

    13/01/2019

  • Image

    ResenhaBon Jovi - Have A Nice Day (2005)

    12/10/2020

  • Image

    ResenhaRush - Grace Under Pressure (1984)

    16/10/2020

  • Image

    ResenhaThe Beatles - Let It Be (1970)

    16/08/2020

  • Image

    ResenhaKiss - Unmasked (1980)

    04/12/2020

Visitar a página completa de Fábio Arthur



Sobre o álbum

Tribute

Álbum disponível na discografia de: Ozzy Osbourne

Ano: 1987

Tipo: CD/LP ao Vivo

Avaliação geral: 4,64 - 7 votos

Avalie

Você conhece esse álbum? Que tal dar a sua nota?

Faça login para avaliar

Visitar a página completa de Tribute



Continue Navegando

Através do menu, busque por álbums, livros, séries/filmes, artistas, resenhas, artigos e entrevistas.

Veja as categorias, os nossos parceiros e acesse a área de ajuda para saber mais sobre como se tornar um colaborador voluntário do 80 Minutos.

Busque por conteúdo também na busca avançada.